No meio de uma situação sombria da Terra e da Humanidade, os sentimentos que, neste Natal, devemos alimentar

Leonardo Boff

O Natal representa a oportunidade de voltarmos ao cristianismo originário. Em primeiro lugar, existem a mensagem de Jesus, a experiência de Deus como Pai com características de mãe, a misericórdia e a entrega radical a um sonho, o do Reino de Deus. Em segundo lugar, há o movimento de Jesus, daqueles que, sem aderir a algum dogma, se deixam fascinar por sua saga generosa e radicalmente humana e o têm como uma referência. Em terceiro lugar, há as teologias sobre Jesus, já contidas nos evangelhos, escritos 40, 50 anos após sua execução na cruz.

As comunidades subjacentes a cada um dos evangelhos elaboraram suas interpretações sobre a vida de Jesus, sua experiência de Deus e o significado de sua morte e ressurreição. No entanto, cobrem sua figura com tantas doutrinas que se torna difícil saber quem foi realmente o Jesus histórico que viveu entre nós. Por fim, existem as Igrejas que tentam levar avante o legado de Jesus. Uma delas é a católica, com a reivindicação de ser a única verdadeira guardiã de sua mensagem e a exclusiva intérprete de seu significado. Tal pretensão torna praticamente impossível o diálogo ecumênico e a unidade das Igrejas, a não ser mediante a conversão.

Hoje, tendemos a dizer que Jesus não pode ser apropriado por nenhuma Igreja. Ele pertence à humanidade e representa um dom que Deus ofereceu a todos.

###
A CULPA

Tomando como referência a Igreja Católica, notamos que duas tendências ganharam grande curso. A primeira se funda muito na culpa, no pecado e na penitência. Sobre tais realidades paira o espectro do inferno, do purgatório e do medo.

Efetivamente, podemos dizer que o medo foi um dos fatores fundamentais na penetração do cristianismo. O método, no tempo de Carlos Magno, era: converta-te ou serás passado ao fio da espada. Lendo os primeiros catecismos feitos na América Latina, vê-se claramente essa tendência. Começa-se com a descrição idílica do céu e, depois, a terrificante, do inferno. Setores da atual Igreja manejam ainda hoje as categorias do medo e do inferno.

Outra tendência, mais contemporânea, e penso, mais próxima de Jesus, põe a ênfase na compaixão e no amor, na justiça original e no fim bom da criação. Entende que a história da salvação se dá dentro da história humana e, não, como uma alternativa a ela. Daí surge um perfil de cristianismo mais jovial, em diálogo com as culturas e com os valores modernos.

###
DEUS-MENINO
A festa do Natal se liga a essa última tendência do cristianismo. O que se celebra é um Deus-menino que choraminga entre a vaca e o burrinho, que não mete medo nem julga ninguém. É bom que os cristãos voltem a essa figura. Ele representa o “puer aeternus”, a eterna criança que, no fundo, nunca deixamos de ser.

Uma das melhores discípulas de C. G. Jung, Marie-Louise von Franz, analisou em detalhe esse arquétipo em seu livro “Puer Aeternus” (Paulinas, 1992). Ele possui certa ambiguidade. Se colocamos a criança atrás de nós, ela deslancha energias regressivas de nostalgia de um mundo que passou e que não foi totalmente superado e integrado. Continuamos infantis. Mas, se colocamos a criança eterna à nossa frente, ela suscita em nós renovação de vida, inocência, novas possibilidades de ação que correm em direção do futuro.

Esses são os sentimentos que queremos alimentar neste Natal, no meio de uma situação sombria da Terra e da humanidade. Sentimentos de que ainda teremos futuro e que podemos nos salvar porque a Estrela é magnânima e o “puer” é eterno, e porque ele se encarnou neste mundo e não permitirá que afunde totalmente. Nele se manifestou a humanidade e a jovialidade do Deus de todos os povos. Tudo o mais é vaidade.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *