Nenhuma aplicação pode perder para o IBGE

Pedro do Coutto

Nenhuma aplicação financeira pode perder a corrida para a taxa inflacionária do país, pelo menos a registrada pelo IBGE. Isso é lógico e evidente. Aliás, não só no Brasil, mas em qualquer parte do mundo. As aplicações em títulos públicos não podem, sob qualquer hipótese, serem envolvidas num esquema de juros negativos, como a tecnocracia classifica as operações marcadas pelo insucesso. A inflação brasileira prevista para este ano é de 6%. Assim, por exemplo, os títulos federais que lastreiam a dívida interna brasileira, hoje na escala de 2.3 trilhões de reais, têm que ser remunerados acima desse patamar. É a taxa Selic, na base de 11,75 % ao ano.

Em reportagem  de Martha Beck, alguns economistas sustentaram que o poder Executivo terá que rever as formas de rendimento da poupança, do FGTS, e até dos fundos de pensão. Tem que rever por quê? Para fortalecer os fundos de investimento, claro.

Mas eles não traduziram corretamente o tema. Referem-se genericamente à indexação. E daí? Não dizem, por exemplo, que todos os contratos no Brasil, exceto os do trabalho, estão indexados a algum sistema automático. Não perdem para a inflação. Ao contrário do que acontece com os salários. A defasagem social está nítida..

A consequência mais direta deste problema é o agravamento de déficite habitacional e portanto a queda dos padrões sanitários. Já houve quem sugerisse taxar a poupança. Por trás desse debate que ameaça a rentabilidade das cadernetas está – isto sim – a tentativa de colocação de mais títulos do Tesouro no mercado a serem acrescidos à dívida interna. O governo Lula estava precisando captar mais recursos, mas não quer elevar a Selic. Pelo contrário. Então o caminho era transferir indiretamente parte da poupança para os títulos que sustentem o endividamento. Ainda bem que a idéia detaxar a poupança foi sepultada.

Um dos economistas desfocou a interpretação. Perguntou à repórter Martha Beck que, se os juros da Selic, por hipótese, decrescerem a 4% ao ano, o que aconteceria? Impossível. Se a inflação anual é de 6%, como poderiam os papéis da dívida interna descerem a 4%. Os aplicadores (bancos) com juros negativos desapareceriam do mercado. O país seria transformado num deserto financeiro. Essa não. Arranja outra desculpa.

(Este artigo foi republicado, porque Pedro do Coutto está em Paris)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *