Numa rua morta, o passeio do poeta e a presença dos fantasmas daquelas moças

100 POEMAS ESCOLHIDOS - CEPE EditoraPaulo Peres
Poemas & Canções
 

O advogado, jornalista, professor, memorialista, cronista, ensaísta e poeta pernambucano Mauro Ramos da Mota e Albuquerque (1911-1984), no poema “Rua Morta”, não sente um cheiro dos jardins abandonados, mas os perfumes dos cabelos dos fantasmas das moças de outras épocas.

RUA MORTA
Mauro Mota

Longa rua distante de subúrbio,
velha e comprida rua não violada pelos prefeitos,
passo sobre ti suavemente neste fim de tarde de domingo.

Sinto-te o coração pulsando oculto sob as areias.
O sangue circula na copa imensa dos flamboyants.

Tropeço nos passos perdidos há muito nestas areias,
onde as pedras não vieram ainda sepultá-los.
Passos de homens que jamais voltarão.

Ó velhos chalés de 1830,
eterniza-se entre as paredes o eco das vozes de invisíveis habitantes.
Mãos de sombras femininas abrem de leve janelas no oitão.

Há um cheiro de jasmins e resedás
que não vem dos jardins abandonados,
mas dos cabelos dos fantasmas das moças de outrora. 

3 thoughts on “Numa rua morta, o passeio do poeta e a presença dos fantasmas daquelas moças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *