Novo confronto entre Dilma e Eduardo Cunha

Carlos Chagas

Mesmo com a presidente Dilma no México, deflagra-se hoje mais um round entre Madame e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Os deputados começarão a examinar a reforma política, tanto faz se a partir do relatório encomendado mas contestado, ou isoladamente, uma proposta depois da outra.

Qualquer aprovação exigirá no mínimo 308 votos, número que Eduardo Cunha imagina dispor a partir de forte base do PMDB. O problema é que cada sugestão vem despertando mais discordâncias do que apoios.

O teste inicial dirá respeito ao chamado “distritão”, estabelecendo que em cada estado serão considerados eleitos os candidatos a deputado federal, estadual e vereador que obtiverem mais votos. À primeira vista parece lógico, mas há meandros capazes de conduzir à areia movediça. Sustentam os adversários, a começar pelos pequenos partidos, que a extinção das coligações partidárias favorecerá os grandes. Os que tiverem melhores estruturas e mais dinheiro garantirão a maioria das vagas.

Eduardo Cunha é o patrono do “distritão”. Já a presidente Dilma, ávida de recompor-se com o PT, fica do outro lado. Os companheiros temem que a mudança reduza suas bancadas.

PERFUMARIA

Quase todo o resto do elenco de reformas consiste em perfumaria. Alterações partidárias e eleitorais inviáveis, umas, e supérfluas, outras. A proibição de doações de empresas para as campanhas eleitorais até que serviria para moralizar as eleições, mas a Câmara, em peso, rejeita a hipótese. O Senado também. Como abrir mão de recursos fundamentais para a reeleição da maioria, mesmo que depois precisem retribuir com suas performances o auxílio jamais desinteressado? A ideia de muitos é limitar as doações empresariais, que a Justiça Eleitoral jamais conseguirá fiscalizar.

Acabar com a reeleição de presidentes da República, governadores e prefeitos é um consenso nacional, mas a confusão se estabelece quando se pretende aumentar os mandatos de deputados para cinco anos e os de senador para dez, já que será impossível reduzi-los a cinco. A coincidência de eleições, todas num só dia, tumultuará o processo. Acabar com dois suplentes de senador, reduzindo para um só, não passa de jeito nenhum na Câmara Alta. Nem a cláusula de desempenho, capaz de tirar recursos do fundo partidário dos partidos de aluguel. E assim por diante.

A presidente Dilma já foi entusiasta da reforma política, até por algum tempo aderiu ao absurdo da convocação de uma assembleia constituinte exclusiva. Depois refluiu. Derrotar Eduardo Cunha tornou-se prioridade. Melhor aguardar.

 

2 thoughts on “Novo confronto entre Dilma e Eduardo Cunha

  1. ESTOU ANSIOSO PARA VER A MP 666, a MP da BESTA. IMAGINO DESDE JÁ O NUMERO 666 estampado na testa da ANTA PRESIDANTA!
    SÃO OS SINAIS CLAROS DO APOCALIPSE ! DEPOIS DO PREDECESSOR BESTA DOS 9 DEDOS E DE LINGUA PRESA, JÁ TEMOS HÁ MAIS DE 4 ANOS NO PODER A BESTA VERDADEIRA QUE APONTOU NO HORIZONTE DA PÁTRIA!
    SERÁ O FIM DOS TEMPOS OU O ÍNICIO DE UMA NOVA ERA?
    ACHO QUE DEPENDE DE NÓS, DEPENDE DE CONSEGUIRMOS OU NÃO EXTIRPAR ESSAS PRAGAS APOCALÍPTICAS DE NOSSA PÁTRIA! ESTAMOS NA VERDADEIRA ENCRUZILHADA DA HISTÓRIA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *