Natal de desespero: a seca se agrava e as cidades não recebem dinheiro do governo,

Johnatan Castro (O Tempo)

Drama. Cidades enfrentam dificuldades com abastecimento de água; no campo, animais estão morrendo de sede por causa da longa seca. Enquanto a chuva faz estragos em uma parte de Minas Gerais, em outra, não há água para beber, animais estão morrendo e há perdas nas lavouras em diversas cidades mineiras. Muitos dos 122 municípios do Estado que decretaram situação de emergência por causa da seca ainda no início deste ano requisitaram verbas ao governo federal. Entretanto, chegado o período chuvoso, os recursos ainda não foram repassados.

A seca atinge o Norte de Minas

Durante uma semana, a reportagem solicitou ao Ministério da Integração Nacional a lista de cidades que receberam ajuda em Minas, mas não obteve resposta. Porém, um levantamento divulgado recentemente mostrou que, dos 2.058 municípios em emergência no Brasil, 68% ficaram sem ajuda neste ano.

Em Monte Azul, no Norte do Estado, a pouca chuva que veio foi insuficiente para encher os reservatórios. “Não veio nenhuma ajuda. A sorte é que tínhamos os carros-pipa que serviam à zona rural”, conta o chefe de gabinete Edson Silvestre Lages. O recurso citado por ele foi o mesmo apoio para a maioria dos municípios mineiros durante a estiagem. Disponibilizados pela Defesa Civil estadual, caminhões pipas, cestas básicas e galões de água ajudaram a amenizar o sofrimento da população.

“Mas essas coisas não são suficientes porque as comunidades são muitas e muito dispersas. Queríamos verbas para criar reservatórios de água e caixas d’água”, diz a secretária municipal de Agricultura de Salinas, Maria Helena Silva. Na cidade, os rios Mumbuca e do Saco e outros córregos secaram.

###
O GADO ESTÁ MORRENDO

Já o rebanho bovino da cidade de Itinga, no Vale do Jequitinhonha, foi reduzido em 40%, segundo o diretor de Planejamento contra a Seca, Dimas Jardim. “Ainda tivemos uma queda na arrecadação por causa da redução do Fundo de Participação dos Municípios. Escolas ficaram sem água”.

Em Coronel Murta, um projeto para a construção de pequenas barragens foi elaborado e enviado ao governo federal por meio da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). “Seria uma forma de criar reservatórios de água para a população. Mas o projeto está parado”, afirma o secretário de governo, José Carlos Barbosa.

A construção de uma nova represa também é o objetivo de Espinosa, no Norte. Mas faltam recursos. “A água que temos hoje é usada para irrigar plantações e tem agrotóxicos. Aqui, 50% das lavouras foram perdidas”, diz o secretário municipal de Agricultura, Nilson Faber.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA reportagem do jornal O Tempo mostra apenas a situação no Norte de Minas Gerais. No Nordeste é muito pior. O governo em dinheiro para sediar a Copa do Mundo e a Olimpíada, mas trata a seca com essa falta de apoio. Nada mudou, o Brasil continua sendo a Belíndia, mistura de Bélgica e Índia, como dizia o economista Edmar Bacha.   Que Deus proteja os flagelados neste Natal, porque, se depender do governo… (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *