Nos tuítes, 72,2% do que Carlos Bolsonaro escreve são ataques, sobretudo à mídia

Carlos Bolsonaro tem um perfil cheio de ataques no Twitter
Foto: Divulgação/Sergio Lima/AFP

Carlos Bolsonaro tem um comportamento agressivo no Twitter

Igor Mello e Juliana Castro

Filho mais próximo do presidente Jair Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro deflagrou a primeira crise no coração do Palácio do Planalto ao usar o Twitter para atacar Gustavo Bebianno, ministro da Secretaria-Geral da Presidência. O comportamento, porém, não é exceção. O “pitbull” da família usa a rede social como uma metralhadora giratória.E não é repreendido pelo presidente por isso.

O Globo analisou 500 tuítes feitos por Carlos entre 15 de dezembro e 15 de fevereiro e constatou que 72,2% das postagens feitas pelo parlamentar são ataques. O alvo preferencial é a imprensa, mas também sobram bordoadas para a esquerda e até mesmo para aliados, como Bebianno.

Das 500 postagens — que incluem também publicações de outras pessoas compartilhadas por ele — 211 (ou 42,4%) criticam a cobertura da imprensa sobre o governo Bolsonaro. Ataques à esquerda (19,8%), a aliados (5,2%) e outros (4,8%) completam a lista.

ESQUERDA NA MIRA – Outro alvo preferencial de Carlos é a esquerda. Chamados de “bandidos”, “retardados” e “idiotas”, os opositores são ligados frequentemente à corrupção e ao atentado praticando contra Jair Bolsonaro por Adélio Bispo de Oliveira, em setembro. O maior alvo é o PSOL, mencionado por ele 21 vezes no período — o PSL, partido da família, só mereceu três citações.

Embora os ataques predominem, sobra espaço na rede social para que Carlos divulgue conteúdo institucional do governo ou elogie aliados. Os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente), Damares Alves (Direitos Humanos) e Santos Cruz (Governo) são alvos de menções elogiosas, assim como o guru da direita Olavo de Carvalho. Ele, aliás, provocou um dos poucos momentos de descontração de Carlos no período. O vereador postou uma foto ao lado de seu cachorro poodle na frente do computador, onde assistia uma das aulas de Carvalho.

FLÁVIO IGNORADO – As interações com o perfil do pai e do irmão mais novo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), são frequentes — além de citá-los, o vereador costuma reproduzir seus tuítes em seu próprio perfil. Porém, o irmão mais velho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), fica de fora de suas manifestações no período analisado.

Mesmo vendo o irmão em meio às denúncias envolvendo o ex-assessor Fabrício Queiroz e tendo suspeitas sobre sua movimentação bancária, Carlos Bolsonaro não fez nenhuma defesa de Flávio nos últimos dois meses. A única menção a ele foi lateral: o vereador compartilhou um vídeo no qual Eduardo bate boca com petistas que cobravam investigações contra Flávio no plenário da Câmara.

RUSGAS COM O IRMÃO – Carlos e Flávio cultivam rusgas desde 2016, quando o irmão mais velho teve um mal-estar durante um debate à Prefeitura do Rio e decidiu agradecer à rival Jandira Feghali (PCdoB), que é médica o socorreu. Agradeceu por meio de uma nota oficial e a atitude foi motivo de críticas de Carlos e do pai.

Os dois travaram um novo round no ano passado, quando disputaram quem seria o candidato da família ao Senado. Após perder a disputa, Carlos desistiu de tentar outro cargo.

O Globo procurou o vereador para comentar os dados do levantamento, mas não obteve resposta até a conclusão desta edição.

15 thoughts on “Nos tuítes, 72,2% do que Carlos Bolsonaro escreve são ataques, sobretudo à mídia

  1. Esse tipo de escolha entre dois filhos, para um pai, é por demais perigosa. Quase sempre, o pupilo que ficou em desvantagem desenvolve o instinto de Caim.
    No Maranhão, dois prefeitos foram executados pelos próprios filhotes, porque a ambos alcaides foi-lhes atribuída a missão de arbitrar: qual dos dois filhos teria apoio do genitor, numa candidatura a deputado………
    Leiam:

    https://www.google.com/amp/s/oimparcial.com.br/noticias/2017/12/mariano-filho-e-preso-pela-morte-do-proprio-pai-o-nenzin/%3famp

  2. Não li e não gostei de nenhum artigo sobre Bolsonaro. nem vou ler. É tudo fofoca de uma imprensa, que já deixou claro a que veio há mais de 50 anos.
    Prefiro deixar o tempo decidir o que é verdade e quem tem razão.

    Agora, uma coisa é positiva neste governo quanto à escolha de Bolsonaro para a economia e a justiça, com Paulo Guedes e Sérgio Moro, que podem tentar melhorar alguma coisa em suas áreas de atuação.

  3. Quem pode confiar em Carlos Bolsonaro…
    Quando vereador, em 2016 antes do pai sair candidato a presidente, ele assinou como coautor, do projeto de lei “Salário vitalício para vereador do Rio”: Alexandre Isquierdo, Átila A. Nunes, Carlo Caiado, Carlos Bolsonaro, Chiquinho Brazão, Dr.Carlos Eduardo, Dr.Eduardo Moura, Dr.Jairinho, Dr.João Ricardo, Dr.Jorge Manaia, Edson Zanata, Eduardão, Eliseu Kessler, Jimmy Pereira, João Mendes de Jesus, Jorge Braz, Jorginho da SOS, Laura Carneiro, Leila do Flamengo, Leonel Brizola, Marcelino D’almeida, Marcelo Arar, Marcio Garcia, Paulo Messina, Prof.Uoston, Prof. Célio Lupparelli, Professor Rogério Rocal, Rafael Aloisio Freitas, Rosa Fernandes, Tânia Bastos, Thiago K. Ribeiro, Veronica Costa, Willian Coelho e Zico.
    Fonte: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/11/salario-vitalicio-para-vereador-do-rio-sera-votado-em-sessao-extraordinaria.html

  4. Governo casca! Macho! Pitbull!
    CUECÃO DE COURO, MANÔ!!!
    E suas crias Pitibichas mimadas….

    Nesta idade, com um pai presidente, eu estaria com umas 04 modelos lindas e gostosas na Nova Caledônia…..

    “Carlota mô fí! Larga do pé, chulé!!!!

  5. “BLUE MONDAY”, ou o dia mais deprimente do ano.

    Este ano, na Inglaterra, a terceira segunda-feira de janeiro foi premiada com este título sombrio devido a uma combinação de blues pós-natal, noites frias e escuras e a chegada de contas de cartão de crédito não pagas.

    Aparentemente, um professor universitário conseguiu calcular precisamente o dia mais deprimente do ano, usando a seguinte fórmula:

    frac {[T + D-d] N ^ Q} {M Na}

    Onde :
    Tempo = T,
    Dívida = d,
    Tempo desde o Natal = N,
    Tempo desde o fracasso das nossas resoluções de ano novo = Q,
    Baixos níveis motivacionais = M
    e o sentimento de uma necessidade de agir = Na. “D” não está definido na versão, nem são unidades.

    Supostamente, a data foi calculada usando muitos fatores, incluindo: condições climáticas, nível de endividamento (a diferença entre a dívida acumulada e nossa capacidade de pagar), tempo desde o Natal, tempo desde o fracasso das resoluções de ano novo, baixos níveis motivacionais e sentimento de necessidade para agir.

    SEGUNDAS FEIRAS NEGRAS, em breve, no Brasil!:

    Houve um tempo em que a Grobo colocava no ar, nas noites de domingo, o programa “Sai de Baixo” com o verdadeiro intuito de diminuir a incidência de suicídios no Brasil, devido ao desespero e desilusão que o povo brasileiro vivia política e economicamente.

    A partir de agora, veremos…

    ‘Presidento’ com filhos birutas,
    Catástrofes naturais,
    Desilusão do povo com futuras medidas econômicas,
    Manutenção do índice de desemprego,
    Manutenção do toma lá da cá no Governo,
    Crimes onde poderosos culpados saem livres,
    Corrupção ativa e atuante.

    A segunda feira negra de 18 de Fevereiro será apenas a primeira…

  6. Dia mais feliz da mídia
    maistream:

    dp%={[T-D-d]}^(1/PL) * exp[(@N+CB)/d1]+DF/pM

    dp%=probabilidade da inocencia do lulla
    T=tempo em dias acumulativos de cada uma das condenações
    D=data do pleito presidencial de 2018
    d=data da diplomação do eleito
    d1=data do atentado ao JB17
    PL=numero de candidatos do partido vencedor do presidente
    CB=numero de manifestações de Carlos Bolsonaro do twiter
    @N=variável dicotomica do humor do clã Bolso
    dF=data provável em função das condenações do fim do cárcere do lulla
    pM=numero de políticos petistas que apoiam maduro

    A probabilidade da inocencia sob a ótica petista é de 100%, desimportando os parametros numericos (não há dúvida).

    Já sob a ótica golpista, fanática e irracional direitista é 0,5% (direito a dúvida pelo prazer da polemica).

    • Trogloditas é o que são. Deus nos livre. Não são capazes de argumentar sem partir para a ofensa mais vulgar, mais grosseira. A culpa de eles estarem lá é desses vermelhos, que precisávamos expulsar a bem da existência do povo brasileiro.

Deixe uma resposta para Guilherme Almeida Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *