Não é só Hitler que entrou na moda, o fascismo também está de volta

Mauro Santayana

O lançamento, na Europa, do filme “Ele está de volta”, uma “comédia” “leve” sobre o que aconteceria se Adolf Hitler voltasse à Alemanha de nossos dias, com cenas de pessoas parando, na rua, para tirar selfies com o maior assassino da História; e o relançamento de sua obra-síntese, o “Mein Kampf” (Minha Luta), em vários países – uma edição portuguesa esgotou-se em poucas horas, na Feira do Livro de Lisboa – mostram que, mais do que perder o medo de Hitler, o mundo está, para com ele, cada vez mais simpático, no rastro da entrega – quase sem concorrência – dos grandes meios de comunicação globais a meia dúzia de famílias e de milionários conservadores que, se não simpatizam abertamente com o nazismo, com ele comungam de um profundo, hipócrita, e tosco anticomunismo, fantasma a que sempre recorrem quando seus interesses estão em jogo, ou se sentem de alguma forma ameaçados.

Como também mostram o filme e o livro, e manifestações em vários lugares do planeta, defendendo a tortura, a ditadura, o racismo, o sexismo, a homofobia, o criacionismo, o fundamentalismo religioso, não é Hitler que está de volta.

É o Fascismo. Um perigo sempre iminente, permanente, persistente, sagaz, que se esconde no esgoto da História, pronto a emergir, como a peste, com sua pregação e suas agressões contra os direitos individuais, a Liberdade e a Democracia, regime que não apenas odeia, como despreza, como um arranjo de fracos e de tolos, desprovidos de mão forte na defesa dos seus interesses.

Os interesses de uma elite “meritocrática” e egoísta, ou da elite sagrada, ungida por direito de sangue e de berço, na hora do nascimento.

                                       (artigo enviado pelo jornalista Sergio Caldieri)

9 thoughts on “Não é só Hitler que entrou na moda, o fascismo também está de volta

  1. O articulista, esquerdopata, comunista de carteirinha, certamente adora se aproveitar das delícias capitalistas!! Ô hipócrita!

  2. O maior assassino da história é Mao Tsé-tung, seguido de Stálin e após Hitler, caro escrevinhador. Não desinforme. E os dois primeiros de que regime eram? Aquele defendido pelo senhor? Pois é…E esses regimes pregavam “Liberdade e a Democracia”? Pois é… no nome, talvez, “República Democrática da China”. Então escrevinhador, deixe dessa salada de asneiras, que suas táticas de desinformação ficaram lá no anos 60…

  3. Bom dia,

    Ele está falando de Hitler ou de marx? Pq pra mim o sistema mais assassino do mundos é o comunismo e o maior assassino que ja houve é marx.

    Muito obrigado.

    • Realmente, foi Marx que criou Auschwitz-Birkenau, Bergen-Belsen, Sobibor, Treblinka, e Dachau. Foi Marx que massacrou milhares de pessoas em apenas dois dias em Babi-Yar, foi Marx que arrancava a pele de prisioneiros para colecionar tatuagens e fazer abat-jours e sofás, Foi Marx que usava o corpo de prisioneiros para adubar e colher enormes repolhos em Maydanek, ou caçava criancinhas que tentavam pular o muro do Ghetto, no meio das recepções e coquetéis, atirando do balcão do Palácio em Varsóvia, como Hans Frank, como relata Curzio Malaparte em Kapputt. Fascistas são sempre burros, e na maioria das vezes mal informados, mas a primeira coisa que eles precisam matar, para disseminar suas mentiras nojentas, como você faz, é a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *