Na final, realmente os dois melhores: Chile e Argentina

Francisco Cesar Cavalcanti

Não poderia ser outra a decisão da Copa América, ora disputada no Chile. Os donos da casa conquistaram o direito de decidir com a Argentina que levantará a taça da competição. Foram, na realidade, as duas equipes de melhor campanha, embora a Argentina tenha tido um começo tímido, mas se recuperou ao longo do torneio.

A Argentina, pois, é o time a ser batido pelos donos da casa, a fim de conquistar pela primeira vez o título continental.Tarefa difícil. Os argentinos, ou, melhor a seleção argentina, é constituída de jogadores da alto nível, sob a batuta do craque Messi.

O Brasil ficou pelo meio do caminho, e, pelo futebol apresentado não merecia outra sorte. A imprensa avessa ao Dunga achou bom por conta das lambanças dos diretores da CBF e pelas atitudes do Dunga , que se sente perseguido e, quando fala, demonstra está sempre em atrito com alguém.

DUNGA, CALADO, É POETA

Dunga deveria evitar falar sobre qualquer assunto fora do futebol. Imagino o suplício que deva ser para ele aquela entrevista depois dos jogos, onde aquele batalhão de repórteres disparam torpedos de todos os lados. Outro dia disse que apanhava “tanto quanto um afrodescendente”. A turma politicamente correta pegou no pé. Foi obrigado a pedir desculpas.

Se fora do campo diz coisas de que se arrepende, dentro dele, visivelmente nervoso, dirige um time que ao invés de de tentar impor um ritmo de jogo à altura das tradições do futebol brasileiro, espera um erro do adversário para tentar, num contra-ataque, definir o jogo. Joga por uma bola. Coisa de time pequeno.

Pode ser que a tática do contra-ataque  esteja correta, porque o time do Dunga não tem craques para impor um ritmo que todo brasileiro gostaria, mas a história do futebol premia, perdendo ou ganhando, aqueles que procuram encantar o público com sua arte. Argentina e Chile é imperdível.

3 thoughts on “Na final, realmente os dois melhores: Chile e Argentina

  1. O futebol brasileiro atravessa a mesma crise de mediocridade, falta de liderança e esperteza que o resto do País.
    Disciplina nenhuma, interesse nenhum. Assim não se ganha jogo nem na várzea como disse o Rocha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *