Nesta briga inglória, o ministro da Defesa está correto e Fachin completamente errado

Defesa pede que Fachin divulgue propostas das Forças Armadas para as  eleições

Fachin menosprezou os militares e levou o troco do general

Carlos Newton

É grave a crise, mas o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, está sinalizando claramente um posicionamento firme em defesa da democracia. Em audiência na Câmara dos Deputados, na quinta-feira, dia 9, leu o inteiro teor do artigo 142 da Constituição, para mostrar que as Forças Armadas não se afastarão das determinações legais.

No dia seguinte, sexta-feira, aproveitou o embalo e enviou um ofício curto e grosso ao Tribunal Superior Eleitoral, enquadrando o melífluo ministro Edson Fachin, que sofreu o vexame de ser advertido formalmente e colocado em seu devido lugar, como se dizia nos bons tempos.

DISSE O GENERAL – Sem meias palavras, o ministro militar lembrou ao presidente do TSE que as Forças Armadas foram convidadas para participar da Comissão de Transparência Eleitoral, aceitaram, começaram a trabalhar e encaminharam vários questionamentos à Justiça Eleitoral

Nogueira destacou que, no entanto, a Justiça Eleitoral parece não querer levar adiante a análise da Comissão sobre a segurança das urnas eletrônicas. “Até o momento, não houve a discussão técnica mencionada, não por parte das Forças Armadas, mas pelo TSE ter sinalizado que não pretende aprofundar a discussão”, afirmou.

“Até o momento, reitero, as Forças Armadas não se sentem devidamente prestigiadas por atenderem ao honroso convite do TSE para integrar a CTE”, afirmou Nogueira no ofício, certamente se referindo ao fato de o TSE ter vazado informações de que as dúvidas dos militares eram primárias e até infantis.

CERTO E ERRADO – Nessa briga que não acontecerá, porque já tem vencedor por antecipação, o ministro da Defesa está certo e o presidente do TSE totalmente errado.

Foi o Tribunal que convidou as Forças Armadas para fiscalizar as eleições. E os militares enviaram seus questionamentos. Ao invés de simplesmente respondê-los tecnicamente, como seria sua obrigação funcional, o Tribunal demonstrou menosprezar a colaboração das Forças Armadas, fazendo com que o ministro da Defesa obrigue Fachin a engolir tudo a seco e a rever seu comportamento inadequado.

“Por fim, encerro afirmando que a todos nós não interessa concluir o pleito eleitoral sob a sombra da desconfiança dos eleitores. Eleições transparentes são questões de soberania nacional e de respeito aos eleitores”, foi o recado final do ministro da Defesa.

CAPÍTULO FINAL – Bem, espera-se que o manhoso Fachin tenha aprendido a lição e passe a tratar as Forças Armadas com o respeito que merecem.

A resposta que Fachin deu ao ofício do ministro da Defesa, com um trecho em que elogiava a si mesmo, foi mais uma peça do “jus embromandi” que caracteriza algumas de suas decisões jurídicas, como a anulação das condenações de Lula, a pretexto de que o endereço do local do crime estaria errado, digamos assim, ao definir o que significa incompetência territorial absoluta. Uma tese tão frágil que em seu voto Fachin nem conseguiu dizer qual seria a competência correta…

Bem, na História Universal, sempre que o mais fraco falta com o respeito ao mais forte, acaba levando pancada. E o ilustrado Fachin parecia não entender quem é o mais forte. Agora, talvez, enfim tenha percebido.

###
P.S.
Mas a briga está apenas começando. Fachin fez a Bolsonaro o grande favor de provocar os militares. Espera-se que agora abra as portas da Comissão de Transparência Eleitoral, antes que os militares as derrubem. (C.N.)

18 thoughts on “Nesta briga inglória, o ministro da Defesa está correto e Fachin completamente errado

  1. Fachin confia que dentro do STF vai prevalecer o espírito de corpo. Os arroubos autoritários dos ministros fatalmente em algum momento vão esbarrar num paredão. As Forças Armadas não deglutem nenhum Espírito de Porco.

    • Diferente das Instituições Federais que foram cooptadas para tentativa de golpe e também, por parte da Imprensa, que é lobo, porem, se faz de cordeiro, o STF, de forma Gloriosa, é a única das Instituições que permanece de pé, perante toda esta tramioa sórdida contra a nação e seu povo. Tal tramóia, teve origem com a Operação Lavajato, vide materia do excelente reporter investigativo Joaquim de Carvalho :
      Agrande farsa: Como Mouro enganou o Brasil e ficou rico.

  2. Boa e contundente e lúcida análise da situação.

    O passado da vida de Fachin é pantanoso.

    Só em uma Republiqueta Candanga ele chegaria a ministro da Suprema Corte de Justiça.

  3. Para redimir o TSE e fazè-lo lembrar de sua dormente função fiscalizadora, Fachin deve iniciar o processo de averiguação, punição e extinção dos registros dos partidos envoltos em corrupção,
    Não é possível que permaneçam com essa “cara de paisagem” em detrimento do que é para ser obedecido por dirigentes e filiados e regrados em inúmeras cláusulas estatutárias e repetidamente mantidas em convenções, agora flagrante e ofensivamente infringidas!
    O que os impede de cumprir um de seus papéis primcipais, quando sabes que um estatuto partidário é avalizado por todas as partes e tem o conhecimento autorizativo do próprio TSE sobre o compromisso de se ater ao alí exposto.
    Afinal, corrupção é ou não, desvio de finalidade e infração de específicas cláusulas estatutárias?

  4. As FA deviam se restringir ao seu papel. Quem verdadeiramente preza pela democracia, deve criticar quando essa instituição fica misturando sua missão com assuntos que passam longe de suas atribuições.

    Usar o convite como pretexto para impor suas sugestões, cheira a ditadura. E todas as dúvidas emanadas pelas FA foram respondidas, então, o caso deveria ter se encerrado.

    • Quanto ao conteúdo do meu comentário acima, o que tens a dizer Caro José Vidal?
      Dirigentes partidários representam suas sigla e as responsabilizam no todo, com seus envolvimentos em corrupções?

  5. As FAs e o presidente jair bolsonaro deveriam ter interfiro e recorrido através da PGR e AGU quando da anulação criminosa de todos os processos contra o ex-presidente Luis Inácio da Silva , sua reabilitação e elegibilidade ás eleições 2022 , mas não fizeram .

  6. Inflação , fome , desemprego…. Bobagens , isso não tem qualquer relevância. O importante são as gadociatas(compilação dos termos motociata , carreata e jeguiata) e o questionamento das urnas eletrônicas. É comovente a preocupação do general com a segurança das urnas , dispender parte do tempo de seu atarefadíssimo dia para esse assunto.

  7. Esses militares fedem a bolsonarismo, todo esses questionamentos partindo desses generais brochas tem como único objetivo desestabilizar o processo eleitoral e fortalecer o discurso dos gados de que as eleições foram fraudadas após a iminente derrota desse asno daqui a alguns meses.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.