Novas denncias agitam a CPI da Petrobras

Carolina Gonalves
Agncia Brasil

Partidos de oposio na Cmara e no Senado devem comear, na prxima semana, articulaes para tentar marcar uma reunio de emergncia da Comisso Parlamentar Mista de Inqurito (CPMI) que investiga negcios ilcitos na Petrobras. Ainda sem data para o encontro, que deve ocorrer em Braslia, parlamentares oposicionistas retomaro as tentativas por mais informaes da Justia, aps o vazamento do depoimento do ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, Justia Federal do Paran, confirmando suspeitas levantadas pelo colegiado.

Estamos tentando uma agenda e, evidentemente, conseguir a cpia do depoimento. Foi uma comprovao e o testemunho mais forte para o processo, afirmou o lder do DEM na Cmara, deputado Mendona Filho (PE). Segundo ele, a oposio ainda no definiu a estratgia, mas vai tentar a convocao da CPMI, mesmo com quorum ainda comprometido pelo segundo turno das eleies.

No audio liberado pela Justia do Paran, Paulo Roberto Costa afirmou que as empresas contratadas como fornecedoras da Petrobras tinham de pagar 3% do valor do contrato como propina e que, parte desse dinheiro, era direcionada para dirigentes do PT, PMDB e PP.

PT RECLAMA

Em entrevista Agncia Brasil, o ex-lder do PT na Cmara, deputado Henrique Fontana (RS), reagiu s denncias. Fontana reafirmou declaraes feitas desde a instalao da CPMI. poca, ele acusou a oposio de fazer uma movimentao grosseiramente eleitoral. O parlamentar lembrou que as investigaes envolvendo a estatal j estavam sendo conduzidas pela Polcia Federal e pelo Ministrio Pblico. Tambm sem antecipar estratgias, Fontana adiantou que os aliados trabalharo para impedir a marcao da reunio de emergncia.

O ex-diretor da Petrobras claramente um criminoso, corrompido e que participou de um conjunto de ilcitos e ilegalidades. Agora, faz delao premiada. A utilizao pr-eleitoral da delao algo inaceitvel e precisa ser duramente criticado. Evidentemente, faremos tudo que est ao nosso alcance para evitar essa explorao dirigida contra nossa candidata, declarou o deputado do PT.

Ontem, o presidente nacional do PT, Rui Falco, divulgou nota repudiando as declaraes do ex-diretor da Petrobras, classificando-as de caluniosas.

Lder do PMDB, o deputado Eduardo Cunha (RJ), um dos mais cotados para assumir a presidncia da Casa, admitiu que a delao premiada causa preocupao na campanha da candidata do PT. Ele manteve a posio de que todas as informaes sobre os crimes de corrupo na estatal sejam pblicas. Temos de mostrar quem so os verdadeiros denunciados, quais as provas e se, efetivamente, tiveram participao nesse mar de lama da Petrobras, ressaltou.

Procurados pela Agncia Brasil, o presidente e o relator da CPMI da Petrobras, senador Vital do Rgo (PMDB-PB) e deputado Marco Maia (PT-RS), no retornaram at a publicao da matria. Tambm no retornaram o lder do PT na Cmara e o vice-presidente da Casa, deputados Vicentinho (SP) e Arlindo Chinaglia (PT-SP).

 

6 thoughts on “Novas denncias agitam a CPI da Petrobras

  1. chegada a hora de estatizar tudo, reestatizar, zona geral, dar a maior fora para os estatizantes beneficiados, beneficirios e para os idiotas antolhados que mesmo s tomando no toba defendem essa aberrao.

  2. CPI conversa mole para boi dormir… trolol de afogados abraados…
    A presidente esperneia porque sabe que o PT est mais sujo do que pau de galinheiro, em todos os sentidos possveis e imaginveis … est acontecendo a derrocada do Partido dos Trabalhadores, h 12 anos mamando do dinheiro pblico, atravs de quadrilhas organizadas …
    Agora, no tendo coragem de apontar o dedinho para o juiz Srgio Moro, do Paran, mas, de tabela, criticou abertamente conduo da Operao Lava a Jato, judicialmente falando, como uma ao eleitoreira, pondo em risco sua reeleio.
    V com calma presidente… nessas alturas do campeonato, com o judicirio tendo o cuidado de preservar os acusados com a prerrogativa de foro, de mais valia a candidata atentar para a realidade de que o PT no pode tudo… pelo menos transformar o Lava a Jato em Enxuga a Jato… ainda mais que o curriculum da presidente no ajuda…

  3. A Presidente Dilma vem falando em sua propaganda eleitoral, que a
    corrupo no governo dela, no varrida para baixo do tapete, ela est
    dando condies aos rgos responsveis para investigar. Algum, tem
    que perguntar que condies so essas?
    Como vspera de eleio, no se pode mostrar os podres desse governo,
    para no prejudicar a eleio da candidata? Numa democracia, corrupo, no tem data para ser investigada e tornar pblico, para que do eleitor, tenha o direito de
    saber em quem est votando.

    • Sr. Nlio,

      permita um reparo:

      no A Presidente, mas A “presidente”

      (com as necessrias aspas; afinal, quem d as ordens, hoje? algum MANDOU que NO demitisse o acusado presidente da Transpetro e foi prontamente obedecido!).

  4. O EX-LIDER DO PT NA CMARA, deputado Henrique Fontana (RS), deveria trabalhar no “Zorra Total” e outros programas humorsticos.

    A declarao dele afirmando que o ex-diretor da Petrobras – o “PAULINHO DO LULA” um “criminoso, corrompido e que participou de um conjunto de ilcitos e ilegalidades”.

    Ora, essas palavras apenas provam que LULA no estava em boa companhia e mais:
    “nomeou o criminoso corrompido” para deixar e rolar na grana da Petrobras durante o tempo que foi presidente da Repblica.

    Pelo que est sendo divulgado, o “PAULINHO DO LULA” foi nomeado para ser o “general de diviso” do PT. Para dividir a grana. Homem de confiana dos assaltantes da Petrobras. E era.

    As palavras do hilariante poltico tambm atingem DILMA em cheio, pois foi a presidentA do Conselho da Petrobras durante largo tempo, em perfeito entrosamento com o “general de diviso” do PT, Paulo Roberto Costa.

    E, batendo saciedade o poltico JUSTO VERSSIMO (criao imortal de Chico Anysio)
    declara que “a utilizao pr-eleitoral da delao algo inaceitvel e precisa ser duramente criticado. Evidentemente, faremos tudo que est ao nosso alcance para evitar essa explorao dirigida contra nossa candidata.

    Muito engraado, muito mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.