Nestor Forster é aprovado pela Comissão do Senado como embaixador do Brasil nos EUA

Resultado de imagem para nestor forster

Nestor Forster (à esquerda) foi aprovado hoje por unanimidade

José Carlos Werneck

Após passar por sabatina na Comissão de Relações Exteriores do Senado nesta quinta-feira, o diplomata Nestor Forster foi aprovado, por unanimidade, para assumir a embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Este é considerado o mais importante o posto da diplomacia brasileira no Exterior.Indicado em outubro do ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro, ele ainda precisa ter seu nome submetido ao Plenário. A votação será na semana que vem, antes do carnaval.

Forster, que já chefia a representação diplomática na prática, como encarregado de negócios, considerou “histórica” a visita de Bolsonaro ao presidente norte-americano, Donald Trump em março de 2019.

APOIO DOS EUA – Para o diplomata, o principal resultado do encontro entre os dois presidentes foi a mudança de posição dos EUA com relação ao pleito do Brasil de integrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“Nos Estados Unidos, havia resistência ao fato de os Estados Unidos apoiarem o Brasil. Naquele momento, o Presidente americano anuncia, então, o apoio firme à candidatura do Brasil, como tem sido demonstrado ao longo do processo que já se inicia”, disse.

Ao enfatizar que a diplomacia não pode se esgotar na conversa entre os dois chefes do Executivo, Forster afirmou que é importante fortalecer a relação entre os dois países, “aproveitando a excelente química” entre os dois chefes de Estado, declarou.

NA ÁREA DA DEFESA – Ainda como resultado da visita de Bolsonaro à Trump , Nestor Forster enfatizou uma designação especial de aliado preferencial extra-OTAN, o que para ele, abre ao Brasil as portas de uma cooperação mais profunda na área de defesa, na área militar. Ele igualmente, lembrou o lançamento de um projeto-piloto para um programa americano, o Global Entry.

A iniciativa simplifica a chegada de viajantes frequentes brasileiros aos aeroportos norte-americanos. Quanto à isenção de vistos que o governo brasileiro concedeu unilateralmente aos Estados Unidos, Forster disse que somente nesses primeiros seis meses de implementação dessa isenção houve um aumento da ordem de 15% no turismo daquele país para o Brasil.

DESAFIOS – Sobre os desafios que Brasil tem pela frente, ele salientou avançar em uma demanda do setor privado para algo que se arrasta há muito tempo: um acordo que permita evitar a bitributação para empresas e indivíduos.

“Isso teria grande alcance na facilitação de comércio entre os dois países, no aumento da eficiência do comércio e tudo isso. É algo complexo, está na mesa há muito tempo, também está sendo examinado”, lembrou.

Na área de Saúde, destacou a cooperação entre Brasil e Estados Unidos, com integração entre fundações brasileiras como a Fiocruz. Entre os desafios do setor, estão as pesquisas de vacina para o vírus da zika e outras enfermidades.

AMAZÔNIA – Forster pediu que senadores e deputados se empenhem no que chamou de “diplomacia parlamentar”, lembrando que atuou durante a crise das queimadas na Amazônia, visitando senadores e deputados americanos para mostrar o que o Brasil fez para controlar a situação.

“Quando nós tivemos aquela situação, no meio do ano, de grande preocupação e repercussão na imprensa, sobre a queimada etc., nós fomos imediatamente, enfim, acionamos vários interlocutores que temos na sociedade norte-americana para fazer um trabalho muito específico e intenso junto ao Parlamento, que é também uma câmara de eco da sociedade, onde se veem as preocupações. Eu visitei vários senadores, vários deputados dos dois partidos”, declarou.

“No caso da Câmara, hoje nos Estados Unidos a maioria é democrata, então, é importante visitar os presidentes da comissão de meio ambiente. Esse pessoal tem grande preocupação com esse tema. E é

preciso ter um diálogo aberto e franco com eles, explicar o que está acontecendo no Brasil, desfazer exageros e enfrentar os temas com realismo e determinação”.

PEREGRINAÇÃO – Na quarta-feira, Nestor Forster fez a tradicional peregrinação pelo Senado, sendo recebido pelo presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP), e percorreu os gabinetes dos senadores para se apresentar e conquistar apoios para a aprovação de seu nome.

Além da aprovação unânime, que teve dos membros da Comissão de Relações Exteriores, ele ainda se submeterá a uma nova votação no Plenário. Se aprovado será confirmado como embaixador. Na mesma sessão da Comissão, foi sabatinado e igualmente aprovado, em decisão unânime, o indicado à embaixada brasileira no Líbano, o diplomata Hermano Telles Ribeiro.

3 thoughts on “Nestor Forster é aprovado pela Comissão do Senado como embaixador do Brasil nos EUA

  1. Este é mesmo um lugar onde o rabo balança o cachorro:
    Exige-se mais critérios, conhecimentos e formação intelectual para ser embaixador do que para ser presidente da República Federativa do Brasil, o chefe do embaixador…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *