No imaginário da poesia, tudo de bom pode acontecer quando o carnaval chegar…

Resultado de imagem para Mardilê FabrePaulo Peres
Poemas & Canções

A professora e poeta gaúcha Mardilê Friedrich Fabre fez um poema sobre a expectativa da chegada do Carnaval, quando os sonhos podem até se tornar realidade.

QUANDO O CARNAVAL CHEGAR…
Mardilê Fabre

Quando o Carnaval chegar,
Fantasiar-me-ei de rosa…
O mundo irei perfumar,
Dançarei bela e dengosa.

Fantasiar-me-ei de rosa…
Arlequim me beijará…
Dançarei bela e dengosa.
A festa nossa será.

Arlequim me beijará,
Pierrô ficará comigo,
A festa nossa será,
Desfarei amor antigo.

Pierrô ficará comigo,
Viveremos outra história,
Desfarei amor antigo,
Intriga contraditória…

2 thoughts on “No imaginário da poesia, tudo de bom pode acontecer quando o carnaval chegar…

  1. 1) Licença… um dos assuntos do momento…

    2) Canção ironia dos anos 1980 do bardo Eduardo Dusek

    3) Doméstica (Letra)
    Doméstica
    Eduardo Dusek

    Foi trabalhar
    Recomendada prá dois gringos
    Logo assim
    Que chegou do interior
    Era um casal
    Tipo metido a granfino
    Mas o salário
    Era tipo, um horror…

    A tal da madame, tinha mania
    Esquisitona de bater
    E baixava a porrada
    Quando a coisa tava errada
    Não queria nem saber…

    Doméstica!
    Ela era
    Doméstica!
    Sem carteira assinada
    Só caía em cilada
    Era empregada
    Doméstica!…

    Nunca notou
    A quantidade de giletes
    Não reparou
    A mesa espelhada no salão
    Não perguntou
    O quê que era um papelote
    Baixou “os home”
    Ela entrou no camburão…

    Na delegacia
    Sua patroa americana ameaçou:
    “Lembra que eu sou
    Uma milionária,
    Eu fungava, de gripada
    Não seja otária, por favor”…

    Doméstica!
    Traficante disfarçada
    De doméstica
    Era manchete nos jornais
    O casal lhe deu prá trás
    Sujando brabo prá doméstica…

    No presídio aprendeu
    Com as companheiras
    A ser dar bem
    A descolar, como ninguém
    Ficou famosa
    No ambiente carcerário
    Com a mulata
    Que nasceu prá ser alguém…

    Pois não é que a
    Doméstica!
    Conseguiu uma prisão, doméstica
    Saiu por bom comportamento
    Mas jurou nesse momento
    Vingar a raça das domésticas…

    Então alguém
    Lhe aconselhou logo de cara
    “Dá um passeio
    Vê se arranja um barão”
    Porque melhor
    Que o interior ou que uma cela
    É ter turista e faturar
    No calçadão…

    Até que um dia
    Um Mercedinho prateado buzinou
    Era um louro alemão
    Que lhe abriu a porta do carro
    E lhe tacou um bofetão…

    Doméstica!
    Virou uma baronesa
    Doméstica!
    Mesmo com as taras do barão
    Segurou a situação
    Levando uma vida doméstica….

    Realizada em sua mansão
    Em Stutgard
    Ouvindo Mozart de Beethoven de montão
    Com um pivete
    Mulatinho pela casa
    Que era herdeiro
    De olho azul como o barão…

    Precisou de uma babá
    Botou um anúncio
    Bilíngüe no jornal
    Seu mordomo abriu a porta
    Uma loira meio brega
    Uma yankee de quintal…

    Doméstica!
    Era a americana, de doméstica
    A nêga deu uma gargalhada
    Disse:
    “Agora tô vingada
    Tu vai ser minha
    Doméstica”! …(2x)

    4) https://som13.com.br/eduardo-dusek/domestica

    5) Quanto à poesia carnavalesca de hoje, muito bonita a escolha do Peres !

  2. Sonho de Um Carnaval
    Chico Buarque

    Carnaval, desengano
    Deixei a dor em casa me esperando
    E brinquei e gritei e fui vestido de rei
    Quarta-feira sempre desce o pano

    Carnaval, desengano
    Essa morena me deixou sonhando
    Mão na mão, pé no chão
    E hoje nem lembra não
    Quarta-feira sempre desce o pano

    Era uma canção, um só cordão
    E uma vontade
    De tomar a mão
    De cada irmão pela cidade

    No carnaval, esperança
    Que gente longe viva na lembrança
    Que gente triste possa entrar na dança
    Que gente grande saiba ser criança

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *