No caso da Fifa, ainda falta incriminar Havelange e a Globo

Carlos Newton

Parodiando o célebre repórter David Nasser, podemos dizer que falta alguém no escândalo da Fifa. Na verdade, falta muita gente a ser incriminada. Um deles é o notório Ricardo Teixeira, que já começa a ser citado nas investigações do Departamento de Justiça dos EUA sobre a corrupção no futebol, e também o sogro dele, João Havelange, que o introduziu na rentável profissão de cartola de futebol.

Antigamente, os dirigentes esportivos eram seres abnegados, que não ganhavam um tostão para dedicar suas vidas aos clubes. Muitos deles até metiam a mão no bolso para ajudar a pagar as contas. Lembro do grande dirigente Gilberto Cardoso, que morreu em 1955 num jogo de basquetebol, decidido por uma cesta no último segundo, num arremesso de Guguta, na decisão entre Flamengo e Esporte Clube Sírio, quando o Flamengo conquistou mais um título carioca. Cardoso teve um enfarte e morreu na quadra.

Hoje, não há mais isso. Os chamados cartolas só querem levar vantagem em tudo, não somente nos clubes, mas também nas Federações e Confederações, em que os escândalos se sucedem. Muitos deles se eternizam no poder, mamando sem parar, como aconteceu com Ary Graça, que recentemente foi destronado na Confederação Brasileira de Vôlei, afogado num mar de lama.

HAWILLA E KLEBER

Para quem tem o mínimo de conhecimento sobre o esporte brasileiro, não dá para engolir a informação de que dois ex-repórteres de terceiro time – J. Hawilla e Kleber Leite – tenham se tornado verdadeiros potentados do futebol, a ponto de vencerem a licitação da Fifa para exploração comercial de importantes torneios internacionais, num esquema de corrupção que vem desde a década de 1990.

Aqui no Brasil, os funcionários do Departamento de Justiça dos Estados Unidos não teriam a menor dificuldade em descobrir por onde aprofundar as investigações. Todos sabemos que não é J. Hawilla nem Kleber Leite que mandam no esporte, embora tenham se tornado miliardários explorando o ramo. No país mais importante do lado de baixo do Equador, quem realmente comanda o circo é a Organização Globo.

ATORES COADJUVANTES

Hawilla e Kleber são pequenos participantes do botim esportivo, funcionam apenas como atores coadjuvantes nessa sensacional novela, porque a parte do Leão vai para os três irmãos Marinho. Isso é fato público e notório, nem é necessário fazer maiores divagações a respeito.

O mais importante – e pouca gente sabe – é que a cumplicidade entre eles atinge outros setores, como o controle das emissoras de TV nas cidades do interior. Como a legislação proíbe que as redes de TV tenham mais de cinco emissoras próprias, J. Hawilla faz este trabalho complementar para os filhos de Roberto Marinho, tendo se tornado o maior plantador de “laranjas televisivos” do Estado de São Paulo. Não é ilegal, porque o serviço é bem feito e não se consegue provar, mas não deixa de ser amoral.

7 thoughts on “No caso da Fifa, ainda falta incriminar Havelange e a Globo

  1. CN. O futebol virou um grande negócio para os cartolas. Quem dá o
    espetáculo são os clubes e os jogadores, mas quem ganha muito dinheiro
    são as Federações, as Confederações e a Rede Globo, considere-se ainda
    a má gestão dos Presidentes e Diretores dos clubes, por isso os clubes estão
    endividados.

  2. Bingo Sr. Newton, acertou em cheio.
    O J.Hawilla queestá em prisão com tornozeleira nos E..U e que é proibido sair do Páis é o maior laranja dos filhos bilionário do marinho.
    Como pode o dito comprar jornais da própria emissora,?
    Um deles é o Diário de São Paulo.
    Este jornal centenário pertecia ao ex-governador orester quércia, por longos anos, depois foi vendido para as organizações criminosas do marinho, logo depois “vendendo” para o repórter de campo J.Hawilla.
    /como sempre digo aos meus amigos, “entram pobretas no futebol, e de repente num estalar dos dedos ficam bilionários, enquanto os times de futebol não temdinheiro para pagar uma conta de água.”..
    Tem mais um desses corruptolas nesse mesmo esquema , que entrou pobrinho e ficou bilionário danoite para o dia
    O FBI nem precisaria de 3 anos para investigar esse sujeito e sua lavanderia de dólares e seu enriquecimento ilitico em tão pouco tempo.
    Agora pertecente ao Partido dos pelegos, talvez queria a imunidade parlamentar para jogar seus podres e corrupção para debaixo do tapete.
    /e o pior , ainda está solto por ai……
    Em uma de suas declarações disse que os “marinhos são gangsteres”….

    /segue videos….

    https://www.youtube.com/watch?v=DBemqaEuomI
    https://www.youtube.com/watch?v=pnIH1wqELas

  3. Por que ninguém investiga a publicidade por anos a fio da Petrobrás no clube “mais querido” ? A Petrobrás precisava mesmo dessa propaganda ou seria lavagem de dinheiro ? Ah, sim, porque o “mais querido” é também querido pela Globo.

    • Martha eu concordo plenamente com voce porem não podemos esquecer dos pai trocinios a outro time só que de São Paulo onde até estadio este time ganhou com suor de nosso trabalho, pagando preço simbolico.É nos que temos que pagar para que as vontades de certas pessoas se realizem?

  4. “Os chamados cartolas só querem levar vantagem em tudo”, não tem como evitar Carlos Newton, a tua colocação nos remete para a famosa Lei de Gérson formatada em torno de um dos melhores meio-campistas do futebol brasileiro, como registra o texto a seguir (colado): A tal Lei de Gérson tem origem em uma propaganda que Gérson, um dos melhores meio-campistas da história do futebol brasileiro e ex-jogador de grandes times como o São Paulo Futebol Clube, fez para os cigarros Vila Rica no ano de 1976. Na peça publicitária, o boleiro fala sobre as vantagens do cigarro e pronuncia a seguinte frase: “É gostoso, suave e não irrita a garganta”. Na sequência diz: “Por que pagar mais caro se o Vila me dá tudo aquilo que eu quero de um bom cigarro?”. Depois de propagandear o cigarro e falar sobre o quanto o produto era bom, Gérson dá um sorrisinho malandro e solta a última e infeliz frase da propaganda: “Gosto de levar vantagem em tudo, certo?”. Desta forma, sintetizou de uma vez só o jeitinho brasileiro de fazer o errado parecer certo.. http://www.infoescola.com/curiosidades/lei-de-gerson/

  5. Pelo que sabemos, desde 1964 – quando passou a receber muita grava e favores dos militares -, em matéria de corrupção, comportamento social, alienação psicológica da população e linchamento da ética e dos bons costumes, a Globo só faz “gol de placa”…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *