Novembro será um mês decisivo para definição da estratégia para haver terceira via

TRIBUNA DA INTERNET | Pesquisas demonstram que a terceira via é altamente viável e pode vencer a eleição

Charge do Duke (O Tempo)

Carlos Newton

O grande número de indecisos indica que a candidatura da terceira via é altamente viável, com plena condições de quebrar a polarização entre Lula da Silva e Jair Bolsonaro. Infelizmente, a maioria das pesquisas não indica o número de eleitores que afirmam rejeitar tanto o ex-presidente petista quanto o atual presidente, que nem partido tem.

Como dizia a antiga Lei de Murici no regime militar, “cada um deve cuidar de si”, especialmente nesse início da campanha, em que o mês de novembro será importantíssimo, porque vai definir quem será o candidato do PSDB e também se o ex-juiz Sérgio Moro entrará na disputa.

COMPROMISSO – O fator principal é entender que a terceira via não depende da participação de Moro nem da escolha tucana entre ao governador João Doria e Eduardo Leite.

O que interessa é que todos os candidatos alternativos devem assumir o compromisso proposto por Dória, no sentido de que cada um deve renunciar e dar apoio a quem estiver com mais chances de vitória em março, mês que antecede a desincompatibilização dos cargos e mandatos, de forma a evitar inelegibilidade.

Ao mesmo tempo, o representante da terceira via deve aceitar para vice um companheiro de chapa entre o demais pré-candidatos, comprometendo-se também a compor primeiro e segundo escalões do governo com integrantes desses partidos que integram a coligação.

UNIÃO NACIONAL – Com esses compromissos poderá ser reeditada a vitoriosa estratégia armada por Itamar Franco em 1992, quando substituiu o renunciante Fernando Collor, que entregou o cargo momentos antes de sofrer impeachment.

Itamar tinha sido eleito vice pelo PL, partido então presidido por seu fundador, o deputado Álvaro Valle. Ao assumir, exigiu que se formasse um governo de união nacional, caso contrário também renunciaria. A reação foi impressionante. Até o PCdoB aceitou participar do governo de Itamar Franco, o melhor que tivemos desde Juscelino Kubitschek.

Detalhe: apenas o PT insistiu em fazer oposição a um governo que enfrentou corajosamente a inflação e possibilitou a retomada do desenvolvimento econômico.

###
P.S. –
Outro detalhe que não se pode esquecer – Itamar era implacável no combate à corrupção. Quando a imprensa divulgou suspeitas sobre o chefe da Casa Civil, Henrique Hargreaves, o presidente não teve dúvidas em demitir o amigo de infância. E disse-lhe: “Deixe o cargo para se defender. Quando esse caso estiver resolvido, você volta e reassume a Casa Civil”. E foi o que aconteceu, pois Hargreaves provou sua inocência e Itamar imediatamente lhe devolveu a chefia do ministério. Naquele tempo, ainda havia políticos de verdade. (C.N.)

6 thoughts on “Novembro será um mês decisivo para definição da estratégia para haver terceira via

  1. Essa terceira via está parecendo uma vacina contra Lula e Bolsonaro.
    Hehehe, o problema de vacina é segunda dose, terceira dose, ad infinitum, até lá um dos dois já ganhou. Meu voto vai ser pra Bolsonaro, o Homem do Fuzil.

  2. Memórias: Um brasilianista entrevistado pela revista Veja, perguntado se o governo Itamar atrasou o Brasil, a resposta foi: “Pelo menos dois anos; mas, nada que não possa ser recuperado.” Não entendi nada, mas depois quando do governo do famigerado fhc, ficou claro o atraso se referia a entrega de nossas riquezas, através da “mágica” da privatização/entregação.

  3. E realmente, no governo do famigerado a entrega foi total.
    Uma empresa brasileira que queria comprar uma nos EUA na área de aluminio, foi impedida pelo governo americano, pois iria ficar forte demais no setor de alumínio.
    Realmente, lá se pensa em país.

  4. A terceira via, se houver, não vingará porque os eleitores do PT que foram iludidos estão voltando. Sentem vergonha por terem sido tão facilmente enganados pela Globo, Moro, Temer e outros golpistas.

  5. Mandetta, Ciro ou Moro são nomes de pessoas altamente
    qualificadas para governar esse pais e consertar as desgraças feitas pelo boçal e antecessores. Mas o povo não costuma ser muito inteligente nessas coisas. Se, no segundo turno, o negócio ficar entre o boçal e o Lula, votarei no Lula com certeza.

  6. DONA ELIANE CANTANHÊDE, “data venia”, em que pese a vossa histórica paixão política, avassaladora, pelo demotucanismo, representante da aética “elite cheirosa” do Brasil, um país ainda extremamente corrupto, como constatado por um certo PRG, dominado por uma tal “elite delinquente”, como constatado por um certo Ministro do STF, a julgar pela mentalidade do comportamento eleitoral do conjunto da população tendo em vista as eleições de 2018, face aos exemplos Zema, em Minas Gerais, e Bolsonaro, no Brasil, enquanto instrumentos da quebra da polarização eleitoral até então reinante, nada, absolutamente nada, aponta para a volta da antiga polarização entre PSDEMB-agregados versus PTMDB-agregados, pelo contrário, não obstante o engodo oportunista representado por Bolsonaro, tipo mais dos me$mo$ fantasiado de novo, à moda charlatã, entre outros, o fato é que, não obstante enganada em 2018, a mentalidade do conjunto da população, a maioria silenciosa, continua firme no propósito de encontrar-se com o outsider do fato novo de verdade, a mega-solução para a política, o país e a população, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME, a Terceira Via de Verdade, antissistema, o megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, a Democracia Direta, com Meritocracia, a nova política de verdade, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, inspirada nas heroicas Jornadas de Junho de 2013, o novo a ser estabelecido no lugar do velho que já morreu, novo de verdade do qual a velha política está fugindo igual o diabo foge da cruz, à moda “Carlinho Cabeludo”, o malfeitor que para fugir da morte que o procurava, rapou a cabeça, ficou careca, mudou a indumentária, os trejeitos, mas não perdeu o vício de jogar sinuca no boteco do bairro, onde, depois de muitas fugas, a morte chegou até ele, e perguntando aos presentes se conheciam o “Carlinho Cabeludo”, e ante o silêncio de todos, optou por levar consigo o careca mesmo. Assim será, o destino do sistema apodrecido, no primeiro turno, com a entrada do outsider do fato novo de verdade na cena eleitoral. http://www.tribunadainternet.com.br/tudo-ainda-e-incerto-para-2022-porque-desinteressados-e-indecisos-sao-maioria/?fbclid=IwAR2Bz4-MJ7rVFnm1rEZliVzpLkqEkzEhRylZiZvSYWzc_y4VqubSmCspTfo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *