Nas eleições da Câmara e do Senado, o que surpreendeu foi o placar dilatado das votações

TRIBUNA DA INTERNET | Partidos do Centrão já se preparam para aderir a  Bolsonaro ou a Haddad

Charge do Nani (nanihumor.com)

José Carlos Werneck

A eleição do deputado Arthur Lira e do senador Rodrigo Pacheco para as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal já eram previsíveis, como escrevi na “Tribuna da Internet”, nos dias 28 e 30 de janeiro. O que surpreendeu a todos foi o placar das referidas eleições.

Simone Tebet é uma excelente parlamentar, mas sua candidatura não obteve o número suficiente de votos para alçá-la à presidência da Câmara Alta.

APOIO DO PLANALTO – Pacheco, apoiado pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre, em uma articulação direta com o Palácio do Planalto, foi vencedor com uma robusta votação de 57 votos, num total de 78 votantes, uma vantagem bem superior ao número de votos de sua adversária, que teve somente 21.

David Alcolumbre saiu engrandecido da presidência do Senado Federal, ao contrário do deputado Rodrigo Maia, o grande derrotado com a acachapante votação de Arthur Lira sobre Baleia Rossi, o candidato apoiadíssimo pelo ex-presidente da Câmara.

Arthur Lira recebeu 302 votos, mais que o dobro do segundo colocado, Baleia Rossi (145 votos) e mais que a metade dos 505 votantes, com sua vitória definida já no primeiro turno.

CAMPANHA ATÉ O FIM– Lira já tinha sua vitória assegurada dias antes da eleição, mas continuou na campanha até o momento final para conseguir o cargo máximo na Câmara dos Deputados.

O senador Rodrigo Pacheco, de 44 anos, é um dos mais jovens senadores a assumir a presidência da Casa. Nas seis disputas pela presidência do Senado, nos últimos dez anos, ele obteve o terceiro melhor desempenho, ficando atrás apenas de José Sarney e Eunício Oliveira, que foram eleitos, respectivamente com 70 e 61 votos, nos anos de 2011 e 2017.

Assim, para desespero dos adversários do presidente da República, Jair Bolsonaro foi o grande vencedor nestas eleições no Congresso Nacional.

8 thoughts on “Nas eleições da Câmara e do Senado, o que surpreendeu foi o placar dilatado das votações

  1. Grande vencedor por colocar na presidência da Câmara um condenado em 2ª instância?

    Ai, ai, ai, Werneck!

    Você é melhor do que isso, rapaz!

    Era só o que faltava: bater palmas para um bandido na Presidência da Câmara….

  2. Não consegue entender? É por somente estar antenado com a mídia tradicional que efetivamente achavam que havia disputa. Porém a nova mídia já apontava tais resultados. Veja o canal do Kim Paim e 1 ou 2 semanas atrás já apontava para tais resultados, os vídeos estão aí no YouTube!!!. O problema é que a mídia tradicional não saem de sua bolha, pese a que a vitoria de Bolsonaro já deveria ensinado. Não aprenderam e o pior é que não querem ver a realidade é assim o que se pode fazer, senão artigos como este.

  3. Caiam na real esta NOVA política. É realmente muito diferente da antiga.
    Depois do Eduardo Cunha uns 70% da Câmara e do senado passaram a defender seus interesses pessoais para se tornarem vitalícios.
    A constituição não deveria permitir mais do q 2 mandatos para absolutamente TODOS os cargos eletivos.

    • Sou contra a reeleição em qualquer cargo
      Quatro anos está bom demais.
      Fez ou não fez vaza e nunca mais pode se candidatar
      Entra outro no lugar e assim sucessivamente
      O sistema eleitoral vigente só faz essa cambada de vagabundos corruptos se perpetuarem no poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *