O abracadabra dos impostores

Jacques Gruman (Carta Maior)

Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar (Carl Sagan)

O mágico e seus truques

Difícil achar uma criança que não goste de circo. De toldos precários ou estruturas modernas, ele abre um deslumbramento, um mistério que gruda na memória. Viriato Corrêa descreve esta magia com grande sensibilidade num dos capítulos de seu clássico Cazuza. As arquibancadas do Gran Circo Estriguilino estavam sendo montadas. Aquilo “parecia ter, aos nossos olhos, qualquer coisa de sobrenatural, vinda de outro planeta”. Um moleque, o Parafuso, apenas lavava os cavalos da companhia, mas, para a turma da cidadezinha, isso bastava para ele ser considerado “mais do que um príncipe”. É assim mesmo. Um magical mistery tour.

Eu gostava especialmente dos mágicos. Perto da minha casa, existia um velho casarão em ruínas. Corria entre meus amigos a história de que ele era habitado por assombrações. Mal sabíamos que os verdadeiros fantasmas estão dentro de nós. Bem, eu acreditava que os mágicos tinham poderes sobre a legião espectral. Torcia para que seus truques funcionassem e, assim, confirmassem que podiam espantar meus medos.

Havia, no entanto, um lado Fradinho que gostaria de ver o circo pegar fogo. Que o palhaço fizesse chorar. Que o trapezista sumisse em plena acrobacia. Que o elefante virasse formiga. Que o mágico ferisse de verdade o infeliz voluntário que entrasse na caixa prestes a ser cortada em dois. Muitos anos depois, o adulto que virei, vergado por decepções e melancolias, perdeu contato com o fascínio das pequenas ilusões – e maldades – que nos faziam felizes.

####
PREVISÕES CATASTRÓFICAS

Inauguramos 2012 com “previsões” catastróficas. Paranormais, cientistas de origem duvidosa, astrólogos e charlatães de coturno diverso garantiram que o mundo ia acabar no dia 21 de dezembro. Susto na arquibancada. Os maias –  oh quantas vezes se pronunciou seu nome em vão! – teriam alertado para o Apocalipse. Quanto lixo e quanta asneira se produziu em torno disso !

Uma coisa é se deixar iludir, por exemplo, sob a lona do circo. O mágico nos mostra uma pessoa levitando. Sabemos que é uma brincadeira com os sentidos e aplaudimos o talento do ilusionista. Outra, muito diferente e perniciosa, é dar crédito a trapaceiros e aproveitadores, que prometem “ler o futuro”, “trazer a pessoa amada em 10 dias”, melhorar a vida introduzindo letras nos nomes ou repetindo mantras sedativos (lembram do “todo dia, sob todos os pontos de vista, vou cada vez melhor”, do picareta Omar Cradoso ?). É a ilusão consentida.

Como disse muito bem Carl Sagan, “o primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida”. Todos, absolutamente todos, somos frágeis poeiras cósmicas e vivemos atormentados por todos os tipos de dúvidas: existenciais, políticas, afetivas, esportivas, profissionais. É preciso muita coragem para enfrentá-las sem bengalas hipnóticas, que prometem o impossível. Voltando a Sagan, ele observou que o universo “não foi feito à medida do ser humano, mas tampouco lhe é adverso: é-lhe indiferente”. As galáxias, e com elas as “conjunções planetárias e alinhamentos”, não estão nem aí para os predadores bípedes, pretensiosos, que somos.

###
ASTROLOGIA…

Só mesmo nossa fragilidade pode explicar a prosperidade das mandingas como a astrologia. Semana passada esteve entre nós uma pop star do além. Faturando um bom cachê pela campanha de uma lingerie (devia estar escrito nas estrelas), a astróloga norte-americana Susan Miller deitou falação. Ela pilota um website com mais de 18 milhões de visitas mensais. A tagarelice de dona Miller é uma coletânea exemplar de generalidades. Não resiste a três neurônios de dúvida. Vale a pena dar uma olhada em algumas das pérolas.

– Sobre o Brasil: “Uma nação sob o signo de Virgem e com Aquário em ascensão fica fora da linha de fogo das configurações planetárias perigosas que criaram as crises na Europa e nos EUA e que podem continuar criando problemas no ano que vem” – Esqueçam bolhas imobiliárias, falcatruas do sistema financeiro, militarismo neocolonial, exploração capitalista, divisão internacional do trabalho, corrupção. O problema do mundo é que Aquário não está em ascensão. Por falar nisso, o que será que dona Miller quis dizer quando garantiu que, em 2013, “o Brasil” vai bombar ?

Duzentos milhões de pessoas vão entrar no paraíso ? Não existe “Brasil”. Como qualquer país, essa é apenas a simplificação de uma teia complexa de relações, uma invenção. Generalizar previsões é o DNA da charlatanice.

Andarilho por vocação, prefiro continuar caminhando por aí, convivendo com minhas dúvidas e a absoluta falta de sentido prévio para a vida.

(Artigo enviado por Mario Assis)

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *