O bom e os maus ladrões na Lava Jato

Resultado de imagem para delação premiada charges

Charge do Tacho, reproduzida do Jornal NH

Sebastião Nery

Do alto do púlpito da Igreja da Misericórdia, em Lisboa, em 1655, desafiando a Inquisição, o Padre Antonio Vieira, o mais valente dos pregadores, desafiou o poderoso Império Português e seus maus ladrões:

– “Navegava Alexandre Magno em sua poderosa armada pelo Mar Eritreu a conquistar a Índia, e como fosse trazido à sua presença um pirata que por ali andava roubando os pescadores, repreendeu-o muito Alexandre de andar em tão mau ofício. Porém, ele que não era medroso nem lerdo, respondeu assim:

– Basta, senhor, que eu, porque roubo em uma barca, sou ladrão, e vós, porque roubais em uma armada, sois imperador? Assim é. O roubar pouco é culpa, o roubar muito é grandeza; o roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muitos faz os Alexandres. Se o rei da Macedônia, ou qualquer outro, fizer o que fazem o ladrão e o pirata, o ladrão, o pirata e o rei, todos têm o mesmo lugar, e merecem o mesmo nome”.

“- Ladrão que furta para comer, não vai, nem leva ao inferno. Os que não só vão, mas levam, de quem eu trato, são outros ladrões, de maior calibre e de mais alta esfera; os quais debaixo do mesmo nome e do mesmo predicamento distingue muito bem São Basílio Magno. Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que outro homem viu, que uma grande tropa de varas e ministros da justiça levava a enforcar uns ladrões e começou a bradar: – Lá vão os ladrões grandes a enforcar os pequenos. Ditosa Grécia que tinha tal pregador! Quantas vezes se viu Roma ir a enforcar um ladrão por ter furtado um carneiro, e no mesmo dia ser levado em triunfo um Cônsul ou ditador, por ter roubado uma província? E quantos ladrões teriam enforcado estes mesmos ladrões triunfantes?”

CASTELO DE AREIA – Quando, em 2011, o STJ (Superior Tribunal de Justiça), sob o pretexto de ilegalidade nas interceptações telefônicas, anulou a “Operação Castelo de Areia”, construiu um rastilho de pólvora que, três anos depois, explodiria: na Operação Lava Jato. Os brasileiros passariam a conhecer o maior escândalo de corrupção na vida política e econômica nacional, através da força-tarefa, do bravo juiz Sérgio Moro e do procurador Rodrigo Janot e seus infatigáveis companheiros.

Logo se articularam as aves de rapina e, na imprensa, no Congresso, nas OABs da vida, começaram a tentar fabricar leis para barrar a missão da Policia, da Procuradoria, da Justiça. É hora de a Nação repetir as jornadas de 2013 e voltar às ruas para salvar a Lava Jato. O povo sabe quem são seus inimigos. E como encurralá-los. Mais do que nunca, a sociedade brasileira deve multiplicar seu apoio à força-tarefa da Lava Jato.

VÊM AÍ AS CHICANAS – Os interesses poderosos contrariados, nessa fase crucial das decisões. estão escondidos, mas ainda não estão derrotados nem dormindo. Os missionários da corrupção sonham em paralisar com “chicanas” as conclusões da Lava Jato, especialmente os detentores dessa excrescência jurídica chamada “foro privilegiado” (detentores de mandatos), nos poderes Executivo e Legislativo.

Os envolvidos nos crimes de corrupção não podem alimentar o sonho da impunidade. Os brasileiros precisam acreditar que depois da Lava Jato, no Brasil, nada será como antes.

10 thoughts on “O bom e os maus ladrões na Lava Jato

  1. Há vida após a Lava Jato, sobretudo para cidadãos honestos frente à urna das próximas eleições!
    Estamos atentos!
    Nada de votar em candidato “ficha suja” (independente do partido); podem prometer “mundos e fundos”, camisetas, bonés, minha casa minha vida, emprego na “repartição”, ajuda para furar a fila nos serviços públicos…não, o povo precisa dizer NÃO, á corrupção nos mínimos detalhes.
    E mais, se não há candidato “ficha limpa”, anulo meu voto sem constrangimentos e durmo com a consciência tranquila.
    Simples assim!
    Abençoada Lava Jato!!

  2. Se os candidatos, não forem os mesmos, serão equivalentes. O sistema eleitoral será o mesmo, os eleitores serão os mesmos e como atrativo.os salários e mordomias dos parlamentares serão o mesmos. A Lava Jato vai dar uma travada na corrupção política, mas as portas estarão abertas para futuras corrupções..

  3. Nery, parabéns, que o povo venha pacificamente à rua, para lutar por seus Direitos de ter um Pais justo, para quem, com suor e lágrimas, tentam construir uma Nação Soberana. Rui Barbosa: Quem não luta pelos seus Direitos, Não é Digno deles.
    Essa corja que infelicita 220 milhões, garantem o lugar no Ranger de Dentes.
    Oremos à Deus, pelo Juiz Sergio Moro, e os que o acompanham, nessa luta de fazer um Brasil Decente e Justo.

  4. Sebastião Nery:

    O maior legado da Lava Jato reside no fato de que, alguns dos ladrões ricos estão presos no mesmo cárcere sempre ocupados pelos ladrões pobres. Isso é inédito na vida brasileira, demonstrando inequivocamente uma mudança de paradigma.

    Importante notar, que o Mensalão chamado de Ação Penal 470, abriu o caminho para sustar a sangria da corrupção avassaladora entre o público e o privado, que vem drenando as riquezas da nação para poucos privilegiados deixando a maioria do povo com as migalhas, em estado de penúria, ao sacrificar a Saúde e a Educação, os pilares do desenvolvimento do país.

    O dinheiro advindo da corrupção dos membros do Executivo e do Legislativo, desviado para paraísos fiscais atingiu a casa do bilhão. Alguns corruptos investiram em mansões, iates, helicópteros, aviões, joias e obras de arte. Não há país, por mais rico, que resista ao saque generalizado. É o que está acontecendo dramaticamente, por exemplo, no Estado do Rio de Janeiro, sem dinheiro para pagamento de servidores e fornecedores. A UERJ, Universidade do Estado não recebe repasse de verbas do governador Pezão e em consequência poderá fechar definitivamente. Um absurdo.

    As passeatas de 2013, compostas de jovens inconformados, se perderam no tempo, pois o propósito era circunstancial e destinado a balançar os alicerces do governo do PT. Conseguido o objetivo, derrubada do governo Dilma, os jovens voltaram para seus lares e para as rotinas escolares. Os governantes, como gatos escaldados evitaram aumentar o preço das passagens dos ônibus, o motivo inicial das passeatas para esconder o que o sistema realmente queria de fato. Por esta razão, não acredito na volta das massas juvenis ocupando as avenidas paulistas e a Cinelândia no centro cultural do Rio de janeiro.

    Realmente, nada será como antes, depois da Lava Jato, que será implodida no tempo certo, com as mudanças em gestação no STF e no âmbito do Legislativo. Prepara-se nos escaninhos do PODER, a volta da prisão somente com o trânsito em jugado na última instância recursal, modificando a regra atual de prisão após a condenação na Segunda Instância. Prepara-se a mudança nas regras das prisões preventivas, que não poderão exceder o limite de 90 dias. Prepara-se também um limitador das delações premiadas, que não terão validade, se o réu estiver cumprindo prisão preventiva.

    Os políticos querem muito a volta da Lei do Amordaçamento do Ministério Público e a criminalização pesada para jornalistas que exporem com matérias que firam a honra dos parlamentares, uma espécie de Lei draconiana de Censura a Imprensa, nos moldes da implementada na Ditadura Militar.

    É o sistema dando o troco na Lava Jato, uma reação à exposição das empreiteiras, dos grandes conglomerados e dos bancos, que recebiam benesses dos governos em troca de propinas para Partidos e candidatos a cargo público, através do eufemismo das “doações eleitorais”. Estancada a sangria momentânea, ninguém se iluda que o status quo irá retornar, pois bem, isso desespera gregos e troianos, principalmente nas vésperas das eleições gerais de 2018.

    A sorte está lançada. Resta saber se atravessaremos o rio em águas calmas ou revoltas, pois a classe dominante brasileira não descansará nem um minuto, até que a Lava Jato seja implodida totalmente e a tranquilidade volte a reinar nas mansões de Brasília e nas grandes capitais do Brasil. Sobre esse tema espinhoso, só o futuro dirá.

    No entanto, o estrago na imagem de empresários e políticos ficará nas consciências das forças vivas da nação. Essa consciência coletiva, acredito que será o maior legado do Mensalão e da Lava Jato. Derradeiramente: Nada será como antes.

  5. A publicação do artigo de Nery vem em momento oportuno, exatamente de acordo ao faro jornalístico do nosso incansável Mediador, Carlos Newton – sim, não vejo razão para não elogiá-lo sempre!

    Da mesma forma, vem a calhar o final do comentário do excelente e brilhante Roberto Nascimento – igualmente não me canso de enaltecer as qualidades deste colega extraordinário.

    Nery dá à sua matéria um título curioso, “bons e maus ladroes”, e Roberto afirma que “nada será como antes”.

    Se o célebre e renomado Nery quiser se dignar a me explicar quais seriam os “bons” ladrões da Lava-Jato, eu agradeceria e muito, pois entendo que os criminosos envolvidos nesta operação são todos muito maus, perversos, cruéis, extremamente perigosos e traidores do País e do povo!

    E quanto à frase do meu amigo Roberto, “que nada será como antes”, de acordo com os meus parcos e ridículos conhecimentos sobre Hermenêutica, eu interpretaria a expressão como absolutamente impossível nessas condições de termos um parlamento que denomino de A Casa do Ladrão, que um dia possamos retornar à normalidade, ou seja, um nível de corrupção “natural”, aceitável, de um caso ou outro a cada ano, menos de vários escândalos diários!

    Nessas alturas será mesmo inatingível alcançar para o Brasil um estágio de nação onde a desonestidade e ilicitudes foram controladas com este parlamento e governantes que temos, claro que eleitos por um povo inculto e incauto, que sempre acredita nas promessas dos mesmos meliantes e que contradiz a frase de Roberto neste particular, que deveria ser:
    “Nada será modificado por conta do eleitor”!

    Evidente que poderemos eleger gente nova, de as velhas raposas e ladrões não serem reeleitos, mas o SISTEMA permanecerá o mesmo, o modo de se fazer política no Brasil PERMANECERÁ corrupto, enquanto não houver reformas profundas no processo eleitoral, a começar com a proibição da reeleição em todos os níveis, de vereador à presidência da República!

    Depois, mandatos de quatro anos, incluindo senadores;
    Também a diminuição do número de vagabundos e ladrões. Cada Estado terá três deputados federais e um senador;
    O número de aspones será de dois por parlamentar, e não este festival de contratações ilegais e imorais, onde chegam a ter vinte auxiliares para porra nenhuma!

    Enfim, eu muito gostaria de saber sobre os bons ladrões da Lava-Jato, e que Roberto tivesse razão sobre o final do seu texto que, se nada será como antes, para mim nada será modificado com esta forma predominando o processo eleitoral e de escolha dos candidatos.

    Um abraço a ambos, Nery e Roberto, pessoas que admiro e reverencio.
    Saúde e paz para ambos.

  6. |Senhores, grato pela leitura esclarecedora.

    O que assombra, e que acredito ser parte dessa manobra recente da troca do Teori pelo Moraes, (fora a atitude de jumento do M. Marco Aurélio mandando psicopata carniceiro para casa), e o tamanho do retrocesso caso o que esta mencionado no texto copiado abaixo aconteça.

    Há como evitar? O que precisamos entender e o caminho das pedras, se o povo e a Lava Jato podem impedir esse golpe no Brasil:

    “Prepara-se nos escaninhos do PODER, a volta da prisão somente com o trânsito em jugado na última instância recursal, modificando a regra atual de prisão após a condenação na Segunda Instância. Prepara-se a mudança nas regras das prisões preventivas, que não poderão exceder o limite de 90 dias. Prepara-se também um limitador das delações premiadas, que não terão validade, se o réu estiver cumprindo prisão preventiva.

    Os políticos querem muito a volta da Lei do Amordaçamento do Ministério Público e a criminalização pesada para jornalistas que exporem com matérias que firam a honra dos parlamentares, uma espécie de Lei draconiana de Censura a Imprensa, nos moldes da implementada na Ditadura Militar.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *