No segundo turno, guerra do nós contra eles

Carla Kreefft

As últimas pesquisas não revelam muito mais além daquilo que todos os brasileiros sabem: o país está dividido. Mas onde está essa linha divisória? Quais são as razões que provocam essa cisão? Por que a polarização chegou a essa intensidade?

Os candidatos e suas candidaturas não podem ficar isentos dessa responsabilidade. O discurso do “nós contra eles”, que sempre foi muito usado pelo PT, também foi utilizado pelo PSDB, ainda que travestido de “nós não queremos dividir, mas não podemos deixar de responder”. Assim, petistas e tucanos não se preocuparam em evitar esse acirramento, que transforma cada eleitor com o voto já decidido em um militante fervoroso e disposto a ganhar mais uma adesão na próxima esquina a qualquer custo.

O ambiente de clássico Atlético contra Cruzeiro invadiu as casas, os locais de trabalho e de lazer. Mas, de forma muito mais forte, ocupou as redes sociais de uma maneira, segundo os próprios internautas, insuportável. Porém a incapacidade de suportar ocorre somente em relação ao adversário. No momento de fazer a defesa do seu candidato, tudo é válido e permitido, incluindo ataques ofensivos.

SEM AUTOCRÍTICA

Em outras palavras, a eleição está tirando a capacidade de autocrítica do brasileiro, que parece estar impossibilitado de perceber que faz exatamente a mesma coisa que critica em seu rival. A falta de condições de se olhar no espelho abre uma guerra que, como todas as outras, coloca os dois lados na condição de sem razão. A eleição, especialmente neste segundo turno, é puramente coração, emoção. Em alguns momentos, a raiva que permeia a discussão eleitoral sugere que o fígado tem assumido até mais importância do que o coração.

O resultado de tudo isso é uma campanha política fundamentada basicamente na desconstrução do adversário. Programas e propostas de governo são completamente esquecidos. E o eleitor torcedor não se dá conta de que vai votar sem ter a certeza do que o seu candidato pretende fazer se eleito for. É como um cheque em branco que alguém entrega para outro alguém porque nele confia.

Os brasileiros precisam lembrar que esse roteiro já deu errado. O Brasil já elegeu um presidente que, depois de pouco tempo, foi retirado do cargo em função de denúncias de corrupção. Votar sem conhecer é um risco grande que pode ser assumido ou não.

Pelo debate realizado quinta-feira entre os dois candidatos, é possível dizer que Dilma Rousseff e Aécio Neves não vão colaborar com os eleitores no sentindo de permitir que seus programas e propostas sejam conhecidos. Então a saída é buscar a informação verdadeira em fontes confiáveis, o que, certamente, não será fácil. Mas é preciso ser feito. Do que os candidatos dizem, “eu não acredito em nada, mas desconfio de tudo”. Esse é o lema. (transcrito de O Tempo)

23 thoughts on “No segundo turno, guerra do nós contra eles

  1. Gostaria de fazer um comentário, se não uma pergunta,
    Porque os comentaristas dizem que os dois candidatos resolvem apelar para baixaria é , não para exposição de seus programas de governo.
    Eu como assisti a todos os debates com isenção digo:
    O Aecio tentou várias vezes fazer um debate propositivo, mas a Dilma não deixou, será que só eu vi isso!!!!

    • Sr. Mauro,
      perdoe-me, mas o senhor querer que essa mulhé tenha compostura está querendo muito.
      Quem já foi presa por ser assaltante de banco, arrombadora de cofres, terrorista etc., hoje só dar isso mesmo, sem falar de sua alta e relevante incompetência.

  2. Minha senhora.Aécio tentou varias vezes ou inúmeras,levar o debate das idéias.Não foi falta de querer do verdadeiro democrata que é o Aécio,não foi???? Quem não colabora ,e não quer é a Dilma,a sua candidata oculta. A senhora tem certeza que assistiu o debate,acho que não?? Ah já sei,tirou a aquela sonequinha ou então a é daquelas pessoas que não querem ver, provavelmente o figurino esquerdista é a sua medida

  3. Realmente. o que mais nos interessa, como leitores que somos, seria conhecer as propostas de cada um dos candidatos, para que melhor pudéssemos avalia-los, coisa que, infelizmente, não estamos tendo a oportunidade de saber. Acusações mútuas não leva a nada. É uma disputa de defesa e ataque, enfadonha de assistir. Bem sabemos que nem um e nem outro veste o manto de santo, mas por favor dê-nos a oportunidade de descobrir quem é menos pior. Se o nível dos debates não mudar, não vale mais a pena assisti-los.

  4. Carla Kreefft, certamente não bate bem da bola ou, o mais provável, é “funcionária” petralha. Aécio cansou de declarar que tudo que ele considera positivo vai ser continuado independentemente de quem seja o “pai”.

    Em segundo lugar, o “nós contra eles” é o óbvio de uma democracia. Se todos estivessem do mesmo lado, para quê eleições?

    É cada uma que parece duas.

  5. Dona Carla, a Sra. diz que ex-petitas, mas escreve como petista. Aliás, desconfio muito de quem diz que é ex- petista.
    Esse partido nasceu para injuriar, enlamear e difamar reputações de gente decente, como o Tuma Junior falou.
    Em comício realizado em um local de Minas Gerais, os petistas enlouqueceram de vez.Adjetivos como “coisa ruim”,”cafajeste”, playboy mimado”, “moleque” e “desprezível” foram assacados contra o Presidenciável do PSDB.
    Foi lido um diagnóstico de uma Psicóloga, provavelmente paga para isso, dizendo que o Aécio sofre de transtorno psicótico, que bate em mulher, que cheira “coca” e é viciado em bebidas etílicas.
    Precisamos de um Presidente , e não de um partido terrorista.

    PS.Nunca ouvi o Aécio falar, pejorativamente, “nós contra eles”. Isto é coisa do Lula, esta sim, um cafajeste.

  6. É bobagem acreditar em proposta de governo durante campanha política e em véspera de eleição, quando o candidato de oposição promete tudo para se eleger. É apenas e tão somente promessa de politiqueiro. De muito maior valor é saber das realizações dos partidos e dos candidatos. Comparem os 8 anos do PSDB com os 12 anos do PT e escolherás corretamente. Quem compara vota PT.

  7. O desespero é geral entre os Petébolas, contaminados com esse vírus que espalha a corrupção ! Onde moro botaram até o prefeito para trabalhar. Ela deve estar caçando ratos, pois a Fundação Municipal de Educação acabou de comprar, sem licitação. R$ 9,1 milhões em raticida. Haja ratos !

  8. Todos comentaristas estão certos, a Dilma foi a responsável pela desconstrução
    de todos os candidatos, foi assim com Eduardo Campos, Marina Silva e agora o
    Aécio Neves. como o programa da Dilma (saúde, educação e segurança) não tem
    credibilidade, haja vista que durante os 4 anos de seu governo piorou, apela pela
    agressão pessoal, obrigando o candidato a se defender. Ela não quer debater os
    problemas nacionais da atualidade.
    O PT usa a tática do ladrão, que após o roubo sai correndo e gritando pega ladrão,
    Assisti a muitos debates, mas nunca vi tanta baixaria e mentiras como nos debates dessa eleição, tendo sempre a Presidente como protagonista.

  9. ” Precisamos de um Presidente , e não de um partido terrorista.”

    Quem sintetizou, muito bem, realisticamente o que está ocorrendo nesta eleição para presidente, foi o leitor Cézar-Fortaleza, com a frase acima.

    Lamentavelmente, esta eleição já se tornou num Fla x Flu.
    Agora, na reta final, fica quase impossível o TSE botar ordem na casa, pois o PT entrou em rota de colisão com o Brasil, dividindo-o, com a apelação do ” nós contra eles” …
    Como sempre fez, sistematicamente , em outros tempos, antes, durante e nas eleições, contra todos os partidos para poder chegar ao poder.

    Desta vez, o problema do mitômano Luiz Ignãcio – que acredita nas próprias mentiras- é ver, assistir, a derrocada de dois de seus “postes”, sendo o principal deles a candidata Dilma, que destroçou o país e, como Lula, promete em novo mandato, fazer o que não fez no primeiro,
    Também me pareceu que a articulista, faz o jogo do PT induzindo o leitor mais desavisado ou indeciso a votar em branco, ou anular o voto, o que irá beneficiar a candidata do governo.

    Digo eu: a lamentar que com tanta baixaria na política brasileira, vamos perder décadas para eleger um estadista como presidente.
    Aqui e agora, temos o senhor Aécio, que talvez não seja a Brastemp que os brasileiros gostariam de ter. mas que, é infinitamente mais competente que a atual presidente, no enfrentamento das muitas dificuldades que surgem na nossa paisagem econômica.

  10. O despero é por conta da virada espetacular.
    Em Minas Aécio que no primeiro turno ficou atrás de Dilma, já a ultrapassou e nem mais a enxerga no retrovisor.
    Daí os ataques histéricos,o mal estar, a tonteira e a queda de pressão.
    Mineiro cansou da falsa mineira que tratou sua terra a pão e água.
    É o desespero de se perder algumas boquinhas muito bem remuneradas.

  11. Pingback: No segundo turno, guerra do nós contra eles | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *