“Nem a distância apaga a chama da paixão”, dizia, poeticamente, o gigantesco Guimarães Rosa.

Frase da semana: “O homem nasceu para aprender tanto quanto a vida lhe  permita” – Guimarães Rosa | SuperPaulo Peres
Poemas & Canções
 

O médico, diplomata, romancista, contista e poeta João Guimarães Rosa (1908-1967), nascido em Cordisburgo (MG), é um dos mais importantes escritores brasileiros de todos os tempos, sendo o romance “Grande Sertão: Veredas”, que ele qualifica como uma “autobiografia irracional”, a sua obra mais conhecida. Entretanto, Guimarães Rosa também enveredou pelos veios poéticos. No “Soneto da Saudade”, ele explica que a distância não apaga uma paixão.

SONETO DA SAUDADE
Guimarães Rosa

Quando sentires a saudade retroar
Fecha os teus olhos e verás o meu sorriso.
E ternamente te direi a sussurrar:
O nosso amor a cada instante está mais vivo!

Quem sabe ainda vibrará em teus ouvidos
Uma voz macia a recitar muitos poemas…
E a te expressar que este amor em nós ungindo
Suportará toda distância sem problemas…

Quiçá, teus lábios sentirão um beijo leve
Como uma pluma a flutuar por sobre a neve,
Como uma gota de orvalho indo ao chão.

Lembrar-te-ás toda ternura que expressamos,
Sempre que juntos, a emoção que partilhamos…
Nem a distância apaga a chama da paixão.

4 thoughts on ““Nem a distância apaga a chama da paixão”, dizia, poeticamente, o gigantesco Guimarães Rosa.

  1. Belo poema.

    Com o dizem por aí: o amor é lindo!

    PS – Quando fiz vestibular para UFC (Universidade Federal do Ceará) caiu um texto do romance Grande Sertão:Veredas. para interpretação, bastante complicado por ser um romance regionalista. .

  2. TENTATIVA Guimarães Rosa
    Manhã básica, alcalina, neutralizando a gota ácida do sol. O tornassol do céu, no fundo do grande tubo de ensaio, vai se espessando, cada vez mais azul.
    Dos poços da marna alagada, cheios, como frascos chatos sem gargalos, sobem vapores alvacentos. A pressão calca cinco atmosferas, e o calor cresce, nas alavancas de pirômetros negros, dilatando as sombras.
    Rápida, uma revoada triangular de periquitos estraleja e crepita, flambada em alça enorme de platina, como o fio de chama, fugidio e verde, de um sal de boro…
    Quanto esforço da manhã, para riscar tão alto, um corisco de esperança…

  3. Tive o prazer de conhecer um pouco mais sobre a vida desse grande escritor brasileiro e sua família. Visitei a casa, hoje museu, onde nasceu e viveu até sua adolescência em Cordisburgo-MG.
    Estive em agosto deste ano por uma agência de turismo. Conheci as cidades de Ouro Preto, Mariana, São João del Rei, Tiradentes. Aprendi um pouco mais sobre nossa história.

  4. 1) Grande escritor… Guimarães Rosa…

    2) Lembrei do prof. Manuel Antonio de Castro, da UFRJ – Faculdade de Letras que escreveu o livro:

    3) “Grande Ser – tão: Veredas”… ótima interpretação do monumental livro de Guimarães Rosa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *