Ninguém sabia de nada, não vai acontecer nada – esta é a realidade da política brasileira no terceiro milênio

Nogueira Lopes

Sempre que ocorre alguma grave irregularidade no Brasil, pode-se antecipar duas coisas: “ninguém sabia de nada’ e “não vai acontecer nada”. Reparem que é justamente o que se passa no caso das quebras de sigilo fiscal pela nova safra de aloprados do PT.

O corregedor-geral da Receita Federal, Antonio Carlos Costa D’Ávila, vem a público e reconhece que somente no terminal da servidora Adeildda Ferreira Leão dos Santos, da agência da Receita em Mauá, foi quebrado o sigilo de 2.591 contribuintes, no curto espaço de apenas 4 meses e 8 dias.

É espantoso. O presidente Lula, que “não sabia de nada”, poderia até comentar que “jamais na História desse país houve tanta quebra ilegal de sigilo”. E o mais decepcionante: já está decidido que nada acontecerá à diligente servidora, especialista em quebrar sigilos. A única punição será voltar a trabalhar no órgão de origem, o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados).

Record bate a TV Globo no domingo

Festa na Record e pânico na Globo. No primeiro domingo deste mês, o programa de Gugu Liberato chegou a marcar 19 pontos no Ibope, durante a entrega de uma casa a uma menina no Ceará. E venceu durante uma hora e 11 minutos o Domingão do Faustão, por 16 pontos a 15. Na TV é assim mesmo, quanto mais ignorância, mais audiência

Requião foi agredido num restaurante

Os jornais noticiaram que o ex-governador Roberto Requião, candidato ao Senado, foi agredido pelo diretor comercial do porto de Paranaguá, João Batista dos Santos, em um restaurante do Pontal do Paraná.

O fato merece menção por uma curiosidade: é preciso muita coragem para agredir Requião, que tem quase 1,90 m de altura e pesa 130 quilos.

Uma péssima escolha do PPS paulista

O PPS, que é sucessor do Partido Comunista Brasileiro, queria colocar a ex-vereadora Soninha Francine para disputar o Senado na vaga deixada pelo ex-governador Orestes Quércia, que anunciou a retirada de sua candidatura por motivos de saúde. Soninha é aquela mesma, que ficou famosa e entrou na política porque deu declarações dizendo que gostava de fumar maconha. Será que o PPS não tinha um candidato mais adequado, ou seus dirigentes entraram na onda de Soninha?

Rita Lee desiste de escrever no Twitter

Durou pouco o reinado de Rita na internet. Em apenas uma semana, ela já tinha mais de 100 mil seguidores no Twitter. Mas falou tanta bobagem, foi tão criticada, que acabou desistindo e parou de escrever. A mesma coisa aconteceu no mês passado com o estilista Sergio K. Escreveu que “pobre é igual a papel higiênico. Se não está no rolo, está em lugar pior”, digamos assim. A história piorou quando o pedido de desculpas veio com a informação de que um estagiário havia invadido o seu Twitter, e já fora demitido. A história do estagiário, claro, virou piada na rede.

Uma genial lembrança de Doistoievski

Em tempo de tantas promessas vãs na propaganda eleitoral, é sempre bom lembrar o incomparável escritor russo Fedor Dostoievski, que dizia: “Quanto mais gosto da humanidade em geral, menos aprecio as pessoas em particular, como indivíduos”. Dostoievski morreu infeliz e solitário, mas com uma inteligência genial.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *