Nesta quinta-feira, vamos saber como estão as contas do país

Vicente Nunes
Correio Braziliense

Nesta quinta-feira, será possível ter a noção exata de como andam as contas do governo. O Tesouro Nacional apresentará os números de junho e do primeiro semestre. Nos cálculos de Maurício Molan, economista-chefe do Banco Santander, o rombo no mês passado foi de R$ 3,2 bilhões, devido ao fraco desempenho da arrecadação, à resistência de queda de gastos e ao pagamento de parte dos subsídios do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). No acumulado do primeiro semestre, o saldo será próximo de zero.

Com isso, acredita ele, o resultado primário do setor público consolidado (União, estados e municípios) será deficitário em R$ 500 milhões em junho, mesmo com o esperado superavit de R$ 2,7 bilhões dos governos regionais. A se confirmarem esses números, o deficit primário recuará levemente, de 0,68% para 0,60% do PIB. Já o resultado nominal (que inclui os gastos com juros) deverá continuar em alta, batendo em espantosos 8,0% do PIB.

Também mostrará piora a relação entre dívida e PIB, já que as despesas com juros estão em disparada. A dívida líquida, segundo Molan, baterá em 33,9% do PIB e a bruta, em 62,8%. Todos esses indicadores mostram o quanto as finanças do país estão desajustadas. Mesmo com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tentando fazer um ajuste convincente, prometendo uma meta de superavit maior, a situação já era de calamidade. Imagine como elas ficarão, agora, com a frouxidão anunciada na última quarta-feira. Não é à toa que os investidores estão tão desconfiados.

TOMBO DE 6% DO PIB

O economista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, diz que as condições econômicas e políticas do Brasil se deterioraram acentuadamente nos últimos meses. Ele ressalta que os dados da atividade sugerem que a recessão se aprofundou e o PIB caiu a um ritmo anualizado de 6% no segundo trimestre.

Rostagno ressalta que o quadro atual é de dar depressão. A taxa de desemprego ajustada atingiu, em junho, o maior nível em quase cinco anos (6,5%), com o corte de empregos formais nos últimos 10 meses. O nível de confiança das empresas (indústria, comércio, construção e serviços) e dos consumidores está no chão e a inflação, acima de 9%.

O economista do Mizuho acredita que, com a nova meta fiscal, o Brasil não conseguirá estabilizar a relação entre a dívida e o PIB até 2018, como promete o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, já que aquele ano será de eleições, períodos em que a política fiscal costuma ser frouxa.

DOIS ANOS DE RECESSÃO

Sendo assim, destaca Rostagno, o risco de o Brasil perder o grau de investimento aumentou significativamente, o que levará os investidores a adotarem uma postura mais cautelosa em relação ao país, fazendo com que a cotação do dólar feche este ano em R$ 3,50 e salte para R$ 3,80 em 2016, tornando a atual recessão mais profunda e prolongada. Ele prevê que o PIB cairá 2,1% em 2015 e 0,7% no próximo ano.

One thought on “Nesta quinta-feira, vamos saber como estão as contas do país

  1. “…o que levará os investidores a adotarem uma postura mais cautelosa em relação ao país,…”
    Onde esta escrito investidores, leia-se especuladores, que em nada contribuem para o desenvelvimento do país. São detentores do chamado capital motel, chegam, passam a noite e, vão embora pela manhã, depois de terem seviciado nossa economia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *