Novos depoimentos complicam a situação de Dirceu

 Deu na Folha

O empresário Júlio Camargo, um dos delatores da Operação Lava Jato, disse nesta terça-feira (14) ao juiz federal Sergio Moro que entregou R$ 4 milhões em dinheiro vivo ao ex-ministro José Dirceu. Camargo colabora com as investigações sobre corrupção na Petrobras desde dezembro do ano passado e já prestou vários depoimentos às autoridades, mas esta é a primeira vez em que falou no assunto.

O empresário, que trabalhava para o grupo Toyo Setal, foi ouvido por Moro como testemunha numa ação penal que tem como réus o ex-diretor da Petrobras Renato Duque e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que estão presos em Curitiba.

Informada sobre a revelação enquanto Camargo ainda era interrogado, o advogado Roberto Podval, que defende Dirceu, negou que ele tenha recebido propina e disse que o delator não falou a verdade.

O juiz Sergio Moro fazia perguntas sobre as relações de Duque com o PT e quis saber de Camargo se a nomeação de Duque para a diretoria de Serviços da Petrobras fora patrocinada por Dirceu, que foi ministro da Casa Civil no governo Lula.

O delator disse que sim, e afirmou que chegou a entregar R$ 4 milhões, em espécie, para Dirceu a pedido de Duque. Ele não detalhou as circunstâncias nem o local em que a entrega teria sido feita.

SUBORNOS MILIONÁRIOS

Camargo já tinha admitido antes o pagamento de R$ 137 milhões em suborno, dos quais US$ 40 milhões (R$ 102 milhões no câmbio de hoje) para o lobista Fernando Soares, apontado como operador do PMDB, e R$ 35 milhões para Duque.

O depoimento de Júlio Camargo pode complicar a situação de Dirceu, que é alvo de um inquérito da Lava Jato por causa dos pagamentos que recebeu de empreiteiras que tinham negócios com a Petrobras.

Dirceu abriu uma empresa de consultoria depois de deixar o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ter o mandado de deputado federal cassado, em 2005, no auge do escândalo do mensalão.

O ex-ministro faturou como consultor R$ 39 milhões entre 2006 e 2013. Empresas investigadas pela Lava Jato pagaram a ele R$ 9,5 milhões, num período em que Renato Duque era o diretor de Serviços da Petrobras.

LOBISTA CONFIRMA

O lobista Milton Pascowitch, que ajudou a aproximar a empreiteira Engevix do PT e também passou a colaborar com as investigações, disse que alguns pagamentos feitos à consultoria de Dirceu eram propina.

Dirceu sempre negou ser o padrinho de Duque na Petrobras e afirma que sua consultoria prestou serviços às empreiteiras, ajudando a prospectar negócios no exterior. E o advogado Roberto Podval, defensor de Dirceu, negou que ele tenha recebido propina ou mesmo recursos em espécie. “Todo o valor recebido [pela empresa do ex-ministro] foi registrado e as informações foram entregues ao juiz Sergio Moro.”

O advogado de Duque, Alexandre Lopes, também negou as acusações. “São tantas as mentiras contadas pelos delatores que não dá para levar a sério. Essa é mais uma obra”, afirmou.

7 thoughts on “Novos depoimentos complicam a situação de Dirceu

  1. Tarciso, quantos velhinhos de 70 anos você conhece, ainda trabalhando para dar sustento à família? Eu conheço vários. E olhe que a vida deles não é atormentada por notícias de jornal, ou caminhão de TV na porta, mas por doenças sem hospital a que recorrer, só para citar um dos tormentos. Esse senhor de 70 anos, temeroso de voltar à cana dura, aprontou poucas e boas.Tem de pagar por elas.

  2. O PT fez a maior distribuição de riquezas entre amigos e familiares da história desta país. É isso que dá a relação mulher de malandro que estabelecemos com o Estado, seus agentes patrimonialistas e suas benesses. Desde o início da exploração-sabotagem que nos gerou e aprisionou.

  3. O “GUERREIRO DO POVO BRASILEIRO”, segundo seu advogado, como publicou O Globo, “está com medo de ser preso”.

    Pelo visto, o “GUERREIRO DO POVO BRASILEIRO” possui incomparável coragem na hora de exigir e receber os “PIXULECOS”, mas se comporta como um frouxo na hora de pagar pelo delito consumado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *