Neymar, não prenda a bola demais, drible menos e jamais ofenda o juiz

Resultado de imagem para neymar chorando

Descontrolado, no fim do segundo jogo Neymar chorou

Pedro do Coutto

Acredito que essas três questões encontram-se no pensamento de toda a torcida brasileira, no pensamento, aliás, da população em geral. Vamos entrar em campo amanhã lutando para ultrapassar da primeira para a segunda fase da Copa da Rússia. A Sérvia será um adversário difícil, mas por isso mesmo exigirá mais empenho e objetividade da nossa seleção. Não fomos bem contra a Suíça, tampouco contra a fraca equipe da Costa Rica. Vencemos, e o que se espera é que as atuações anteriores sirvam para sinalizar a armação tática do time no gramado de amanhã, às 3 horas da tarde.

Temos defeitos a corrigir, principalmente da parte de Neymar, em tarefa urgente a ser passada a ele pelo treinador Tite e também por aquele jogador que receber a faixa de capitão. Todas as pessoas com quem tenho falado e o que está assinalado nas redes sociais indicam as questões colocadas no título deste artigo.

ERROS CRASSOS – Neymar prende a bola demais, dribla em excesso, ofende o juiz, como ficou claro na imagem revelada pela Rede Globo no final da partida contra a Costa Rica e reproduzida no Fantástico de domingo.

Prender a bola demais é retardar a chegada do ataque à área adversária. Driblar em excesso permite que a defesa adversária se arme mais solidamente, além de fazer com que o time aumente a distância entre nossa ofensiva e o gol da equipe que jogar contra nós. Ofender o juiz é indispor o árbitro contra a Seleção Brasileira. Em um dos lances da partida contra a Costa Rica, ao reclamar uma falta, Neymar jogou a bola no chão, revelando descontrole. O descontrole ficou evidente no final do jogo quando ele sentou-se no gramado chorando.

FALTA EQUILÍBRIO – Neymar, não há dúvida alguma, é um dos maiores craques da geração de hoje. Mas tem de soltar mais a bola, porque ninguém ganha o jogo sozinho. Ele deve agradecer a Deus pelo futebol que possui, de extrema habilidade com a bola, e levar em consideração que profissionalmente é um iluminado.

Teve uma transferência milionária quando o Santos vendeu seu passe ao Barcelona, depois uma segunda transferência milionária, quando trocou a camisa do Barcelona pela do Paris Saint Germain. Mas precisa desenvolver um equilíbrio talvez psicológico, sobre si mesmo, capaz de evitar atitudes que vão contra sua própria imagem.

É o que o país inteiro espera dele e da seleção de ouro.

OUTRO ASSUNTO – Em entrevista a Ana Paula Ragazzi, o presidente da Bolsa de Valores do Brasil, Gilson Finkelsztain, afirmou que a indefinição política é o principal fator para a tensão do mercado de ações. Ele se queixa de que os candidatos não estejam se referindo ao mercado de capitais de forma sólida e objetiva. Mas a campanha não começou e a indefinição é própria do mercado de capitais.

Afinal, da mesma forma que time algum vence na véspera, é preciso aguardar a campanha para uma definição mais clara. Futebol se ganha no campo, eleição se vence nas urnas.

7 thoughts on “Neymar, não prenda a bola demais, drible menos e jamais ofenda o juiz

  1. Futebol é paixão dizia o grande Nelson Rodrigues, do qual posto um texto dele, com o fim de homenageá-lo e ao futebol arte:

    “Posto alguns trechos de suas crônicas, Nelson Rodrigues é atemporal.

    Sobre Garrincha: ““Nos acrobatas chineses o que existe é o esforço, é a técnica, é o virtuosismo, ao passo que Garrincha é puro instinto. Possui uma riqueza instintiva que lhe dá absoluto destaque sobre os demais. Até Deus, lá do alto, há de admirar-se e há de concluir: – ‘Esse Garrincha é o maior!’. O ‘seu’ Mané não trata a bola a pontapés como fazem os outros. Não. Ele cultiva a bola, como se fosse uma orquídea rara”.

    Sobre Pelé: “Olhem Pelé, examinem suas fotografias e caiam das nuvens. É, de fato, um menino, um garoto. Se quisesse entrar num filme da Brigitte Bardot, seria barrado, seria enxotado. Mas reparem: é um gênio indubitável. Digo e repito: gênio. Pelé podia virar-se para Miguel Ângelo, Homero ou Dante e cumprimentá-los, com íntima efusão: ‘Como vai, colega?’ ”.

    Sobre Tostão:”;”Tostão foi, durante a partida, um estilista da cabeça aos sapatos. Seus passes saiam límpidos, exatos, macios. Deu um banho de bola nos ingleses. E a maioria dos espíqueres (falava-se espiquer em vez de locutor ) exigia aos brados, a sua substituição. O rádio e a TV não faziam outra coisa senão elogiar os ingleses. Os visitantes tinham todos os méritos e os brasileiros todos os defeitos….” Outro trecho da mesma crônica. “Os nossos bons adversários não tinham pernas; E a maioria dos locutores,principamente os paulistas, continuavam a exigir a retirada de Tostão. E no momento em que mais se exasperavam contra o maravilhoso jogador, Tostão é derrubado, deita-se na grama e faz um gol! Tostão fez aquele gol espantoso. Deitado, enfiou a bola na rede. Diante de tamanho feito, os ingleses deviam admitir, de vista baixa: – “Aprendemos mais esta” Nada disso e pelo contrário: Acharam absurdo, indesculpável, que um jogador deitado fizesse um gol”(A pátria de chuteiras),

  2. Amigos, vocês podem acreditar: — “quem não estiver sofrendo, neste
    momento, é um mau caráter. E por que mau-caráter? Vou explicar,
    calma, vou explicar. O Brasil vai jogar amanhã a partida mais dramática
    de toda a sua história, e eu quase diria: — como é possível não sofrer
    diante da formidável batalha” A pátria de chuteiras – Nelson Rodrigues

    • Sempre desconfiei do meu mau caracter. Por isso, durante a partida mais dramatica, vou torcer para o Neymar ter um ataque de choro depois do terceiro gol sérbio.
      Derrota! Derrota! Pelo bem do Brasil!

  3. “Amigos” assim começavam as crônicas de Nelson Rodrigues. Amigos, acho que o árbitro de vídeo vai decidir quem erguerá a Taça de Campeão. Vídeo tão confiável quanto nossa urna eletrônica.

  4. É muita emoção para um jogo só. Com gol de Rojo nos minutos finais, a Argentina passou no sufoco pela Nigéria por 2 a 1, nesta terça-feira, e conseguiu a sua classificação para as oitavas de final da Copa. Diego Maradona, maior ídolo do país, não aguentou. Passou mal e deixou o jogo carregado como pode-se ver no vídeo. O ex-jogador foi levado para o hospital, mas ainda não se sabe sobre o estado de saúde dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *