O bandido “Papagaio”, de alta periculosidade, e as mãos atadas da Justiça

Resultado de imagem para papagaio preso no parana

Assaltante de bancos fugiu da prisão quatro vezes

Percival Puggina

Foi preso no interior do Paraná o assaltante conhecido como “Papagaio”. Com longa experiência em assaltos a bancos e carros fortes, crimes que envolvem organização de quadrilhas, “Papagaio” acumula condenações que, em tese, não mais do que em tese, se elevam a meio século de prisão. No sítio onde estava ao ser preso foram apreendidos quatro poderosos fuzis municiados, carregadores e 400 munições de diversos calibres. Ou seja, “Papagaio” estava cheio de má intenção.

Suspeita-se de que os ataques a carros fortes que antecederam a grande fuga de presos ligados ao PCC tenham sido praticados para atrair policiais a outra região e viabilizar a espalhafatosa evasão na penitenciária de Piraquara.

PRENDE-SE DEMAIS – “Papagaio e o PCC também acham que no Brasil se prende demais. É o desencarceramento por conta própria… Há muita gente, paga por nós, que deve estar aplaudindo.”

Apesar do extenso currículo do bandido, malgrado suas quatro fugas anteriores, a despeito de ser ele verdadeiro doutor honoris causa no mundo do crime, um extenso conjunto de fatores age em seu benefício e, simetricamente, em desfavor da sociedade.

Cláudio Adriano Ribeiro, esse é o nome do pilantra, capturado de sua fuga anterior, conhecendo o jogo e as regras, foi um preso exemplar. Nem precisaria tanto para acabar beneficiado por progressão de regime e ser designado, novamente, para o semiaberto.

MALHA FROUXA – Esse direito lhe foi proporcionado pela malha frouxa, cediça, que caracteriza a legislação penal brasileira, ingenuamente confiante em que a bondade é um irrevogável atributo humano. O Ministério Público, diante de avaliação psicossocial que não contraindicava a concessão do benefício àquele modelo de cidadão, o referendou e a Vara de Execuções Criminais o concedeu. Pouco depois, “Papagaio” deu sequência ao previsível script: bateu asas do semiaberto e voou de volta ao mundo dos negócios.

Todos os que, de algum modo, participaram da decisão que o deu por regenerado, são capazes de empilhar razões – e note-se: razões extraídas do Direito – sobre as quais apoiaram as recomendações e ordens que deram. No entanto, o bom senso refuga a leniência da legislação penal brasileira, os meandros recursais, as escandalosas chicanas proporcionadas pelo nosso Processo Penal, as penas que não se cumprem e as espantosas progressões de regime que acabam fazendo vítimas logo depois.

VIDA PRÓPRIA – Em vão a sociedade a tudo rejeita. O sistema tem vida própria e expressa uma vontade que parece ser de poucos, pouquíssimos, ainda que se imponha a todos. E a todos obrigue a viver na insegurança resultante de suas determinações.

SEM SAÍDA? É uma situação perante a qual todos se dizem com as mãos atadas e ninguém aparece para desfazer os nós. Pergunto: é uma situação sem saída, a exemplo de tantas outras que passam pelo funil dessas mesmas vontades no Congresso Nacional? Por que haveriam nossos congressistas de mudar a legislação quando não é incomum nem remota a possibilidade de que muitos deles acabem buscando agasalho em tais artifícios?

Pois é também para isso que servem as eleições do dia 7 do mês que vem. Você não vai reeleger criminosos nem protetores de criminosos, vai? Você não quer custear um Estado brasileiro que perca todas para os Papagaios da vida, quer?

21 thoughts on “O bandido “Papagaio”, de alta periculosidade, e as mãos atadas da Justiça

  1. ” Você não vai reeleger criminosos nem protetores de criminosos, vai?”

    -Quem vota em candidato sabidamente bandido para obter vantagem pessoal não tem moral para reclamar da saúde, da educação, da infraestrutura ou da segurança do país onde vive e que ajudou a transformar em uma merda de lugar com o voto.

    • Cá entre nós, quem vota no continuísmo do $istema podre, condenado a morte pelo STF e pela Lava Jato, não tem noção das coisas, ou não tem vergonha na cara.

  2. Toffoli afasta promotor que investigava Aécio e o aeroporto de Cláudio.

    O ministro Dias Toffoli, um dia antes de assumir a presidência do STF, afastou o promotor Eduardo Nepomuceno da Promotoria do Patrimônio Público do Ministério Público de Minas Gerais.

    Nepomuceno tinha reaberto o inquérito que apura irregularidades na construção do aeroporto na cidade de Cláudio pelo então governador Aécio Neves.

    Em abril do ano passado, surgiu um fato novo — fatos novos justificam a reabertura de inquéritos. E o promotor Eduardo Nepomuceno decidiu retomar o caso.

    Uma decisão absolutamente correta, tendo em vista a gravidade do fato novo.

    A Polícia Federal, na investigação sobre os R$ 2 milhões que Aécio Neves pediu a Joesley Batista, obteve autorização judicial para grampear os telefones do primo do senador, Frederico Pacheco de Medeiros, o Fred, que foi à JBS para receber o dinheiro.

    Em uma das conversas de Fred, a PF descobriu que Aécio, três anos depois da prefeitura de Cláudio informar que era ela que controlava o acesso ao aeroporto, tinha a chave do local.

    Na conversa com um interlocutor ainda não identificado, Fred diz que um segurança de Aécio Neves tinha a chave.

    O homem pergunta a Fred:

    “Se o Duda tá descendo no avião, alguém vai abrir o portão para ele ou não?”

    Frederico responde:

    “Sim, já deve ter aberto. Ele já deve ter saído e já deve ter fechado.”

    O interlocutor indaga:

    “E quem é essa bênção de pessoa?”

    Frederico, mais uma vez, responde:

    “Deve ser o segurança de Aécio”.

    “Ah, ele tem a chave?”, pergunta o interlocutor.

    “Deve ter. Estou imaginando na condição de alguém ir lá abri-lo. Eu não sei nem se vai, mas deve. Passa lá na porta”, diz Frederico.

    A Polícia Federal encaminhou esse trecho da escuta para o Ministério Público de Minas Gerais, e o caso foi para as mãos de Nepomuceno, que já tinha investigado questões relacionadas ao aeroporto.

    Nepomuceno intimou Fred para prestar esclarecimento, e a audiência deveria ocorrer ontem à tarde.

    Mas o advogado pediu o adiamento para a semana que vem, sem que promotor tivesse sido intimado da decisão de Toffoli.

    O afastamento de Nepomuceno retoma uma antiga reclamação prestada contra ele pela defesa do senador Zezé Perrella, aliado de Aécio, no Conselho Nacional do Ministério Público.

    O promotor investigou várias denúncias contra Zezé e seus parentes, e moveu alguns ações civis que ainda tramitam.

    Graças a esse trabalho, os bens do senador se tornaram indisponíveis até o desfecho das ações.

    É de autoria dele, por exemplo, a ação civil pública que pede o ressarcimento dos recursos liberados pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para a manutenção e combustível do helicóptero da família Perrella, apreendido em uma fazenda do Espírito Santo com 445 quilos de pasta base de cocaína, em novembro de 2013.

    Zezé Perrella, argumentando que estaria sendo perseguido, denunciou Nepomuceno ao Ministério Público de Minas Gerais e o caso foi parar no Conselho Nacional do Ministério Público, que afastou o promotor.

    No ano passado, Nepomuceno deixou a Promotoria do Patrimônio Público. Mas recorreu, e acabou retomando o antigo posto, por decisão da juíza federal Vânila Cardoso André de Moraes.

    Conforme anota hoje o jornal O Tempo, de Belo Horizonte, é essa decisão da juíza federal que foi agora reformada por Toffoli, e Nepomuceno foi tirado do alcance das ações que são sensíveis a Perrella/Aécio Neves.

    A decisão do Conselho Nacional do Ministério Público de afastamento de Nepomuceno, confirmada agora por Toffoli, chama a atenção por contrastar com outras resoluções do órgão.

    Há quatro anos, Lula e outros políticos do PT têm denunciado ao Conselho procuradores e promotores que fizeram do ex-presidente o motivo de uma verdadeira cruzada.

    O CNMP nunca acolheu nenhuma dessas reclamações.

    Toffoli validou a decisão do CNMP na véspera do depoimento de Frederico Pacheco, o primo que Aécio disse a Joesley Batista, em tom jocoso, que seria capaz de matar antes de fazer a delação.

    Está havendo assassinato, neste caso, mas não de Fred, mas da reputação de Nepomuceno, um promotor respeitado pelos colegas por ser firme nas suas investigações.

    Quem acha que Aécio está politicamente morto se engana. Ele ainda tem influência, e muita.

    • Olha o Toffoli pagando a conta para o PSDB. Será que a mesada que ele recebe vem, mesmo, da mulher? Ou vem da mesma fonte que paga os advogados do esfaqueador do Bolsonaro?

      • Paulo2,
        apenas repetindo, nada mais.
        quem NÃO SABE, LEIA,
        nos Dicionários Houaiss, Michaelis e Aulete, no verbete próprio, acepções 4, 2 e 2, respectivamente,
        o significado de P.R.O.S.T.I.T.U.T.O. !!! !!! !!!

      • MATÉRIA divulgada em 11.setembro.2018 – 9:10pm, nas páginas desta Tribuna da Internet, diz que
        “O departamento jurídico da igreja Testemunhas de Jeová avalia ingressar hoje na Justiça contra o criminalista Zanone Oliveira Junior por ter declarado que foi contratado para defender o agressor de Jair Bolsonaro por uma pessoa ligada à agremiação.”
        Até agora – MAIS 72 horas depois – não se tomou conhecimento de qualquer providência a respeito.
        Assim, pressupõe-se que a notícia de tal avaliação é pura enganação.
        Reservo-me o direito de continuar acreditando nas palavras do tal advogado Zanone.
        E mais: caso não ocorra mesmo a queixa judicial da tal igreja, ficarei com a certeza da conivência dela, igreja, no atentado de Juiz de Fora, no dia 6 de setembro !!!
        … … …
        É PÚBLICO e NOTÓRIO que o hoje Detento fichado sob nº 700004553820, há muitos e muitos meses ameaçou processar o Delegado Tuma Júnior por revelações feitas em um livro.
        Até hoje nenhuma atitude nesse sentido. Então, tenho certeza de que TUDO o que foi revelado pelo Delegado Tuma Júnior É VERDADE !

    • Enquanto houver P.R.O.S.T.I.T.U.T.O.S atuando e atuantes será assim!

      quem NÃO SABE, L.E.I.A,
      nos Dicionários Houaiss, Michaelis e Aulete, no verbete próprio, acepções 4, 2 e 2, respectivamente,
      o significado de P.R.O.S.T.I.T.U.T.O. !!! !!! !!!

  3. E o que dizer dos bandidos de estimação protegidos por membros do judiciário do executivo e do legislativo que fazem o serviço sujo quando a parada envolve o derramamento de sangue? ??????? (

  4. Sérgio Moro não foi convidado para a festança da posse do Jurista Dias Toffoli na Presidência do STF.

    Mas o desembargador Fravetto que soltou o Sapo Criminoso num domingo estava lá em destaque.

    Acho que o Toffoli não curte a turma da Lava Jato.

    Talvez tenha inveja do Juiz Moro que assumiu sua posição de destaque mundial através de concurso público.

    Este fato deve incomodar Toffoli.

    Dão como certa a indicação do Moro por Bolsonaro à próxima vaga no STF.

    Bolsonaro para limpar o STF!

    • Bandido como o Toffoli não se incomoda com nada. Se o dinheiro bate no bolso, tá tudo bem. Ainda mais que é a mulher que recolhe a propina e deposita na conta do banco.

  5. Sei lá Percival.. Mas eu acho que , com essa turma do mal, tipo esse Papagaio, poderia rolar um esquema meio Velho Oeste Americano…nós cá em Pindorama já papagaiamos tudo o que eles fazem, e esquecemos de boa práticas, por lá feitas.. Sugiro colocar a foto do Papagaio, tipo “WANTED”,, em vários locais do país, pois o Disque Denuncia, não funciona muito bem…

  6. De presidente do Sindicato dos Delegados de PF-SP, Tania Prado

    Para General Morão

    Tudo o que o Brasil não precisa é de uma Constituição outorgada, imposta, como a de 1937

  7. “Pois é também para isso que servem as eleições do dia 7 do mês que vem. Você não vai reeleger criminosos nem protetores de criminosos, vai? Você não quer custear um Estado brasileiro que perca todas para os Papagaios da vida, quer?” Para não correr o risco da conivência, melhor votar nulo, em branco ou se abster. Os golpes e as eleições, sob a égide do $istema político podre, servem para manter a população no cativeiro dos me$mo$, dos quais, há 128 anos, somos todos vítimas, reféns, súditos e escravos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *