No mistério do espancamento de Joice Hasselmann, há muitas perguntas que não querem calar

A deputada Joice Hasselmann está com cinco fraturas no rosto e uma na coluna

As pancadas no rosto indicam que o xeiminoo seria  destro

Bela Megale
O Globo

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) decidiu se pronunciar sobre o que descreve como “ilações” reverberadas após a revelação de que ela sofreu fraturas. Ela acredita ter sido “vítima de um atentado”.

O marido da parlamentar, o neurocirurgião Daniel França, passou a ser vinculado à agressão nas redes sociais. Joice rechaça veementemente essa versão. Diz que isso passou a ser a dito para “criar uma cortina de fumaça para que não se descubra a verdade” sobre o que aconteceu na madrugada do domingo passado.

DEFESA DO MARIDO – De maneira muito canalha, estão tentando desviar o foco e colocar o meu marido em suspeição. Quem me conhece e conhece o Daniel sabe que é muito mais fácil eu dar uma sova nele do que ele ousar levantar a mão para mim. O meu marido é o tipo de homem que puxa a cadeira para eu me sentar, abre a porta do carro e me espera na porta de casa com uma taça de champanhe. Ele é um príncipe, incapaz de dar um tapinha no meu gato para assustá-lo – disse Joice à coluna.

A parlamentar repetiu à coluna o que disse em entrevista desta quinta-feira. Joice relata que quem a socorreu foi seu marido, o neurocirurgião Daniel França, que costuma passar os fins de semana em Brasília.

A deputada ligou para o celular do marido às 7 horas da manhã, porque não conseguia se levantar (ela mostrou para a coluna o registro dos telefonemas no seu celular).

DESCOBRIR A VERDADE – A deputada relata que ele dormia em outro quarto da casa. Ao levar a reportagem ao local em que acordou ferida, a parlamentar mostrou o cômodo onde afirmou que estava Daniel França, naquela noite. Joice diz que o casal costuma dormir separado, porque o marido tem problemas com ronco. A parlamentar afirma que França a levou para o quarto, fez curativos e ministrou os remédios.

– Daniel foi a primeira pessoa a me socorrer, a exigir que eu fizesse as tomografias. É uma canalhice tentarem envolvê-lo nesse episódio. Isso tem um intuito de criar uma cortina de fumaça para que não se descubra a verdade. Não vou permitir. Se (o agressor) fosse meu marido, filho, pai ou irmão, eu teria denunciado e colocado na cadeia. Qualquer um que me conhece minimamente sabe disso.

LAPSO DE MEMÓRIA – Joice disse também que “é lutadora” e que Daniel França costuma repetir para amigos do casal, em tom de brincadeira, que “o que me causa mais medo é tomar uma coça” da mulher.

– Ele sabe que, aqui, não é brincadeira, não – emendou a parlamentar.

A coluna publicou nesta quinta-feira uma entrevista com a parlamentar, em que ela relatou que acordou em uma “poça de sangue”, na manhã de domingo, depois de um lapso de memória de sete horas. Joice afirmou que não se lembra de nada desde a noite de sábado, quando estava em sua cama, vendo TV. Ela suspeita ter sido agredida e, por isso, solicitou a abertura de uma investigação na Polícia Legislativa. A deputada disse que indicará o seu marido como uma das testemunhas do caso.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
– Até agora, só algumas certezas – houve uma bárbaro espancamento, o criminoso é destro e sua mão direita deve estar machucada, porque quebrou um dente da deputada, e esse tipo de violência deixa marcas no agressor. Era necessário haver perícia, é claro. Não houve nem haverá, o que é estranho. E as perguntas? Joice e o marido são do tipo moderninho que toma sonífero pesado? Em caso afirmativo, foi só entrar, cloroformizar e barbarizar. Em caso negativo, fica tudo ainda mais estranho. Ao acordar, ela sentia muitas dores ou parecia estar anestesiada, pois não conseguia levantar? Cadê as imagens do condomínio? Foram requisitadas? Há imagens ou não? Para que serve a Polícia Legislativa? Por que não houve boletim de ocorrência na Polícia Civil? São perguntas que não querem calar. É só respondê-las e o mistério acaba. Desculpe a deputada, mas o maior interesse em responder a essas perguntas deve ser dela mesma. (C.N.)

16 thoughts on “No mistério do espancamento de Joice Hasselmann, há muitas perguntas que não querem calar

  1. No caso seria Polícia Federal ( e não a Civil ). Crime contra Ben e autoridades federais.
    É estranho mesmo. Afinal, a Polícia Legislativa é como a Guarda Municipal. A Constituição diz uma coisa. Mas fazem muito além do estabelecido por ela…
    Talvez tenha sido por razão de receio. Afinal, o Genocida interferiu na Federal.

  2. Algumas coisas mais a considerar: Fez exames de lesões corporais com um médico legista? Isso demonstraria que foi agredida a socos ou com alguma outra coisa. Fez exame toxicológico? Isso demonstra se poderia ter sido dopada. Fizeram a segurança do local preservando vestígios? Chamaram uma polícia técnica? Fizeram uma reconstituição dos fatos? Essas coisas todas poderiam ajudar muito na elucidação ou pelo menos eliminar algumas hipóteses.

  3. Um uppercut no queixo seguido por um direto no olho. Roberto Jefferson ainda criou o armário, mas Joice não pode criar dois armários. Ficou difícil. Agora, diz que foi rastejando até o telefone para ligar para o marido. Lembrei de uma piada: “Querida, quando você faz amor, você fala com seu marido ?”. “Sim, se houver um telefone ao alcance da mão”.

  4. Se isso acontece com uma deputada federal em plena democracia (?); o que não aconteceria em uma ditadura com o AI-5 implantado com um comando ‘sem noção’???!!!
    PS: Como sempre, respeitando a autodeterminação, a ONU só interviria, quando não existisse mais povo. Como aconteceu em Kosovo ou em Ruanda com a etnia tutsi.

  5. Parece ser de uma explicação bem simples.

    Se ela tivesse sido atacada por alguém, mesmo que adormecida, acordaria com as agressões e se lembraria de alguma coisa. Como ela não se lembra de nada, parece ter sido um ataque epilético.

    Nesse caso, há perda de consciência, a pessoa cai imediatamente ao chão e tem movimentos involuntários, podendo se debater e se machucar ao bater com a cabeça e membros em objetos ou móveis próximos, o que é compatível com essas lesões na cabeça.

    Só ao final do episódio é que a pessoa vai recuperando progressivamente a consciência, sem se lembrar do que aconteceu.

  6. Muito sinistro a historinha da Dona Choice Tucanahellmans

    Se arrastou para pegar o celular para ligar para o marido que estava no quarto ao lado.
    Por que não gritou, help, help, help, ou socorro, socorro, já que é uma barraqueira de mão cheia.?
    O Pacheco é médico, será que ele não sabe que já tem tratamento para quem ronca demais e bafo de carniça.?
    Por que não foi feito exames para comprovar se ela foi dopada ou então tomou uns goles á mais de vinho e champagne francesa.?
    Hoje em dia se você soltar um PUM na rua, tem milhões de câmeras para filmar o acontecimento, onde estão as câmeras do Prédio..?
    Será que o Pacheco não escutou nada, barulho de porta, porrada, vozes, se ele estava dormindo no outro quarto .???
    Quantos quilômetros fica um quarto do outro;.???

  7. A Joice se deu conta como o Moro e muitos dos que votaram no demônio, que o bolsonaro não era mais o mesmo, desde que o flávio e o queiroz foram pegos com a mão na massa.

    Assim que nomeou o aras para a pgr o virou um desgoverno e a zona tomou conta do país.

    O gabinete do ódio operou sem anestesia os seus desafetos e aí a Joice caiu em desgraça, sem merecer, a meu ver.

    Ela revelou há pouco tempo que o demônio falou pra ela, o seguinte: ”
    Se eu tomar uma facada, estou eleito”.

    Vejam, não estou acusando ninguém, mas outra vez vemos coincidências incríveis.
    Ninguém sabe ninguém viu!

    Acho que essa moça está muito assustada e o “esquecimento” faz parte do medo.

    Quanto ao marido ter batido nela, acho pouco provável uma briga de casal.
    Ele deve ter feito corpo de delito e não devem ter encontrado nenhum arranhão no corpo ou braços.
    Já viram o tamanho das unhas da tigresa?
    Ninguém sai ileso de uma unhada dessa tigresa.

    De qualquer forma é importante examinar o conteúdo dos vídeos do prédio.
    Isso será cabal pra elucidar este estranhíssimo episódio.

    JL

  8. Acho que o primeiríssimo número a ser chamado pela deputada deveria ser o da polícia federal, que tem pra lá das melhores condições de fazer uma boa perícia no local e, em seguida, a melhor investigação possível para o caso. Nenhuma outra polícia está, pelo menos em tese, melhor aparelhada para tal. Agooooora, quem poderia imaginar que o imóvel funcional de um congressista fosse de tal fácil violação, caso tenha havido uma, sem que nenhum sistema de segurança e proteção eletrônica tenha sido usado/acionado durante um tempo tão longo. Muuuuiiiiito estraaaaanho!!!

    Vade retro assombração!!

  9. Vai ser mais um caso tipo assassinato da vereadora Mariele ….

    Teremos muita especulação no caso Joyce , a vitima viva não é confiável , por isso o motivo dessa agressão será difícil seu esclarecimento .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *