Na visão de Olegário Mariano, ventura, amor, sonho e felicidade são castelos na areia

O imortal Mariano, retratado por Portinari

Paulo Peres
Poemas & Canções

O diplomata, político e poeta pernambucano Olegário Mariano Carneiro da Cunha (1889-1958) revela que a fantasia, a esperança, as palavras de amor, os beijos e a fatalidade podem ser somente “Castelos de Areia”.

CASTELOS DE AREIA
Olegário Mariano

— Que iluminura é aquela, fugidia,
Que o poente à beira-mar beija e incendeia?
— É apenas a criação da fantasia: —
São castelos na areia.

Andam, tontas de sol, brincando as crianças
Como abelhas que voaram da colmeia.
Erguem torreões fictícios de esperanças…
São castelos na areia.

Ao canto de um jardim adormecido:
“Por que não crês no afeto que me enleia?
E as palavras que eu disse ao teu ouvido?”
— São castelos na areia.

E o tempo vai tecendo, da desgraça,
Na roca do destino, a eterna teia.
— “E os beijos que trocamos?” — Tudo passa,
São castelos na areia.

Coração! Por que bates com ansiedade?
Que dor é a grande dor que te golpeia?
Ouve as palavras da Fatalidade:
Ventura, Amor, Sonho, Felicidade,
São castelos na areia.

2 thoughts on “Na visão de Olegário Mariano, ventura, amor, sonho e felicidade são castelos na areia

  1. 1) Meu conterrâneo estava inspirado quando escreveu estes versos e, por falar em fugacidade do tempo… lembro de belíssima canção da MPB, anos 1985, da compositora Marina, lindíssimas, a música e a cantora:

    2) https://www.youtube.com/watch?v=8GQXi08CjwY

    3) Em 1985 estava renascendo a Democracia no Brasil e ela belamente escreveu “Vc me abre os braços e a gente faz um país”…

    4) Este país continua em construção, de preferência sem os tanques de guerra de ontem, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *