No Dia de Finados, há a comprovação de que jamais esqueceremos aqueles que foram amados

14 Dia de Finados Imagens e Gifs com Frases para Whatsapp - Recados OnlineVicente Limongi Netto

Quem amamos jamais será esquecido. Lembranças boas e ruins pertencem ao coração. Damos aos momentos vividos feições belas e cativantes. Afagos e conversas eternizam existências. Quem surge nas nossas vidas fica para sempre. Nunca faltará um cantinho para eles. A ternura e a alegria dos bons momentos navegam pela alma como jardins floridos. Emocionam o espírito. Nessa linha, a matéria “Vivos na memória” (Revista do Correio Braziliense- 01/11) é comovente. Ilustra e relata com perfeição os sentimentos que nutrimos pelos amados que partiram.

Fotos e porta-retratos trazem todos eles de volta ao nosso convívio diário. Integram a galeria dos eternos apaixonados por aqueles que Deus levou para perto de si.

PERSEGUIÇÃO A GANSO –  O canal Sportv, ao invés de oferecer boas e isentas informações ao assinante, resolveu pegar no pé do jogador Paulo Henrique Ganso. Todo jogo do tricolor carioca, alguns medonhos e medíocres analistas e narradores de meia pataca do Sportv, que nunca jogaram nem pedra em vidraça, quanto mais futebol, escoiceiam Ganso. Desrespeitam o atleta.

Em artigo anterior, aqui mesmo na Tribuna da Internet, repudiei grosserias de três outros renomados sacripantas do Sportv. Também contra Ganso. Desta vez, sábado, no jogo Fluminense e Fortaleza, outros três patetas decidiram achincalhar Ganso, anunciando a #Ganso erra passes.

Resultado da bobagem: nenhum telespectador participou da sandice proposta pelos asnos. O estúpido, inacreditável, covarde e torpe patrulhamento contra Ganso prosseguiu durante a transmissão. “Ganso volta no segundo tempo”, anunciou o desapontado narrador. Adiante, nova parlapatice do narrador: “Ganso segue em campo”.

Quebraram a cara, porque Ganso atuou o jogo inteiro e foi elogiado  pelo treinador. É a opinião que vale e acrescenta para todo atleta.  Final do jogo, o falastrão, desesperado  e azedo analista de quinta categoria, voltou a apelar: “A atuação de Ganso foi apagada”. Sugiro, por fim, que o patético trio no próximo jogo do Fluminense e do Ganso crie uma merecida homenagem para eles. A #não sabemos nada. Será a glória.

E O TRUMP, HEIN? – Caso Donald Trump seja reeleito presidente dos Estados Unidos, o que não é impossível,  além de agradecer a confiança dos norte-americanos, para exercer mais um mandato, o topetudo candidato também precisará  agradecer, por justiça, a monumental  cobertura  jornalística e torcida que recebeu do O Globo e da Globonews.

Emocionante a isenção dos dois veículos.

6 thoughts on “No Dia de Finados, há a comprovação de que jamais esqueceremos aqueles que foram amados

  1. CENOTÁFIOS DO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ

    Tudo se passava a 25 km de Pinheiro-MA, sentido noroeste, entre os povoados de Bandeira Branca e Campo Novo. Alto São José, em cujo cimo repousa um cemitério de mesmo nome, ou Lucrécia, como era chamado até a primeira metade da década de setenta. Aquele cerro tinha seu sopé, ao sul, contornado por um riacho subterrâneo, conduto de um fio d’água salobre. Ninguém bebia da água, exceto alguns cavaleiros porres.
    O perímetro do Campo Santo era delimitado por uma linha imaginária, seguindo o círculo sobre o qual, um dia, o vigário espargiu água benta. O espaço bendito, o eliseu, era reservado aos puros, ou enrustidos, quem sabe?! Sobrava a periferia, o geena, aos impuros, ou estereotipados, talvez!
    Ao chegar o dia de finados, vinham romarias de todas as direções àquela necrolatria. Cada vivo trazia consigo: velas, e cofos cilíndricos sem a trança inferior. Tecidas com pindoba, aquelas peças artesanais tinham função de para-brisas para proteger as chamas das velas contra o sopro do vento. Só pessoas doentes ou mulheres “de macaca, de barco furado, na semana delas” não podiam participar da cerimônia; elas corriam risco de hemorragia.
    Enquanto os mortos eram reverenciados, ouvia-se tiros, bem como catrapus de cavalos desembestados. Homens espritados pela mais pura “cana”, montavam suas cavalgaduras para apostas em porfia de parelhas. O culto fúnebre propiciava uma ótima oportunidade para os jóqueis caipiras exibirem suas mais recentes aquisições bélicas: um trinta-e-oito, uma peixeira, um treçado… “o homem desarmado faz o outro confiado”, dizia-se lá.
    Do Campo Santo, podia-se vislumbrar algumas tochas mato adentro – parentes iluminavam as almas daqueles que em vida tiveram uma conduta em trevas. Assassinos, ladrões e estupradores constituíam a mortualha execrável. Os rostos dos seus não escondiam o constrangimento. Era comum um e outro murmurar: “fulano acende velas embrenhado, cicrano acende velas amontado!” Mais à frente havia um esqueleto ressequido, recostado a um jutaizeiro – tratava-se de um pai que praticara relações incestuosas com as filhas – por isso a terra tê-lo-ia aflorado à superfície. Muitos curiosos iam contemplar aquela múmia macabra.
    No centro da necrópole estava encravada a Santa Cruz, ali era um ponto de convergência, ou seja: o serviço de Perdidos e Achados dos correios sepulcrais. Se por um motivo qualquer, alguém deixasse de localizar a sepultura (a carneira) do seu defunto, teria que se dirigir ao pé da Santa Cruz, e lá acender suas velas. Em torno dela estavam as manes desassistidas à espera de luz. Mas o Cruzeiro, o outro nome da Cruz, também era buscado por parentes que não queriam ter suas imagens vinculadas aos falecidos de mau caráter, os que jaziam fora do núcleo sagrado.
    Ao fim das oferendas lúgubres ocorriam frequentes incêndios. Porque à medida que as palhas dos cofos iam secando, tornavam-se combustíveis ao fogo por elas circundado. Mesmo sendo um evento facilmente compreensível, ainda assim, os fideístas preferiam explicar a queima sob o ponto de vista teúrgico.
    Também eram corriqueiros relatos de bolas de fogo pairando sobre o cemitério. O povo acreditava que aquilo fosse diabrura de “curaganga” ou de almas penadas. Hoje, à luz da ciência, focos incandescentes assim, não passam de fogos-fátuos; fenômenos físico-químicos. Eles resultam da inflamação espontâneo do oxigênio atmosférico combinado ao metano, à cuja mistura dá-se o nome de grisu. O metano é expelido por matérias em estado de putrefação, muito comuns nos pântanos e cemitérios. Isto só aumenta as margens às especulações fabulosas.
    Quando se extinguia a última chama, as pessoas procuravam-se para as saudações de despedida. Uma vez que, nem só para os mortos, mas para os vivos também, ali era um ponto de reencontro transitório, enquanto o permanente não lhes fosse imposto. Sacudida a poeira, todos batiam em retirada. Chegando a seus lares, o próximo passo seria rumo ao poço, onde tomavam banho de descontaminação. E, a quem desse um espirro, estava-lhe assegurado mais um ano como acendedor de velas, senão ele seria mais um inquilino do subsolo. Em se confirmando tal superstição, a longevidade seria algo sustentado por rapé e sinusite.

  2. A ironia do caro Vicente Limongi Neto,ao dizer que Trump reeleito deve agradecer,por justiça,a monumental cobertura jornalística que recebeu do O Globo e GloboNews. Emocionante a isenção dos dois veículos.,vale por um artigo.

  3. Prezado Limongi,

    Em princípio, parabenizo o teu artigo, que lembra os nossos entes amados que já se foram.
    Na verdade não deveria se chamar Dia de Finados, mas o Dia da Saudade!

    Em outro texto, concordei contigo quanto à invasão de falsos comentaristas de futebol na TV.
    Muitas vezes, o jogo é ruim não pelo futebol apresentado pelas equipes, mas pela maneira como foram narrados e “analisados”.

    Aproveito, ao mesmo tempo, para deixar registrado um momento que estamos vivendo, que poderá nos trazer sérios problemas amanhã ou depois.
    Antes, Limongi, quero salientar, inclusive para o Germani, que NÃO OS ESTOU CRITICANDO PELO MODO COMO SE DIRIGIRAM À GLOBO, não é nada disso.
    Apenas pelo fato que vocês mencionaram a emissora porque assisti hoje, ainda, um vídeo mostrando jornalistas dessa rede sendo agredidos por conta de uma reportagem em SC!

    Temos plena consciência que Bolsonaro é incompetente, agressivo, mal educado, inoportuno, um boquirroto.
    Não podemos culpa-lo, pois fomos que o elegemos.
    Vá lá, o presidente tem se mostrado inacreditavelmente incompetente, no entanto, um erro crasso de sua administração devo registrar, na minha opinião, evidentemente:

    Jamais, na nossa curta história republicana, tivemos um mandatário que fosse tão avesso à imprensa!
    Nunca antes o brasileiro se viu diante de um presidente declaradamente inimigo da mídia e, especificamente, contra a Rede Globo.
    Resultado:
    “Contaminou” uma boa parte do povo – que não são vocês dois, por favor! -, a fazer o mesmo que Bolsonaro, então a “Globolixo”, e cenas de agressões nos repórteres do veículo de comunicação verdadeiramente inaceitáveis.

    A guria que filmava uma das belas praias de Florianópolis, se viu fortemente contestada por um homem de meia idade, que tentou lhe tomar a câmera.
    Outro, em solidariedade ao agressor covarde, deu um tapa na repórter, e vários outros safados cercaram a profissional agredindo-a física e moralmente!

    A ascensão de Bolsonaro ao poder redundou nessa campanha violenta contra a imprensa.
    A partir do momento que o atual presidente sentou as suas nádegas na poltrona da sala presidencial no Planalto, estabeleceu quem seria o inimigo público número um de seu governo:
    A Globo!

    Depois vieram a Folha de São Paulo, Veja, Isto É, Época …pois um dos papéis da mídia é justamente fiscalizar a administração vigente, e Bolsonaro não admite críticas ou contestações porque escancaradamente antidemocrático, contrário ao povo, avesso à nação tomar conhecimento da sua absurda incompetência e más intenções.

    Portanto, quero deixar o meu protesto pelo que os adeptos de Bolsolnaro estão fazendo contra essa emissora, aproveitando essa carona no artigo de LImongi e o lacônico comentário de Germani, pois ambos abordaram a Globo, para eu me colocar na situação oposta de Bolsonaro – não dos meus colegas, pois inúmeras vezes critiquei esta rede de comunicações.

    Só acho que a ira contra a Globo está se tornando uma situação grave, que poderá descambar para uma tragédia inexoravelmente.
    Afinal das contas, seus profissionais não podem ser agredidos, insultados, ofendidos, e serem obrigados a encerrar as suas reportagens porque Bolsonaro detesta a emissora!

    Agradeço a ambos pela compreensão sobre o meu alerta e posição.

    Abraços.
    Saúde paz.

    • Caro Bendl!

      Meu lacônico comentário sobre as palavras de Limongi foi de total apoio ao que ele disse.

      A Rede Globo como quase todas as demais emissora (no Brasil,nos EUA e no mundo),não fazem mais jornalismo.São um aparato controlado pela agenda esquerdista.

      PS-É evidente que temos que reprovar atos de violência aos profissionais de produção (repórteres,cinegrafistas,…),mas
      o QUESTIONAMENTO aos “barões do jornalismo”,a CRÍTICA tem que ser severa,porque são,na verdade,criminosos
      que conspiram contra o Brasil (EUA e o mundo) e suas populações.

      Exemplo: Como aceitar as barbaridades que um Kennedy Alencar diz o tempo todo contra Trump? E por que esse farsante do jornalismo nada questiona do incapaz Biden?

      Exemplo 2: Como não conceituar o New Yort Times como o PRAVDA do Hudoson?
      NYT é planfleto socialista.

      PS-Por que nenhuma linha sobre a verdade oculta dos atos de Black Lives Matter e Antifa,cujo objetivo é derrubar o sistema para implantar uma nova ordem
      comunista?

      PS2-Caro Bendl! Estamos num ponto de inflexão política e ideológicamente em todo o mundo.Ou se bloqueia a consolidação da insana e satânica Nova Ordem Mundial,ou teremos o inferno na Terra.
      PS3-A reeleição de Trump é vital para isso.

      PS4-Quanto a Bolsonaro Zero Zero,tem estratégias fundamentadas sempre “nas coxas”.Não há qualquer sinal de inteligência,sabedoria e competência para
      dizer a verdade.Um Estadista portador de 57 milhões de votos jamais faria o que ele faz.

  4. Prezado Germani,

    Evidente que o teu pequeno texto foi de apoio ao Limongi, e não escrevi nada diferente.

    Por outro lado, se a imprensa não é mais a mesma, e concordo contigo plenamente, da mesma forma o mundo, as pessoas, as instituições, os poderes não são mais os mesmos.

    A impressão que tenho, Germani, é que somos estranhos ao planeta e a nós mesmos.
    Direita, esquerda, ideologias … a verdade é uma só:
    todas essas tendências lutam para ter o poder.

    O povo do mundo está submetido à economia, ao dinheiro, às castas e elites, que nos dominam há muito tempo.
    O Brasil é o exemplo clássico do desprezo pelo povo porque há décadas somente somos roubados, explorados e manipulados, pois assim exige o sistema.

    Sobre as eleições nos EUA, te confesso que não perco um minuto para ler ou ouvir notícias a respeito de quem poderá vencer.
    Tenho prá mim que, tanto faz um ou outro, e nada mudará para o nosso lado.

    Somos uma nação dependente do capital estrangeiro; precisamos vender até mesmo nossos commodities; nossos governantes jamais se preocuparam em desenvolver o país, mas apenas e tão somente se envolverem nessa política deletéria e deplorável.
    Resultado:
    Eis uma nação constituída de pobres, miseráveis, analfabetos absolutos e funcionais, desempregados, e um contingente incalculável de pessoas que vive da caridade alheia!

    Sendo assim, o que se passa lá fora, Germani, e não que eu seja um alienado, mas enquanto a nossa situação interna se encontra sem solução, caótica, sem esperança, de nada vale eu querer me enfronhar nas eleições americanas ou de qualquer outro país, a meu ver.

    Continuaremos sendo controlados – e cada vez mais -, pelo fato de os países mais desenvolvidos e poderosos tomarem como objetivo a Amazônia.
    Querem-na prá si; controlar, preservar, proteger …
    Evidente que não é para o bem da humanidade, claro que não, mas à sobrevivência dos três grandes, pois a água que existe naquela região abastece o mundo por mais de mil anos!!!!

    Dito isso, Germani, se estamos em um ponto de inflexão política e ideológica, muito antes desses pensamentos e ideias que deveremos seguir, optar, escolher, precisamos repensar a nossa importância como seres humanos.
    Pô, mas que droga, meu!
    Qualquer setor, segmento, tendência política, ideologia, religião … se tornaram muito mais valorizadas que o homem!

    De uma hora prá outra e quem somos nós?
    Um bando de gente descartável, inútil, sem trabalho, esperando por comida na boca??!!
    Che, pensa bem:
    os dirigentes desse planeta elaboraram normas e meios onde o povo foi totalmente excluído.
    Mas, como assim?
    Pergunto:
    Aonde está o nosso poder?
    Aonde está a nossa influência?
    Aonde está a nossa capacidade de reação?
    Aonde está a nossa capacidade de discernimento?
    Aonde está o nosso senso crítico?
    Respondo:
    Fomos perdendo, gradativamente, o valor como cidadãos, como sociedade, como até mesmo seres humanos, pelo fato que nos condenaram a sobreviver, lutar por um prato de comida, buscar uns trocados por um pedaço de pão.

    Perdemos o sentido da vida;
    o significado de viver;
    se passamos o dia, ótimo.
    Então, de modo que não nos matemos, encontramos nas diversões coletivas a válvula de descompressão da câmara antes que exploda:
    Futebol, churrasquinho aos fins de semanas, rodas de pagode e, o carnaval, onde o brasileiro se desliga dele mesmo e do mundo!

    Tá difícil, Germani, muito difícil.
    Ou a inflexão que devemos fazer se volta para o próprio homem ou continuaremos nos desvalorizando como seres humanos de tal forma, que seremos cada um de nós uma ilha, isolada nem um mar de gente, que não conhecemos e nos negamos a conhecer.

    Ora, quando o povo perde a sua união, a sua unidade, a sua identidade como tal, os governantes atingiram seus objetivos:
    “Se eles não se preocupam com eles mesmos, muito menos nós nos preocuparemos com eles”, certamente essa é a ideia corrente entre os poderosos.

    Enfim, quando assisto esse povo resultante de idiotices e imbecilidades, maus exemplos e de injustiças, agredindo cidadãos que trabalham, que estão ganhando seus salários honestamente e, esses mesmos valentões diante de parlamentares ladrões, vagabundos, incompetentes e inúteis, ainda os chamam de excelências, eis o exemplo que quero te deixar:
    Não valemos mais nada!!!

    Bolsonaro diz que a Globo é lixo, então seus macaquinhos amestrados agem conforme as ordens do treinador.

    Um forte abraço.
    Saúde e paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *