Nova Poupança revela que o governo está precisando de dinheiro

Pedro do Coutto

Não adianta discutir no primeiro plano as qualidades e defeitos da medida Provisória da presidente Dilma Rousseff mudando parcialmente as regras de remuneração da poupança. No centro do palco surge claramente a evidência que o governo está precisando ir ao mercado buscar recursos financeiros que lhe estão faltando. Não há dúvida. Caso contrário não adotaria o caminho indireto pelo qual enveredou. Até porque remete à tragédia de 90, no governo Fernando Collor.

Naquela ocasião, congelou os ativos financeiros dos fundos e das cadernetas de poupança por dezoito meses. O presidente devolveu depois em doze parcelas mensais.

Só que a inflação daqueles dezoito meses – basta consultar a memória do IBGE – atingiu mil e trezentos por cento. E o deflator adotado para a devolução foi de 670 por cento, praticamente a metade. O que significou? Que todos os que possuíam aplicações nos fundos e na poupança perderam a metade de seus valores. Uma tragédia, cuja solução na foi dada integralmente até hoje. Mas esta é outra questão. Pertence à memória financeira nacional.

Agora, com Dilma Rousseff no Planalto, a intervenção não é tão radical. Mas tem de exprimir alguma compreensão. Não faria sentido adotá-la se não produzisse efeito concreto. Não aumenta o rendimento dos poupadores. Se não aumenta, e o reflexo na pode ser igual a zero, é porque diminui. O argumento usado pela Fazenda é, basicamente, o de evitar a transferência dos recurso hoje nos fundos para as cadernetas.

Não convence. Excelente reportagem de Marta Beck, Vivien Oswald, Gabriela Valente e Luiza Damé expõe nitidamente o quadro e, de forma indireta, a impossibilidade de tal migração.

O total de aplicações nos fundos, papeis do Tesouro e Banco Central que lastreiam a dívida mobiliária interna, eleva-se a 2 trilhões de reais, em números redondos. O saldo das 100 milhões de cadernetas existentes no país é de 431 bilhões. A diferença é elucidativa. Como também o fato de o governo não poder diminuir o endividamento interno. Ele gira o montante, pagando 180 bilhões a cada doze meses.

Não pode se livrar do peso dessa dívida. Tampouco zerá-la não interessa aoas bancos. A saída é diminuir os juros desembolsados pela rolagem. Em dezembro de 2002, final do mandato de FHC, a taxa anual atingia 26%. Ao longo de oito anos, Lula conseguiu reduzi-la para 12 pontos. No momento, Dilma os remeteu para 9%. Entretanto, indispensável acentuar que, nos últimos 9 anos, o total da dívida subiu de 760 bilhões para 2 trilhões. Os juros desceram. O endividamento subiu.

Dentro desta realidade é que se operam as mudanças decretadas pelo governo atual. As cadernetas de poupança, mesmo isentas de IR, no ano passado perderam para o IBGE. Renderam 6,17%. O índice inflacionário foi de 6,3 pontos. É fácil segurar o rendimento real das cadernetas, ou seja a correção além da perda do valor do dinheiro. Fernando Henrique recorreu ao estratagema. Lula o manteve. Aplica-se 0,5% ao mês sobre os saldos (431 bilhões) e congela-se a TR.

A Taxa de Referência depende da decisão do Banco Central. Em 2011, foi de 0,17%. Por isso é que a poupança apresentou o resultado concreto de 6,17%. Não houve ganho real e sim estagnação.

Os fundos, caso do Itaú, por exemplo, estão sendo remunerados à base de 0,7% ao mês. Setenta por cento da SELIC. Agora, com ela descendo a 9 pontos, a taxa, mantida a proporção, recua para 0,63. O governo não pode reduzi-la para menos de 8,5 pontos. Como financiaria a dívida interna? É preciso também explicar diretamente que a rede bancária não é devedora, mas sim credora do Tesouro pela SELIC. Não tem vínculo com os juros cobrados no mercado. Mesmo recuando para 2,5% ao mês, por exemplo, são 30 pontos ao ano. A SELIC está em 9%, podendo descer para 8,5. A diferença continua enorme.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Nova Poupança revela que o governo está precisando de dinheiro

  1. para ajudar o povo eles não estão fazendo praticamente nada,agora para atrapalhar aqueles que trabalham honestamente,pensando em juntar um dinheirinho para possíveis eventualidades,isso eles fazem muito bem! uma vergonha esse Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *