Noruega, o país mais próspero do mundo, mostra a importância de um Estado forte e atuante

A Noruega foi o país que menos sentiu a crise europeia - Marius Fuskum/DivulgaçãoJamil Chade
O Estado de S.Paulo

TONSBERG – Como milhões de imigrantes pelo mundo, Simone Brannstrom decidiu deixar seu país em busca de uma vida melhor. Acabou encontrando trabalho num restaurante no Porto de Tonsberg, cerca de 100 quilômetros de Oslo, na Noruega. “Aqui ganho muito mais que em meu país”, diz Simone. Mas ela não vem da África, do Sudeste Asiático ou de algum país empobrecido. Loira, de olhos azuis e sorriso fácil, Simone vem da Suécia, um dos países mais ricos do mundo. Ela e milhares de outros jovens suecos optaram nos últimos anos por cruzar a fronteira e trabalhar na Noruega, espécie de oásis regado a petróleo.

Quarenta anos depois da descoberta do petróleo no Mar do Norte, a Noruega conseguiu traduzir esse recurso natural em prosperidade e igualdade. Pela primeira vez em 2014, um país terá um Produto Interno Bruto per capita acima de US$ 100 mil e, segundo a ONU, jamais uma sociedade atingiu nível de desenvolvimento humano igual ao de Oslo. O salário mínimo é de 4,8 mil, cerca de R$ 14 mil, o desemprego é de 2% e, mesmo em uma era de austeridade, o sistema do bem-estar social se manteve intacto.

A Noruega foi um dos poucos países a atravessar a crise global sem grandes impactos e, nas últimas eleições, o único debate era o que fazer com o dinheiro que sobra nos cofres públicos.

PETRÓLEO

Ao contrário do que o petróleo causou no Oriente Médio ou Venezuela, o dinheiro desse recurso natural foi administrado de forma a criar uma situação inédita. Em 100 anos, a Noruega deixou de ser um dos países mais pobres da Europa, convivendo com o gelo e a escuridão por metade do ano, para se transformar em sinônimo de riqueza e justiça social.

“Para muitos países, a descoberta do petróleo foi um problema. Mas nós conseguimos administrá-lo bem”, declarou ao Estado Erling Holmoy, chefe da divisão de Estatísticas do governo da Noruega.

As contas demonstram isso. O país tem o maior fundo soberano do planeta, estimado em US$ 815 bilhões e os cofres do Estado estão abarrotados. O Estado norueguês comprou 1% de ações em bolsas de todo o mundo, investe em 3,2 mil empresas e, com apenas metade de seu superávit, poderia quitar as dívidas da Grécia. “A realidade é que estamos nadando em dinheiro”, declarou Frode Rekve, que comanda o Instituto Norueguês de Mídia.

Hoje, a renda gerada pelo petróleo chega a US$ 40 bilhões por ano ao Estado. Um a cada três dólares obtidos pelas autoridades em Oslo vem do subsolo marinho. Mais da metade das exportações vem do setor de energia e o país já é o oitavo maior exportador mundial. Em termos per capita, a produção de barris na Noruega chega a ser superior à da Arábia Saudita.

Independente apenas desde 1905, a Noruega rejeitou em duas votações nos últimos 40 anos a ideia de fazer parte da União Europeia.

ESTATAIS 

Mas o modelo norueguês também tem outro componente: a forte presença do Estado em praticamente todos os campos da economia. Segundo especialistas, essa tendência começou depois da 2.ª Guerra Mundial, quando o governo nacionalizou empresas ligadas à Alemanha. Assim, o Estado ficou com 44% das ações da Norsk Hydro, tem participação de 37% na Bolsa de Valores de Oslo e em dezenas de empresas.

O capitalismo de Estado fez com que economistas ironizassem a situação chinesa. Uma piada contada entre analistas aponta que, no fundo, o modelo desenvolvido pelo Partido Comunista Chinês nos últimos dez anos não passa de uma cópia do modelo norueguês existente há meio século. Hoje, o Estado controla a petroleira Statoil, o grupo de telecomunicações Telenor, a fabricante de fertilizantes Yara, e o maior banco do país, o DnBNor.

Os sinais de prosperidade podem ser vistos em qualquer segmento. No início do ano, o governo da Noruega inaugurou uma ponte que acabou com o isolamento de um vilarejo com 74 moradores, no centro do país. A obra custou US$ 20 milhões.

As contas positivas e o sentimento de que os recursos são de todos também transformaram a maneira pela qual empregados e patrões negociam. Em Oslo, nada é como no resto do mundo. Os sindicatos, por exemplo, negociam a cada ano seus salários, dependendo das necessidades do setor exportador e para garantir que o produto nacional continue competitivo no mercado global. Nas eleições, partidos prometem não cortar impostos.

BEM-ESTAR SOCIAL

O sistema de bem-estar social permite que os homens cuidem de seus bebês e, a cada ano, o governo destina 2,8% do PIB para apoiar famílias em tudo que precisam para ter filhos. Mesmo aqueles que decidem não levar as crianças para creches recebem, a cada mês, um cheque de 200 para ajudar nos gastos.

A lei estabelece uma licença-maternidade de nove meses para a mãe, mas também quatro meses de licença para os pais. Nesses meses, quem paga o salário dos pais é o Estado. No ano passado, dois ministros do governo chegaram a se afastar de seus cargos pelo prazo determinado em lei, justamente para cuidarem de suas crianças.

Na avaliação do governo, esse incentivo para as mulheres e leis para garantir a igualdade de gênero são positivas para a economia. Hoje, empresas são obrigadas a dar 40% das vagas em seus conselhos para mulheres. Setenta e cinco por cento delas trabalham fora e, para o governo, isso representa maior atividade na economia e um número maior de pessoas pagando impostos.

Em recente entrevista ao New York Times, o primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg, foi taxativo. “A lição da Noruega é a participação feminina na economia. Isso ajuda no crescimento, nas taxas de natalidade e no orçamento”, declarou.

O imposto de renda é elevado, atingindo 42%. Mas existe um consenso de que o valor é justo para manter o sistema e que, de uma certa forma, tudo é devolvido em serviços. O Estado paga do berçário ao enterro, financia estudantes e até banca férias.

 

35 thoughts on “Noruega, o país mais próspero do mundo, mostra a importância de um Estado forte e atuante

  1. Isso mostra a maturidade a que chegou este povo norueguês.

    Lá, pela reportagem, só o imposto de renda é de 42%. Uma informação interessante seria saber qual a carga tributária em função do PIB na Noruega.

    Aqui no Brasil estamos com 36,27% e os serviços públicos são uma droga.

    Não dá para compararmos o nosso nível cultural com o deles.

    Temos, entretanto, uma chance de percorrermos o mesmo caminho. É que, com o pré-sal temos a possibilidade de nos tornarmos autossuficientes. Mas, ainda assim, iria nos faltar a cultura evoluída daquele povo. A sua homogeneidade.

    Enfim, é só um sonho.

  2. Não podemos confundir com estado sério com estado forte. Outra coisa é um país pequeno, ao contrário de um EUA, Brasil, Canadá China, que são grandes.
    Enfim, há inúmeros pormenores que desqualificam a Noruega como modelo para o Brasil, a não ser a sua cultura de honestidade de seus governantes.

  3. Nos impressiona o nível de desenvolvimento que a sociedade norueguesa atingiu! E dentre muitas das explicações que justificam tal conquista está o baixíssimo índice de corrupção que existe por lá.

    Em 2013 a ONG Transparência Internacional classificou a Noruega como o 5º país menos corrupto do mundo. Vejam abaixo a listagem mais completa:

    http://exame.abril.com.br/mundo/album-de-fotos/os-20-paises-mais-transparentes-do-mundo

    E o Brasil caiu do 69º para o 72° lugar na mesma lista, de 2012 para 2013.

  4. Mais uma vez surge a prova de que Henfil estava correto em seu pensamento: Todo lugar frio tende naturalmente a ser mais desenvolvido, justamente pela necessidade vital de organização. Não pensem que é coincidência o Norte da Itália (frio) ser mais desenvolvido (organizado) que o sul da Itália (quente), que o Norte dos EUA (frio) é mais desenvolvido que o sul (quente), tendo havido inclusive uma guerra (secessão) entre eles, tais as diferenças. No Brasil temos a região sul em contraposição ao Nordeste. É justamente como a moral da fábula da cigarra e da formiga: a formiga se organiza e trabalha para sobreviver e vencer o frio invernal enquanto a cigarra apenas festeja. Por isso a cigarra se mudou para o lugar quente e nesses lugares a alegria e a festividade são muito maiores, basta reconehcer quem faz o melhor carnaval.

  5. Como disse Tião Maia depois que saiu do Brasil e foi para a Austrália, onde ficou dez veses mais rico e nunca foi chamado de explorador do povo pelas esquerdas como aqui no Brasil: “administração é ingleza”.
    A Austrália é quente e hoje está entre os melhores países do mundo.

  6. Salário mínimo de R$14.000,00, é só alegria! 19,33 vezes o do Brasil.

    Renda per capta de US$100.000,00, tudo de bom. 9,79 vezes a do Brasil.

    Aqui no Brasil é:

    Salário mínimo de R$724,0 e renda per capta de US$10.210,00

      • Não adianta muita coisa só aumentar o salário mínimo acima da inflação, se ao par disso o governo não promover uma ampla, geral e irrestrita reforma tributária arrancando a carga de tributos – que é regressiva, ou seja o pobre paga mais – de cima da população.

        No entanto, vai aí uma comparação do reajuste do salário mínimo dos últimos três governos, sendo que a Dilma está perdendo para o FHC, e de lavada. Acompanhe:

        PEQUENA SÉRIE TEMPORAL DOS REAJUSTES DO SALÁRIO MÍNIMO
        ANO………………SAL.MÍNIMO……..REAJUSTE………INFLAÇÃO (IPCA)
        1994………………..R$70,00………………………………………..
        1995………………R$100,00…………42,85%………….22,41%
        1996………………R$112,00…………12,00%……………9,56%
        1997………………R$120,00………….7,14%…………….5,22%
        1998………………R$130,00………….8,33%…………….1,66%
        1999………………R$136,00………….4,62%…………….8,94%
        2000……………….R$151,00…………11,03%……………5,97%
        2001……………….R$180,00………….19,21%…………..7,67%
        2002……………….R$200,00………….11,11%………….12,53%
        2003……………….R$240,00………….20,00%……………9,30%
        2004……………….R$260,00…………….8,33%…………..7,60%
        2005……………….R$300,00…………..15,38%…………..5,69%
        2006……………….R$350,00…………..16,67%…………..3,14%
        2007……………….R$380,00…………….8,57%…………..4,46%
        2008……………….R$415,00…………….9,21%…………..5,90%
        2009……………….R$465,00…………..12,05%……………4,31%
        2010……………….R$510,00…………….9,70%……………5,91%
        2011……………….R$545,00…………….6,90%……………6,50%
        2012……………….R$622,00…………..14,13%…………….5,84%
        2013……………….R$678,00…………….9,00%…………….5,91%
        2014……………..R$724,00……………6,78%…………..6,02% (projetada)

        1 – Índices no período 1995 a 2014:

        # Reajustes acumulados: 934,72%
        # Taxa Média de reajuste: 12,39%
        # Inflação acumulada: 297,89%
        # Taxa Média da inflação: 7,15%
        # Ganho real do salário mínimo: 160,05%
        # Ganho real anual do salário mínimo: 4,89%

        2 – Índices por governo:

        2.1 – Governo de FHC:
        # Reajustes acumulados: 185,71%
        # Inflação acumulada: 100,66%
        #Ganho real anual do salário mínimo: 4,52%

        2.2 – Governo de Lula:
        # Reajustes acumulados: 155,04%
        # Inflação acumulada: 56,68%
        # Ganho real anual do salário mínimo: 6,28%

        2.3 – Governo de Dilma:
        # Reajustes acumulados: 42,00%
        # Inflação acumulada: 26,56%
        # Ganho real anual do salário mínimo: 2,92%

  7. Senhores,

    Em todos os recursos naturais o Brasil é mais rico do que a Noruega. Triste sina deste povo: morrer na miséria sentado sobre uma fortuna!
    So nos resta o consolo de saber que nem toda a humanidade caminha em direção ao precipício, como este nosso país, e se nos esfacelarmos amanhã, ainda sobrarão representantes da espécie humana.

    • Não é a toa que empresas tidas como grandes de todo o mundo fincam pé aqui. Volto ao tema: num governo corrupto quem são os corruptores privados, que posam de homens honestos, empreededores, visionários que apunhalam os brasileiros pelas costas?

  8. Enquanto na Noruega o petróleo rende ao estado US$ 40 bilhões por ano, no Brasil, só em remessa de lucros pelas multinacionais perde em torno de US$ 20 bilhões por ano.
    Imaginem um estado forte nas mãos do governo petista.

    • Posso imaginar. Em 2002 antes do PT governar, a dívida pública era de cerca de 60% do PIB e hoje é cerca de 35%, a taxa de desemprego era de 12% e hoje é de menos de 6%, o salário mínimo de menos de U$60,00 e hoje é mais de U$300,00. Isto sem contar avanços em outras áreas. Há muito ainda que ser conquistado, o BRASIL não pode imprimir marcha a RÉ.

      • Já falei isso para o Sr. Francisco de Assis, agora é para o Sr. A nossa dívida pública global ainda está rondando os 60% do PIB.

        Contar vantagem em cima da dívida líquida que está em 33,8% do PIB é declarar falta de conhecimento, pois os juros da dívida correm em cima da dívida bruta. Ou seja, de toda ela. E não apenas em cima da dívida líquida!

  9. Petróleo !!! Correto ? Então vamos por os pingos no iiisss, quando a Petrobrás chegou a ser a 10ª maior empresa do mundo (com um valor de mercado de aprox. US$360 BI). Que lucros, disso foram revertidos para os brasileiros ? Essa papo de nação rica por meio do petróleo é tolice. Por que não comparam a Noruega com os maiores produtores mundiais de petróleo ? ex.: Arábia Saudita, Rússia, Venezuela.
    O Brasil quer ter (e que teve) uma das maiores petrolíferas do mundo não quer se comparar aos maiores países produtores de petróleo.
    No fim, mesmo mal administradas, as riquezas de países como Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Venezuela são maiores do que as da Noruega. Isso apenas não é revertido para a maioria da população desses países, assim como a Petrobrás não beneficia o povo brasileiro, é apenas um manequim de vitrine do Brasil para as nações, nada mais do isso.
    Portanto falar em Noruega tendo como sinônimo de economia exemplar a riqueza em razão do petróleo é alienação, uma vez que não se compara com os maiores produtores mundiais desse recurso.
    Basta apenas que os países maiores produtores de petróleo do mundo coloquem ordem na casa e revertam parte do lucro para a população que dismistifica essa ideia de países mais ricos e melhores do que eles.

  10. Não há nenhuma condição de comparar Brasil e Noruega. Lá, o povo teve origem nos vikings. Aqui, índios, portugueses e negros. Sem comparação. Isso aqui jamais será.

  11. Um país com apenas 5,2 milhões de habitantes, riquíssimo em recursos naturais como energia hidrelétrica , peixes , florestas e minerais, com o petróleo respondendo por 30% das receitas do governo (terceiro maior exportador de gás natural e o sétimo maior exportador de petróleo do mundo), sem analfabetos há muito tempo, não tem nem como deixar de ser essa maravilha tão apregoada.

    Diga-se de passagem, classificar de “forte” um governo cuja única participação na economia é no setor petrolífero – 30% das receitas, como já disse -, é uma grande besteira, já que o setor privado é dos mais pujantes do mundo (a não ser que o articulista considere a total assistência social que a Noruega oferece aos cidadãos – obrigação de todo governo decente – como símbolo de força).

  12. (REPUBLICADO …COM CORREÇÃO DA PALAVRA “AUTORIDES…PARA : AUTORIDADES ) Grato.

    Prezados..

    Em termos de RIQUEZAS NATURAIS… Somos um “everest” perto do “pico da neblina = Noruega).

    Em termos de moralidade e respeito ao cidadão que cumpre seus deveres , com AUTORIDADES que
    dignificam suas funções em prol da coletividade, com um sistema todo voltado para o bem estar
    dos seus cidadãos …. A NORUEGA é um everest, e o BRASIL …o “m(p) ico da neblina”.

    Sem “esquecermos ” : Nossa fundação como nação… TODO calcado …na filsofia de “Gérson’ e
    com um “rasputin-macabro” sempre por perto a saber : A “seita católica”.

    No caso ora versado desta NAÇÃO cheia de prosperidade e bem estar..prevalece o principio
    da lógica ..Não temos que não comparar a lógica aplicada nesta NAÇÃO , com que TUDO
    que foi aplicado na nossa NAÇÃO. É fato que não poderia DAR certo.

    ALICERCE ERRADO ….. RUINA DA CASA (TRINCAS, DESNIVÉL, E DESABAMENTO).

    YAWHE determina a PREDESTINAÇÃO de tudo e de todos…YAWHE é soberano dos fatos e dos atos.

    Isso é um FATO isso é o NOSSO destino.

    É o que penso..

    YAWHE SEJA LOUVADO ..SEMPRE..

    Carlos de Jesus -Salvador .Bahia

  13. Alguns comentários citam a heterogeneidade do nosso povo como sendo o fator determinante para o nosso “atraso”. É discutível, mas tudo bem. Acontece que os Estados Unidos têm a mesma idade do Brasil e têm a população igualmente heterogênea, mas apresenta níveis de vida e de maturidade socio-politico-econômica infinitamente melhores que os nossos. Qual o mistério da diferença? Será por causa da procedência dos imigrantes?

    • Pode ser a diferença na origem. Indiscutível é a dificuldade de encontrarmos uma unidade cultural que estabeleça um consenso valorativo.

      A miscelânea nos valores culturais, indiscutivelmente, é fator de dificuldade em nosso avanço social e, por conseguinte, material.

      Nesta regra da mistura, somente dois aspectos se mostram vantajosos: a mistura genética e o sincretismo religioso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *