Nos EUA, liberam a maconha. Enquanto isso, no Brasil, os traficantes ditam as regras,

Wildner Aguiar 

A capital mundial da política proibicionista, Washington, decidiu, por votação de seus eleitores, acabar com a balela da guerra às drogas, descriminalizando o uso recreativo da cannabis. O mesmo ocorrendo no Colorado.


Enquanto isso, em terras tupiniquins, os traficantes ditam as regras e impõem aos cidadãos o recolhimento compulsório em suas residências. Por enquanto, só em SP. Quantas mortes ainda serão necessárias para que se perceba a inutilidade de todas as medidas adotadas até hoje?

Medidas que só fizeram aumentar o poder dos marginais, a corrupção nos meios policial e jurídico, o encarceramento de jovens inocentes, a morte de civis e militares e o estúpido gasto de recursos financeiros e humanos. Recentemente nos surpreendemos com a notícia de que a Corregedoria da Pm-SP suspeita que policiais entregaram a criminosos uma listagem com nomes completos, endereços residenciais e telefones de quase cem PMs da Grande SP.

Parece-nos que o exemplo deixado por Al Capone não serviu para nada. Alás, costuma-se falar apenas do Capone, mas é preciso não esquecer Joseph Kennedy. Não só pela fortuna amealhada com a venda ilegal de bebidas como o vôo extraordinário que o fez embaixador estadunidense em Londres. Sem contar, o fato de ter emplacado a presidência com o filho John.

Essa ingrata tarefa de enxugar gelo jamais se esgotará enquanto houver pessoas que se beneficiem diretamente desse sistema fracassado. No Rio, descobriu-se que milhões de reais eram destinados a ex-major da PM, com mais de 40 mortes em 3 anos (“todas em legítima defesa” (sic)), dono de “abrigos de recuperação”. Recebia recursos públicos da ordem de R$ 28 mil por viciado em crack.

O prefeito Paes, percebendo o excelente negócio, apressou-se em lançar o balão de ensaio da internação compulsória, muito embora especialistas tenham se posicionado contrariamente. Ele adora um miliciano.

Esse é apenas um pequeno exemplo e não se pode confundir cannabis e crack. Existem experiências, no Brasil e em Portugal, do uso da cannabis na recuperação dos viciados em crack com percentual considerável de sucesso na remissão total dos pacientes. No Brasil, esse trabalho foi levado a efeito pelo psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira.

O Brasil não deve enveredar-se por caminhos sem retorno. Essa armadilha só faz consumir recursos de fundamental importância em outras áreas, fazendo com que a nação fique a patinar tornando-se presa fácil do capital internacional. Alguém já disse “Países não têm amigos, têm interesses”. Um novo México, com o potencial econômico do Brasil, podem apostar, é o sonho de consumo de muitos países.

Rezemos para que São Paulo recupere a paz e não se torne joguete nas mãos de políticos incompetentes e distantes da realidade do cidadão comum.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *