No assassinato de Kennedy, o enigma de Jack Ruby ainda permanece

Resultado de imagem para morte de lee oswald

Jack Ruby matou Lee Oswald dentro da delegacia

Pedro do Coutto

Numa reportagem de Silas Marti, Folha de São Paulo de sábado, foi destacado o fato de que a abertura dos arquivos sobre o assassinato do Presidente John Kennedy, agora anunciada pelo presidente Donald Trump, frustou historiadores na tentativa de decifrar os quase três mil documentos produzidos pelas investigações e que resistem à passagem do tempo. O tema foi focalizado também pelo jornalista Élio Gáspari, O Globo, e também pelo jornalista Clovis Rossi , respectivamente nas edições de O Globo e Folha de São Paulo de domingo.

Cinquenta e dois anos depois, as peças essenciais continuam envoltas em sombras. A principal delas chama-se Jack Ruby. A 22 de novembro de 63, Lee Oswald alvejou o presidente dos Estados Unidos numa rua de Dallas.

CONTRADIÇÕES – Muitas hipóteses foram levantadas a respeito do assassino. Uma delas a de que Oswald teria estado na União Soviética, outra a de que tentara, no México, obter um visto para Cuba. Caminhos estavam sendo abertos para uma investigação mais profunda. Havia razões de sobra para acreditar na sua sequência. Isso porque foi instaurada uma Comissão de Inquérito presidida pelo juiz da Corte Suprema Earl Warren, conhecido por sua total integridade e capacidade.

Entretanto, dois dias depois do atentado, Lee Oswald era conduzido a uma dependência policial no Texas para prestar seu primeiro depoimento. Estava escoltado quando em meio aos seguranças emergiu na delegacia Jack Rubi, proprietário de um bar noturno em Dallas, pelo visto amigo de policiais porque, caso contrário, não estaria em sua companhia. Jack Ruby estranhamente aproximou-se de Oswald , sacou um revólver da cintura e desferiu dois tiros fatais à queima roupa.

SEM NEXO – O assassino do presidente era assassinado por um personagem que inexplicavelmente conseguiu dele se aproximar em plena dependência policial. As televisões do mundo todo imediatamente reproduziram a cena. Os jornais, no dia seguinte, publicaram as fotografias que ingressavam na história.

Jack Ruby afirmou ter atirado porque ficara revoltado com o assassinato do presidente dos EUA. Foi só essa sua explicação. Nenhuma outra a sucedeu , sobretudo porque pouco tempo depois morreria de leucemia numa prisão do Texas. O relatório Earl Warren deparou-se com obstáculo da falta de nexo aparente entre as duas situações.

A falta de nexo permanece e o enigma foi remetido para os arquivos que neste momento são objeto de reabertura. Entretanto difícil será obter algum fato concreto, alguma ponte, que possa unir Lee Oswald e Jack Ruby num encadeamento lógico que conduziu ao crime.

NÃO CONVENCEM – Muitas versões circulam até hoje, porém nenhuma delas convincente e, sobretudo, capaz de iluminar a memória do FBI, naquela época chefiado por J Edgar Hoover. Aliás, Hoover  somente deixou o posto quando morreu. E possivelmente levou para o túmulo o segredo de suas investigações.

Não somente o segredo de suas investigações como também provavelmente o mistério de omissões das quais somente ele conseguiu saber.

O assassinato do presidente Kennedy será eternamente chamado de a tragédia de Dallas.

2 thoughts on “No assassinato de Kennedy, o enigma de Jack Ruby ainda permanece

  1. Esta foi a mais completa e exitosa queima de arquivo.
    A investigação seguiu roteiro pré estabelecido, como no filme Casa Blanca, o J Edegar Hoover mandou prender o suspeito de sempre e cuidou para que fosse “apagado” antes que pudesse falar. Foi o crime perfeito.
    Só saberemos a verdade, quando entrarmos na vida eterna, isto se São Pedro também não estiver metido na conspiração.

  2. Leiam no Google A MAIOR FRAUDE DA HISTORIA. Pelo que sei Kennedy iria estatizar o FED. Já tinha até decreto pronto.

    Sobre o dólar, o prof. Bautista Vidal publicou na Tribuna da Imprensa, um artigo intitulado: Dólar, papel pintado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *