No melhor dos mundos, bancos desconhecem crise e lucram R$ 73 bilhões em 2018

Resultado de imagem para lucros do bancos charges

Charge do Pelicano (arquivo Google)

Pedro do Coutto

As repórteres Talita Moreira e Flávia Furlam, com base em dados do Banco Central, revelam no Valor que os quatro maiores bancos do país fecharão seus balanços de 2018 apresentando u lucro de 72,9 bilhões de reais. Só no último quadrimestre os resultados positivos somaram 19,15 bilhões. A matéria destaca os desempenhos do Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil.

No final de 2018, o Itaú lidera o lucro com a parcela de 6,6 bilhões, o Bradesco vem a seguir com 5,9 bilhões, depois o Banco do Brasil aparece com 3,5 bilhões de reais e o Santander com 3,3 bilhões.

JUROS ALTOS – Como não pode existir crédito sem débito, da mesma forma que débito sem crédito, se alguém atinge o resultado positivo, o resultado terá origem numa operação financeira.

Talita Moreira e Flávis Furlan acentuam que a fonte da lucratividade dos quatro maiores bancos brasileiros provêm dos créditos que liberam, tanto para empresas quanto para pessoas físicas. Os juros tiveram uma operação média mensal da ordem de 4,4%. Comparada com a inflação de 4%a/a, registrada pelo IBGE, a margem de lucro é muito grande.

Além dos créditos a pessoas jurídicas e físicas, Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil são credores de notas do Tesouro Nacional, à base da taxa Selic, que é de 6,5%a/a. Projetado esse índice sobre o endividamento federal de 4 trilhões de reais verifica-se a dimensão dos encargos financeiros assumidos pela União. Existe inclusive uma possibilidade de pessoas físicas adquirirem títulos que lastreiam a dívida interna do Brasil. Os grandes bancos oferecem essa forma de aplicação.

MAIS CRÉDITO – Aliás os bancos passaram a oferecer créditos e mais créditos a pessoas físicas. Ontem mesmo, na Folha de São Paulo e o Globo, o Itau publicou duas páginas coloridas informando ao público em geral que a liberação de créditos agora está mais fácil aos que recorrem aos empréstimos.

Inclusive vale notar que há 60 milhões de brasileiros com atraso de mais de três meses em seus pagamentos a bancos e financeiras. Os juros das financeiras são muito maiores do que os da rede bancária.

A inadimplência está muito alta, mas os bancos absorvem este aspecto e continuam financiando clientes. No Brasil, eles são imunes a crises. Por que será?

11 thoughts on “No melhor dos mundos, bancos desconhecem crise e lucram R$ 73 bilhões em 2018

  1. Reiteradamente tenho escrito que o país é surreal, e que não existe outra nação no globo com as nossas características e peculiaridades.

    A solicitação de alguns governadores ontem à Justiça para que os salários dos servidores já defasados sejam mais ainda diminuídos, foi a comprovação tácita do quanto esses corruptos e ladrões consideram o cidadão.

    Legislativo e Judiciário, as castas do Brasil, vivem à margem de qualquer crise instalada, nababos, seres especiais.

    Pois agora, enquanto o Planalto acusa déficit bilionário, algo em torno de 150 bilhões de reais, os bancos apresentam um lucro que corresponde à metade de nossos problemas!

    Mineradoras faturam bilhões e, como distração, matam centenas de pessoas, arrasam com a fauna, flora, rios, riachos, córregos, propriedades e animais, cachorros, gatos, bois, vacas, porcos, galinhas …

    No Ceará, os presos revoltados com as normas impostas de disciplina, atearam fogo ao Estado … escrevi OS PRESOS!!!

    Sinceramente, mas é o caso de se voltar a perguntar:
    QUE PAÍS É ESSE??!!

  2. Relembrando palavras do Lula antes de ser eleito:

    “Obviamente que, tendo em vista os lucros que tiveram o Itaú, o Bradesco e os outros bancos, o Fernando Henrique Cardoso não é nem pai: ele é pai, mãe, avô, avó, tio, tia do sistema financeiro, que nunca ganhou tanto dinheiro como está ganhando agora”.
    (Candidato Lula, 2001, Entrevista a Ziraldo)

    Palavras do Banqueiro depois que Lula foi eleito:

    “Quando ele foi eleito, eu tive uma preocupação de que levasse o governo para uma linha de esquerda, mas ele foi mais conservador do que eu esperava”.
    Olavo Egydio Setúbal, presidente do conselho de administração da holding que controla o banco Itaú.
    (12/08/2006)

    Declarações dos banqueiros sobre o “Impeachment” da Dilma

    “Não há motivos para tirar Dilma do cargo, diz presidente do Itaú Unibanco”
    Roberto Setúbal, presidente Ita´Unibanco
    Folha – 23/08/2015

    Conclusão: Após quase 16 anos no poder o PT/PMDB/PSDB só fizeram aumentar os lucros dos bancos.

  3. A tão necessária “reforma da Previdência” poderia começar pelo aumento da tributação sobre os lucros desta máquina de fazer fortunas que, são os bancos. Depois disto até podem propor o tal sistema de capitalização que, de uma forma ou de outra porá grana no bolso destes mesmos bancos lucrativos.

  4. Os bancos sempre deitaram e rolaram, sempre fizeram o que quiseram, inclusive durante o Regime Militar. Evidentemente, dos anos 1980 para cá a vergonha e os descalabros cometidos pelos banqueiros aumentaram exponencialmente, mas eles sempre fizeram o que quiseram.
    O candidato Jair Bolsonaro disse que aumentaria a quantidade de bancos para aumentar a competitividade. Se fizer mesmo isso vai ajudar mas para dar um basta ao estelionato dos banqueiros bastaria que o BB e a CEF baixassem os juros e as custas. Por que não o fazem?!
    E com um banqueiro arrogante, prepotente e entreguista comandando a economia alguém acredita que a farra dos seus colegas terminará?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *