No caso do corte dos ministérios, a lorota venceu

Bernardo Mello Franco
Folha

É possível encher o espaço desta coluna com declarações da presidente Dilma Rousseff e seus aliados contra a ideia de cortar ministérios. A sugestão circulou em diversos momentos, mas sempre foi tratada com desprezo no Planalto.

Uma boa oportunidade surgiu depois dos protestos de junho de 2013, quando a popularidade presidencial sofreu o primeiro tombo. Pressionada pelas ruas, Dilma foi aconselhada a enxugar a máquina em sinal de austeridade. “Há um consenso hoje na questão do número exagerado de ministérios”, disse o então presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, sugerindo o fim de 14 pastas.

A presidente escalou Jaques Wagner, então governador da Bahia, para responder em seu nome. “Não é reduzindo ministério que se dá eficiência à máquina pública”, disse ele. Dois anos depois, o peemedebista e o petista esqueceram a divergência e foram premiados com a mesma moeda. Hoje, eles são dois dos 38 ministros do governo Dilma.

O tema voltou na campanha de 2014, quando Aécio Neves e Marina Silva prometeram passar a navalha na Esplanada. Como nenhum deles se encorajou a nomear as pastas que seriam sacrificadas, a presidente se sentiu à vontade para contra-atacar.

“CEGUEIRA TECNOCRÁTICA”

“Tem gente querendo reduzir ministérios. Um deles o da Igualdade Racial, outro o que luta em defesa das mulheres. Eu acho um verdadeiro escândalo querer acabar”, disse, em setembro. No mês anterior, ela definira a promessa dos adversários como uma “cegueira tecnocrática”.

Reeleita, Dilma teve nova chance de reduzir o time, mas bateu o pé. “Outra lorota”, disse em novembro, ao ser questionada sobre os rumores de que enxugaria o segundo escalão. Ela insistiu que a medida não geraria “economia real” para o governo.

Ao voltar atrás, Dilma deixou duas hipóteses em aberto. Ou mentiu antes, ao dizer que não precisava cortar ministérios, ou mente agora, ao agir contra suas convicções. Em qualquer dos casos, a lorota terá vencido.

4 thoughts on “No caso do corte dos ministérios, a lorota venceu

  1. Acho muito difícil a Presidente cortar Ministérios, acabar com cartão corporativo, diminuir consideravelmente o número de cargos comissionados e ser austera com os gastos da máquina pública, se oferecer altos cargos e empreguismo foi a maneira encontrada para conquistar os aliados.

  2. Dilma pode até reduzir o numero de ministérios.
    Mas, se fizer isto, remanejará os cartões corporativos, os cargos comissionados, manterá os gastos da máquina pública, os altos cargos e o empreguismo como foi e é usado para conquistar os aliados.
    Tudo não passará de um operação para inglês ver.
    E valendo-se disto irá forçar o aumento dos impostos e a volta da CPMF.

  3. O PIB dos Estados Unidos é 8 vezes maior que o PIB do Brasil.

    O Brasil possui 39 ministérios e os Estados Unidos apenas 15 ministérios.

    Considerando o PIB como parâmetro, se os Estados Unidos aplicasse o mesmo “PADRÃO PT” de aparelhamento do Estado pela pelegada teria de possuir 39 x 8 = 312 ministérios…o que seria o sonho dourado de todo petralha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *