No desastre chamado Bolsonaro, renda do trabalho cai e reduz o poder de consumo

Charge do Ivan Cabral (ivancabral.com)

Pedro do Coutto

Além das repetidas atitudes e atos negativos do governo Bolsonaro, um estudo revela dramaticamente a queda do poder aquisitivo da população, especialmente das classes D e E, os mais pobres. Reportagem de Eliane Oliveira, Cássia Almeida, Gabriel Shinohara e Alex Braga, O Globo, desta segunda-feira, mostra que, mais uma vez, a renda do trabalho no Brasil se retraiu, comprimindo a capacidade de consumo, especialmente das classes de menor remuneração que representam 54,7% da força de trabalho brasileira.

O levantamento é da Tendências Consultoria e, a meu ver, reflete também o resultado decorrente do congelamento salarial e da subida de preços, criando um impasse efetivamente impossível de ser superado. A solução somente seria factível se os salários empatassem com a inflação do IBGE e da Fundação Getulio Vargas. Como isso não aconteceu,a força de trabalho do país perde cada vez por maior distância a corrida contra os preços.

RETRAÇÃO – O estudo considera gastos essenciais com alimentação, habitação, transporte, saúde, educação e comunicação. Por esse motivo, principalmente pelo maior peso do gasto com alimentação para os mais pobres, estima-se que a renda disponível, o dinheiro que sobra após as despesas básicas, encolheu entre os que ganham menos. Nas classes D e E, a queda este ano será de 17,7%.

Quanto mais baixa for a renda, maior é o peso algébrico da alimentação, pois se trata de uma questão de sobrevivência. Os segmentos de renda mais alta sofrem um impacto menor pelo aumento dos alimentos pois possuem tanto despesas essenciais, quanto aquelas que não têm o mesmo caráter.

O consumidor geral pode praticar os preços mínimos, mas para isso terá que percorrer no mínimo três supermercados por dia, o que é muito pouco provável. Como se constata, o desastre da atual administração é maior do que aquele que se poderia pensar.

VOCAÇÃO – O presidente da República tem uma vocação ao erro irreversível. Tanto é assim que, segundo ele próprio, não tinha conhecimento do tamanho da ofensiva de corrupção na área do Ministério da Saúde. Empresas produtoras de vacinas que não tinham necessidade de intermediários passaram a ser estranhamente representadas por pessoas sem conhecimento suficiente do tema, como assinalou o senador Tasso Jereissati, e portadoras de propostas mirabolantes, como as feitas e recebidas por Luiz Paulo Dominguetti.

Esta semana, a partir de hoje, terça-feira, será inevitavelmente bastante tensa e igualmente densa, uma vez que o senador Omar Aziz, presidente da CPI, convocará depoimentos específicos de envolvidos na trama e até mesmo promoverá acareações. O quadro crítico cada vez mais se expande e se aprofunda deixando perplexa a opinião pública brasileira.

DESMATAR, MATAR E ROUBAR  –  Muito bom o artigo de Fernando Gabeira na edição de ontem de O Globo sobre três verbos: desmatar, matar e roubar. O desmatamento ganhou a dimensão de um escândalo praticamente igual ao da investida por comissões baseadas na venda de vacinas e em pagamentos muito acima do valor de mercado com a participação até do ex-diretor de insumos do Ministério da Saúde.

Mas chama a atenção um fato altamente negativo. O roubo, de uns tempos para cá, transformou-se numa rotina envolvendo administrações públicas  e privadas. Sim, porque a corrupção se desenvolve no  campo sinuoso em que se articulam empresas e administradores públicos.

INVERSÃO – Chegou-se ao ponto de se pensar que ser honesto é algo negativo para investidura em cargos de maior responsabilidade. Pode estar até acontecendo o seguinte, alguém se dirige a quem tenha a caneta e diz ironicamente: “Você vai nomear esse sujeito, fulano ? Ele é honesto, atrapalhará tudo”. O que era exceção, a partir do governo Fernando Collor, transformou-se em fato constante.

Gabeira ilumina o caminho no qual o verbo roubar ganha uma incrível transparência. Infelizmente, está sendo assim e com isso aumenta a pressão sobre opinião pública cuja única saída é esperar pelas urnas de 2022.

TAXAÇÃO DE DIVIDENDOS – Na edição de domingo, Adriana Fernandes, do Estado de São Paulo, publicou reportagem assinalando que, com a taxação de dividendos, projeto do ministro Paulo Guedes, a administração Bolsonaro pretende arrecadar mais de R$ 54 bilhões no Imposto de Renda. A investida contra os dividendos também se volta sobre os lucros das empresas, inclusive de pequenas e médias.

Com base em estudo feito pelo economista Sérgio Gobetti, solicitado pelo Estadão, a taxação de dividendos atingirá 20 mil pessoas físicas, com renda média anual de R$15 milhões e patrimônio proporcional a tal rendimento. Essas 20 mil pessoas, entre 3,6 milhões de contribuintes de renda acentuadamente alta, vão proporcionar a arrecadação adicional que o governo projeta. Entretanto, acredito ser muito difícil que os dividendos venham a ser tributados, principalmente porque o imposto já incidiu sobre o balanço das empresas, notadamente os bancos.

Seria um caso assim de bitributação. Além do mais, os detentores de grandes riquezas, assim considerados na reportagem, reagirão e possivelmente o Congresso Nacional não aprovará o projeto. Mais uma produção do ministro Paulo Guedes que já chegou ao ponto de sugerir a distribuição de sobras de restaurantes para combater a fome no país.

15 thoughts on “No desastre chamado Bolsonaro, renda do trabalho cai e reduz o poder de consumo

  1. O lema lamentável de Bolsonaro, “Brasil acima de todos, Deus acima de tudo”, além de cínico e hipócrita, coloca o ser humano abaixo de um território, de uma extensão enorme de espaço, conhecida como Brasil.

    Muito mais importante que o País é o seu povo!
    Ele que dá à ao território o crescimento industrial, comercial, de serviços, agrário, pastoril …
    Não se pode imaginar uma nação sem o cidadão, sem pessoas, sem seres humanos, pois se trata de uma aberração mental!

    Quanto a Deus estar acima de tudo, só mesmo muito idiota para postar tal bobagem.
    Evidente que Deus está acima de tudo e todos, mas, de que forma poderemos cultuar esse Deus se não for enaltecer a sua criação, a espécie humana??

    De que serve o Brasil se desenvolver, as elites, castas e sistema econômico-financeiro poderoso, se temos feridas graves abertas?
    Desemprego;
    miséria;
    pobreza;
    fome;
    violência;
    analfabetismo;
    clamorosas injustiças sociais?

    Definitivamente, o território brasileiro jamais poderá ser superior à vida de seu povo, assim como este mesmo povo ser abandonado em nome de Deus porque Ele está acima de tudo!!

    Resumindo:
    Brasil acima de todos, Deus acima de tudo, e o povo embaixo da terra!!

    Che, mas é muita maluquice para um só governo, que, ainda por cima, desmente a si mesmo, pois o objetivo fundamental é o Deus … DINHEIRO!!!

    Quanta patifaria e canalhice juntas.

    • Essa cambada de vagabundos , não saem ás ruas para ver o tamanho do estrago.
      Está tudo bem á vista de todos, mas, incompetentes e corruptos como são não enxergam mais nada, a não ser os valores depositados em suas contas bancárias, aqui e lá fora.

  2. “Reportagem de Eliane Oliveira, Cássia Almeida, Gabriel Shinohara e Alex Braga, O Globo, desta segunda-feira, mostra que…”

    O jornalista sem fontes continua usando fontes podres. Depois não sabe porque não acerta uma.

  3. Caro Bendl,esse Governo realmente quer exterminar com
    os plebeus..
    Vejamos: Gasolina teve aumento 49%
    consequência,inflacionou toda cadeia produtiva.

    Diesel bruto é exportado,e compramos o mesmo diesel refinado em dólar.

    Sem,falar da compra das vacinas,onde os procedimentos e protocolos, estranhamente foram,digamos, atropelados.

    Forte Abraço,esteio do blog…

    • Souza-POA/RS, meu conterrâneo,

      A vida humana não tem valor para Bolsonaro e sua trupe, mormente de quem é pobre, miserável, desempregado, esfaimado, analfabeto, e à Mercê de violências várias e exóticas!

      Aliás, bem que eu gostaria que os robôs e sectários bolsonaristas publicassem quando que Bolsonaro citou essas “classes sociais” por mim mencionadas.
      Nunca.

      Volto a dizer, parceiro:
      Não haverá plano econômico, político, tributário que dará certo, sem antes existir a preocupação com os desvalidos.

      A Escandinávia, Alemanha, Japão, Austrália, países de excelente qualidade de vida, hoje ostentam o ápice no quesito IDH, em razão da importância que seus governantes elegem suas populações.

      Um povo desenvolvido, educado, tendo saúde e segurança, impulsiona o país; desenvolve a nação; proporciona o progresso individual e coletivo.

      Só no Brasil que querem fazer o contrário, logo, não há plano que terá resultado por esta separação entre País, Estado, Pátria e Nação, do povo e de seres humanos!

      Tais definições políticas não podem estar acima da pessoa;
      o cidadão não pode esperar pelo crescimento do “bolo” para depois ser repartido, como dizia o corrupto Delfim Neto.
      Temos de ser a prioridade de qualquer governante.

      Menos nesta republiqueta, que mostra para o mundo ser um país onde a injustiça social é o exemplo absoluto do descaso;
      onde os desvalidos são o modelo indiscutível de políticas e planos econômicos que foram realizados para contemplar as castas, elites e o sistema predatório financeiro-econômico!

      Mais:
      onde a mola propulsora nacional é a corrupção!

      Que país é este, onde temos SERES HUMANOS que morrem de fome?
      Que nação é esta, que ainda registra milhões de pobres e miseráveis?
      Que presidente é este, que não se preocupa com outros milhões de desempregados?

      Abraço.
      Saúde e paz, parceiro.

    • Só isso, 333 pessoas em condições de escravidão e em 13 anos???!!!

      Temos mais de CEM ILHÕES de trabalhadores que são escravos do Estado por seis meses ao ano, e nada é feito para serem liberados dos grilhões de impostos e carga tributária!!!!

  4. E o nordeste sendo contemplado “como nunca antes na história deste país” …

    Brasil terá investimento de R$ 1 bilhão no sertão do Nordeste
    As negociações para a captação de recursos foram concluídas nesta semana.

    Um projeto de R$ 1 bilhão pretende capacitar produtores rurais e aumentar a segurança alimentar no semiárido da região Nordeste.

    A iniciativa foi lançada nesta semana pelo Fundo Internacional para Desenvolvimento Agrícola (Fida) em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Ministério da Economia.

    Batizado de “Semeando Resiliência Climática em Comunidades Rurais do Nordeste (PCRP)”, o projeto tem o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável do sertão nordestino.

    O projeto pretende beneficiar 250 mil famílias — cerca de 1 milhão de pessoas– em até quatro estados do Nordeste, que ainda serão escolhidos.

    A informação foi divulgada, neste domingo (4), pela revista Época Negócios.

    Ao somar os aportes do Fida, do BNDES e a contrapartida dos governos estaduais, os investimentos podem chegar a US$ 202,5 milhões, ou seja, cerca de R$ 1 bilhão na cotação atual.

    Em dezembro, a diretoria-executiva do Fida havia aprovado, de forma unânime, a destinação dos recursos.

    https://renovamidia.com.br/brasil-tera-investimento-de-r-1-bilhao-no-sertao-do-nordeste/

  5. Jornalista Pedro do Coutto, reconheça o óbvio, o FiqueEmCasa a economia a gente vê depois, foi o maior engodo dos últimos anos. E antes que eu me esqueça: Bolsonaro tinha razão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *