Nem Freud conseguiria explicar o fenômeno da corrupção brasileira

Resultado de imagem para corrupção e freud chargesNatália Lambert
Correio Braziliense

O ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), preso desde novembro de 2016, é acusado de comandar um esquema de propinas que arrecadou mais de R$ 500 milhões no Brasil e movimentou mais de US$ 100 milhões no exterior. O ex-ministro dos governos petistas Antonio Palocci (PT-SP) teria recebido R$ 128 milhões ilegais — parte seria destinada à legenda. O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB) teria de passar teria recebido US$ 1,5 milhão em propinas do esquema Petrobras e R$ 52 milhões em propina das empresas Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia, além de R$ 20 milhões para atuar em favor dos interesses da Odebrecht no Rio Madeira.

Na Lava-Jato, foram feitas denúncias de 24 senadores envolvidos no esquema de propinas. Listado pelo codinome “Campari” na tabela de propinas da Odebrecht, o ex-senador Gim Argello (ex-PTB-DF) teria recebido R$ 10,2 milhões ilegalmente. E há mais de 100 deputados, além de governadores e prefeitos que se envolveram em corrupção.

CASOS PATOLÓGICOS – Doutor em administração pela PUC-SP, Renato Santos é autor de uma tese que busca entender a lógica da cabeça de um fraudador e organizou o pentágono do crime. “São cinco condições que levam a pessoa a cometer uma fraude, que é dividida em três tipos: corrupção, apropriação indevida (desvios, furtos) e demonstração fraudulenta (lavagem de dinheiro).”

De acordo com o especialista, as cinco condições assim se dividem: 1) Racionalização, que é justificar para si o porquê se está fazendo aquilo – “Se eu não fizer, outro vai fazer” ou “esse sempre foi o sistema”; 2) Oportunidade, que é algo que o poder traz; 3) Capacidade, já que o fraudador tem de saber operar e esconder o esquema; 4) Pressão, exercida pelas pessoas em volta, da classe social, do próprio ambiente — “aceitou uma vez, vai ter que aceitar sempre”; 5) Disposição, porque corre riscos, embora tenha a percepção de impunidade.

“É a certeza de que tudo vai acabar em pizza. O próprio mensalão deu mais força aos políticos corruptos, já que as consequências foram muito pequenas.” Por fim, Santos destaca o prazer e a adrenalina de se fazer uma coisa errada. “A pessoa se sente muito poderosa e, com isso, vem o prazer, o testar limites”, diz Renato Santos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA reportagem de Natalia Lambert é muito oportuna, porque a corrupção brasileira tornou-se um fenômeno surpreendente. Trata-se de casos patológicos da era contemporânea, a serem estudados pelos especialistas em Medicina Legal, porque nem Freud consegue explicá-los. (C.N.)

2 thoughts on “Nem Freud conseguiria explicar o fenômeno da corrupção brasileira

  1. Melhor definição é a música que Gilberto Gil gravou, a ganância de quem detém o poder.

    Roda
    Gilberto Gil
    Compositor: Gilberto Gil E João Augusto

    Meu povo, preste atenção
    Na roda que eu te fiz
    Quero mostrar a quem vem
    Aquilo que o povo diz
    Posso falar, pois eu sei
    Eu tiro os outros por mim
    Quando almoço, não janto
    E quando canto é assim

    Agora vou divertir
    Agora vou começar
    Quero ver quem vai sair
    Quero ver quem vai ficar
    Não é obrigado a me ouvir
    Quem não quiser escutar

    Quem tem dinheiro no mundo
    Quanto mais tem, quer ganhar
    E a gente que não tem nada
    Fica pior do que está
    Seu moço, tenha vergonha
    Acabe a descaração
    Deixe o dinheiro do pobre
    E roube outro ladrão

    Agora vou divertir
    Agora vou prosseguir
    Quero ver quem vai ficar
    Quero ver quem vai sair
    Não é obrigado a escutar
    Quem não quiser me ouvir

    Se morre o rico e o pobre
    Enterre o rico e eu
    Quero ver quem que separa
    O pó do rico do meu
    Se lá embaixo há igualdade
    Aqui em cima há de haver
    Quem quer ser mais do que é
    Um dia há de sofrer

    Agora vou divertir
    Agora vou prosseguir
    Quero ver quem vai ficar
    Quero ver quem vai sair
    Não é obrigado a escutar
    Quem não quiser me ouvir

    Seu moço, tenha cuidado
    Com sua exploração
    Se não lhe dou de presente
    A sua cova no chão
    Quero ver quem vai dizer
    Quero ver quem vai mentir
    Quero ver quem vai negar
    Aquilo que eu disse aqui

    Agora vou divertir
    Agora vou terminar
    Quero ver quem vai sair
    Quero ver quem vai ficar
    Não é obrigado a me ouvir
    Quem não quiser escutar

    Agora vou terminar
    Agora vou discorrer
    Quem sabe tudo e diz logo
    Fica sem nada a dizer
    Quero ver quem vai voltar
    Quero ver quem vai fugir
    Quero ver quem vai ficar
    Quero ver quem vai trair

    Por isso eu fecho essa roda
    A roda que eu te fiz
    A roda que é do povo
    Onde se diz o que diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *