No ultimato aos ministros do STF, Bolsonaro termina dirigindo um ultimato a si mesmo

Declarações absurdas de Bolsonaro tentam abalar a estrutura constitucional

Pedro do Coutto

Ao inaugurar na tarde de sexta-feira o ramal ferroviário Ilhéus – Caetité, na Bahia, reportagem de João Pedro Pitombo e Kaique Santos, Folha de S.Paulo de sábado, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que nas manifestações de 7 de setembro enviará um ultimato aos ministros do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, O presidente disse que “não podemos admitir que uma ou duas pessoas, usando a força do poder, queiram dar um novo rumo ao nosso país. Devem curvar-se à Constituição, respeitar a nossa liberdade e chegarem a conclusão que se encontram no caminho errado, mas há sempre tempo para se redimir”.

Como se constata, as declarações de Bolsonaro são absurdas e desconexas, sobretudo porque quem ameaça a estrutura constitucional do país é exatamente ele, Bolsonaro, na medida em que, como já tornou público diversas vezes, admitiu não realizar as eleições de outubro de 2022 porque o sistema de computação eletrônica não foi substituído pelo voto impresso.

AMEAÇAS – Surgiram assim novas ameaças ao Poder Judiciário, inclusive o presidente da República disse que os ministros “ousam nos desafiar, desafiando a Constituição e desrespeitando o povo brasileiro. Portanto quem dá esse ultimato não sou eu, é o povo brasileiro”. Analisando-se as frases do pronunciamento, expostas de forma excelente por João Pedro Pitombo e Kaíque Santos, chega-se à conclusão de que o presidente da República não se encontra com o seu pensamento organizado e tampouco baseado na lógica e principalmente nos fatos que dão margem ao raciocínio a partir do enfoque insubstituível do bom senso.

Os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso não estão propondo nenhum atentado contra a democracia. O primeiro está combatendo as fake news, cujos efeitos são extremamente desastrosos. O segundo, defendendo o sistema de computação eletrônica dos votos, sistema contra o qual, desde 1996,com exceção de Jair Bolsonaro, não houve qualquer denúncia ou contestação. Isso de um lado.

De outro, Bolsonaro, como deixou claro na cidade de Ilhéus, está disposto a utilizar o 7 de setembro para reiterar manifestações golpistas e autoritárias que só encontram respaldo na extrema direita que insiste em existir no Brasil, apesar do desfecho de 1945 com a derrubada do nazifascimo contra o qual a FEB lutou arduamente nos campos da Itália. Não me refiro à extrema esquerda porque esta desapareceu no Brasil completamente e suas ideias não mais se reproduziram e foram substituídas por um posicionamento reformista de inspiração cristã na medida em que prega apenas a justiça social e uma melhor distribuição de renda entre o capital e o trabalho.

ENTRECHOQUE – No final de semana, o ministro Onyx Lorenzoni dirigindo-se ao PT disse que a luta política “somos nós contra eles”. Referiu-se assim ao entrechoque inevitável de conservadores e reformistas. Mas esqueceu que no meio dos dois campos existem a democracia, a liberdade e o direito de voto.

Ameaças ao STF como essas que Bolsonaro faz são responsáveis pelo refortalecimento e ressurgimento da candidatura do ex-presidente Lula da Silva no quadro político brasileiro. É clara a consequência, afinal os que defendem as eleições, a Constituição e a imunidade do Supremo, nas urnas de outubro do próximo ano devem ficar com quem ? Com Bolsonaro que ameaça  a Corte ou com Lula da Silva que lidera amplamente as pesquisas eleitorais do Datafolha e do XP Investimentos ? A resposta é absolutamente clara.

RECUO DO BB E DA CEF – O presidente do Banco do Brasil, Fausto de Andrade Ribeiro, e o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, revela Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo deste sábado, recuaram de suas posições e decidiram não mais se desligarem da Febraban.

Tacitamente concordaram assim com o conteúdo da manifestação da entidade em favor da democracia e das eleições, posicionamento absolutamente legal, mas que contrariou fortemente o presidente Jair Bolsonaro que assim demonstra desejar exatamente o contrário. Mas essa é outra questão.

VULNERABILIDADE – No artigo de sábado, eu falei das dificuldades do BB e da CEF se desvincularem da Federação Brasileira de Bancos. Em 24 horas, a dificuldade se confirmou. Isso porque, na minha impressão, um rompimento deixaria vulneráveis atividades bancárias e empresariais, cujas revelações podem (não só poderiam) causar constrangimentos e reflexos negativos.

Poderiam proporcionar também o surgimento de informações sobre créditos lançados no exterior e sobre transações que muitas vezes extrapolam limites de rendas de assalariados e até de empresários. Assim, não será um bom negócio romper com o sistema financeiro que tem nos bancos, principalmente o Itaú, Bradesco e Santander, os seus elos mais fortes. Saldos bancários evoluem muito mais nas sombras do que a luz do sol.

9 thoughts on “No ultimato aos ministros do STF, Bolsonaro termina dirigindo um ultimato a si mesmo

  1. O mestre Pedro, mais uma vez nos passa um instantâneo da rápida deterioração da estabilidade democrática em razão direta à falência mental e moral do energúmeno do Alvorada e da horda de acólitos que pretendem despencar no abismo da suprema insensatez junto com ele.
    Esclarecedora, também, sua apreciação sobre o affaire Fiesp X Febraban, aponta circunstâncias dominantes na\ política pátria, que nem todos conhecem.

  2. Pela Lei de Gauss/curva do sino, temos 2(dois)% de extrema direita e 2(dois)% de extrema esquerda e não acabou não; está desarticulada mas o exércitos dos stédiles estão aí para provar.
    Quem tem que começar a se posicionar fortemente, somos nós democratas com viéis a direita ou esquerda, mas que não queremos de maneira nenhuma ser comandado por um “clã dos infernos” ou um ladrão que quer por que quer ser canonizado.

  3. Eu gosto mesmo é quando fala que não houve qualquer prova de fraude na urna eletrônica !

    Também não tem como auditar os votos , não tem comprovante físico dos mesmos , como comprovar ?

    Para por a limpo só imprimindo o voto para comparar com o que está no chip !

    Fora isso é chamar todos de idiota !

    • Vou imitar o mascote do blog, e te corrigir (só que com coerência).

      O correto (gramática) seria: “… todos de idiotas.”

      Mas o correto mesmo, é: 75% de idiotas e 25% de esquerdistas coniventes.

  4. Eu gosto mesmo é quando os argumentos vêm apoiados em raciocínios lógicos, cartesianos, indestrutíveis, por exemplo: a eleição de 18 foi fraudada, os petralhas, influentes na época no Congresso e dominando o STF e TSE, coalhados de comunas, manipularam os resultados das urnas, aproveitando não ter comprovante físico e a impossibilidade de auditar, para forjar a vitória do Mito, que em quatro anos reorganizaria o país, acabando com a corrupção, fortalecendo as instituições, eliminado a inflação e carestia de vida e derrotando o desemprego.
    Acho que os robôs lotados aqui nesta TI, tem todo nosso apoio para pedir um aumento substancial de salário, afinal, expelir besteiras e fazer o ridículo dia trás dia, não tem preço.

  5. “É clara a consequência, afinal os que defendem as eleições, a Constituição e a imunidade do Supremo, nas urnas de outubro do próximo ano devem ficar com quem ? Com Bolsonaro que ameaça a Corte ou com Lula da Silva que lidera amplamente as pesquisas eleitorais do Datafolha e do XP Investimentos ? A resposta é absolutamente clara.”

    Constituíção e imunidade do $upremo (?) não caminham juntas.

    O sr. Pedro do Coutto ainda tem alguma dúvida em quem o povo vai votar?
    https://www.youtube.com/watch?v=gN0GyTt6ezw

  6. Quac! Como dizia o Pato Donald.
    Mestre Pedro dourou a pílula, ” Posicionamento reformista de inspiração cristã”
    Se o PSOL, PT e Zé Dirceu fossem consultados sobre inspiração cristã, Lenin embalsamado iria rir lá dentro de seu sarcófago, esses meus seguidores quebram a dentadura mas não largam a rapadura.
    Eu também rio,hehehehehe

Deixe um comentário para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *