Nova Classe Média está começando a desabar

Vicente Nunes
Correio Braziliense

Nesse quadro desesperador da economia, a fatura recairá, sobretudo, sobre os menos favorecidos. Indicadores colhidos pelo próprio governo mostram que a desigualdade social voltou a aumentar com força desde o início deste ano, por causa da perversa combinação de inflação alta com desemprego. A tal nova classe média, composta por quase 50 milhões de pessoas que se aproveitaram do expressivo crescimento da economia entre 2004 e 2010, está começando a ruir. É aí que mora o maior problema para Dilma.

Vendo o poder de compra cair e parte das conquistas se perderem, essa nova classe média, que é bastante pragmática, ampliará as cobranças sobre a presidente, que, pelo contexto atual, terá quase nada a entregar. Os programas sociais mantidos pelo governo não explicam o grosso da ascensão social dos últimos anos. Esse movimento foi sustentado pela inflação muito próxima do centro da meta, de 4,5%, e o crescimento médio de 4% ao ano do Produto Interno Bruto (PIB).

Desde 2011, contudo, o nível da atividade só faz afundar, a inflação disparou, mirando os 10%, e o setor público está longe de garantir bons serviços à população. Quando se olha para a frente, não há perspectiva de retomada do crescimento tão cedo. Na melhor das hipóteses, o PIB só voltará a se expandir próximo de 2% em 2018, o último ano do mandato garantido pelas urnas a Dilma.

REBAIXAMENTO

Diante de tais perspectivas, não foi por acaso que, ao ser questionado recentemente por um grupo de economistas se as medidas tomadas pelo governo até agora nas áreas fiscal e monetária darão certo, o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Tarcísio Godoy, respondeu: “Tudo o que estamos fazendo é para evitar o rebaixamento do Brasil pelas agências de risco e para conter a inflação. Se vai dar certo, eu não sei. Mas vamos focar no que conseguimos ter controle”.

4 thoughts on “Nova Classe Média está começando a desabar

  1. Esta classe média inventada pelo lula, poderia ser chamada de “os gregos do Brasil”. Viveram estes anos com
    dinheiro dos impostos pagos pelos verdadeiros trabalhadores.
    Agora que a grana acabou, a festa também e até a popularidade do “infalível”, esta virando suco, uma coisa é certa, onde alguém ganha sem trabalhar, alguém trabalha sem ganhar. Foi o que aconteceu no Brasil.
    Não existe mágica que faça aparecer dinheiro do nada. O PT, que é composto na sua maioria por trabalhadores assalariados e que nunca administraram nada, imaginaram que dinheiro dava em árvore. Não
    dava. Agora descobriram a verdadeira fonte, de onde nasce a riqueza. O trabalho.
    Como a “rapaziada”ha muito deixou o piso da fábrica, indo para o sindicato e agora para o governo, não faz
    ideia de como contornar a crise. Lula nunca soube da diferença entre lucro e prejuízo, pois sempre viveu de
    salario e agora de pensão, não tinha as mínimas condições de administrar um pais. O Brasil foi atraído pelo
    canto da “sereia”.
    Agora que a vaca foi para o brejo, estão todos ocupados em tirar o rabo da reta, mas a rebordosa ha de vir,
    não acredito que estes “ordinários” ficarão impunes.

  2. Na verdade poderia ser chamada de classe descartável. Muito utilizada nas campanhas enganadoras para ganhar eleições. Quando as contas apertam, voltam para reserva técnica.

  3. A economia funciona em ciclos. Com o Governo ITAMAR FRANCO e depois FHC I, começo do Plano REAL, houve um ciclo crescente, com Governo FHC II houve um ciclo decrescente. Com Governo LULA I e II houve um ciclo crescente. Com o Governo DILMA I artificialmente ainda manteve-se um ciclo crescente desacelerando. No atual Governo DILMA II devido a necessidade de AJUSTE FISCAL, se está passando por um forte ciclo decrescente. A nova “Classe Média” avança quando o ciclo é crescente, e recua quando é decrescente como agora.
    Se o Governo fizer só Reformas Conjunturais, o crescimento deve voltar fraco já em 2017, se tiver a sabedoria de fazer também boas Reformas Estruturais, o crescimento poderá ser forte já a partir de 2018, e então a “nova Classe Média” voltará a prosperar. Abrs.

  4. Chamar de classe média a soma de salários (R$ 1.247,00) de uma família, é gozação. Historicamente a esquerda é mentirosa.
    FHC no segundo mandato, vendo que a coisa ia mal, começou a gastar em publicidade mais do que o normal (R$ 225 milhões em 2002).
    Lulla percebeu esta manobra e após eleito começou aumentar ano a ano esses valores – propaganda do Fome Zero, do bolsa-família (unificação de outras assistências já existentes) e em todas, de maneira pouco sutil, o SEU governo.
    Resultado:
    Em 2008 o governo federal (Lulla) torrou 5,2 BILHÕES em propaganda !!! Para se ter uma idéia desse absurdo, o assistencialismo com o bolsa-família nesse mesmo ano foi de 11,5 BILHÕES.
    Logo, não foi difícil colocar um poste no Planalto em 2010.
    No governo do poste Dilma inventaram a classe média de R$ 1.247,00.

    E para esconder a corrupção na Petrobras, víamos a propaganda da mesma na TV aberta centenas de vezes ao dia; a beleza que era tal empresa, modelo brasileiro à ser seguido.

    Em 2015, enquanto os governos municipais, estaduais e da União atrasam pagamentos compromissados com seus fornecedores, cancelam obras, retardam a efetivação de pessoas que passaram em concursos para a polícia; por falta de manutenção escolas desabam na cabeça de alunos, estudantes tem suas matrículas suspensas por falta de verbas, OS CABOS ELEITORAIS, PARENTES, AMANTES E AMIGOS, continuam prestigiadíssimos em seus “cargos” no setor público e recebendo em dia seus salários, PARA NÃO FAZER NADA, salvo trabalhar ativamente para quem os indicou, já para a próxima campanha eleitoral.

    Até quando vamos concordar com este sistema eleitoral, que apenas perpetua essa indignidade, essa falsidade, esses engôdos (classe média de R$ 1.247,00) e tantos outros que os governantes nos enfiam goela abaixo todos os anos ?
    Será que passamos definitivamente para a categoria de manada e passamos recibo ?

Deixe uma resposta para Tarciso Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *