O Brasil prefere a cigarra

Percival Puggina

Todo dia recebo mensagens de petistas. Muitas procedem de gente boa, que tenta justificar moralmente seu voto em Dilma sob a alegação de que “corruptos por corruptos eu fico com os que, na minha opinião, estão conduzindo melhor o país“.

Tal frase é produto de duas informações falsas. Segundo ela, a) os números do governo petista seriam favoráveis quando comparados com os do governo tucano; b) se o governo petista foi uma infindável sucessão de escândalos, com o alto comando do partido mudando-se para a Papuda, também no governo FHC houve corrupção, “como todo mundo sabe“. Sabe? Veremos.

1) Os números favoráveis do governo petista

É sempre difícil e impreciso comparar situações sociais, políticas e econômicas em épocas e circunstâncias diversas. Mesmo assim, julgo importante lembrar que os anos de Lula foram mágicos para o Tesouro Nacional e para as contas públicas. Naquele período, o mercado chinês foi às compras com uma voracidade inexcedível em qualquer momento da história. Centenas de milhões de chineses passaram a demandar grandes quantidades de quase tudo que o mundo podia oferecer. Nossas commodities alcançaram preços antes impensáveis.

No governo FHC, o Brasil precisou vencer uma inflação de 80% ao mês e reverter, com severo ajuste fiscal, a má fama brasileira no mercado mundial. O governo Lula surfou na onda chinesa. O estouro dos mercados mundiais de 2008 encontrou o Brasil bem protegido por um ortopédico colchão de divisas, levando a gestão petista a julgar desnecessário adequar-se. Enquanto outros países faziam como a formiga da fábula de Esopo, o PT, deslumbrado pelo que considerava êxitos seus, brincava de cigarra. Por isso, os 12 anos petistas resultaram desastrosos política, moral, econômica e financeiramente.

O PT gosta de comparar certos dados de 2014 com os de 2002 (último ano do governo tucano). Omite, porém, o fato de que nos meses que precederam a vitória e a posse de Lula, o medo tomou conta dos mercados. A bolsa caiu, o dólar disparou e os preços subiram como precaução ante o que aconteceria se o PT, ao assumir, fizesse o que, irresponsavelmente, exigia de seu antecessor. Tal comparação, portanto, alcança requintes de desonestidade: é o PT cobrando de seu opositor o mal que ele próprio causou por ter feito uma oposição perversa e moralmente desonesta.

Os fatos divergem do que o PT gosta de proclamar: o Brasil deve muito ao governo de FHC. Agora, sob a gestão petista, apresenta um desempenho muito inferior ao dos países de seu entorno, que foram mais prudentes nas suas contas. O Brasil de Lula e Dilma malbaratou os ganhos herdados e se reencontra, agora, com os velhos males da inflação e da recessão. Ao fim e ao cabo, a gestão petista foi melhor? Melhor em quê?

2) O alvará de boa conduta passado pelo PT ao PSDB

Pela cartilha petista, escândalo no território inimigo era e continua sendo coisa que ou existe ou se fabrica. Onde houvesse o mais tênue fio de fumaça da suspeita o partido era o primeiro a chegar, com um tonel de gasolina. Apontava o dedo acusador com a suposta autoridade moral de quem jamais contou dinheiro mal havido. Foi assim que o partido, sem muito esforço, diga-se, destruiu moralmente os governos Collor e Sarney. Foi assim que o partido avançou contra o governo FHC, requerendo mais de duas dezenas de CPIs, sempre com apoio da mesma mídia que o PT hoje execra. As investidas foram tantas, tão contínuas e violentas que o prestígio do ex-presidente despencou dos elevados índices a que chegara nos pleitos que venceu. Quanto de verdade havia naquelas acusações? Não pergunte isso ao PT. Sabe por quê? Porque o PT concedeu ao PSDB um atestado de boa conduta.

Com efeito, em 2003, com a posse de Lula, os petistas não mais dependiam das CPIs para investigar coisa alguma. Passavam a dispor de todos os meios para isso. Ministério da Justiça, Controladoria-Geral da União, ABIN, Polícia Federal, Receita Federal, eram apenas alguns dentre os muitos instrumentos disponíveis. Sem esquecer, ainda, gavetas e arquivos de todos os ministérios, repartições e empresas estatais do país. Entretanto, surpresa! Empossado Lula, a inquisição petista deve ter embarcado em Alcântara rumo a algum asteróide distante. Nada foi investigado!

O outrora refinado faro não capta mau cheiro sequer quando vem da sola do próprio sapato. Seus sherloques, seus produtores de dossiês, seus assassinos de reputações, que antes pareciam saber de tudo que acontecia na República, foram acometidos de um alheamento, de um autismo em que não apenas ninguém está a par do que acontece na sala ao lado, mas é a própria mão direita a primeira a desconhecer o que a esquerda faz. Sobre essa duplicidade de conduta nada se fala, nada se escreve. Quando não há explicação moralmente aceitável é preferível deixar o dito pelo não dito. E Lula maneja com perfeição a prolongada retórica do silêncio. Se, na oposição, acusavam sem evidências, cometeram crimes de injúria e difamação. Se, no governo, dispunham de meios para investigar e não o fizeram, cometeram crime de prevaricação.

Já cansei de escrever sobre isso. E só colho silêncio como resposta. É um silêncio que comprova a tese: o melhor atestado de boa conduta do PSDB é passado pelo PT. O resto é conversa fiada. Não, não sou tucano. Nem idiota.

3 thoughts on “O Brasil prefere a cigarra

  1. E não citou nenhum crime de corrupção do Des-governo Sultão de Paris, o “Homem que iluminava a Antiguidade”., como sempre.
    E veja , se citar todos, não caberá em um texto , o articulista terá de escrever por vários dias para conseguir preencher todos os crimes de lesa-pátria nas páginas do blog da Tribuna.
    Claro, o senhor não é tucano, o tucano sou eu….e idiota também….
    eh!eh!eh

  2. Você, que é igual a mim: aos coxinhas, com carinho

    Em meio a tantas discussões extremadas, com embates entre classes, cores e credos diferentes, nas quais o “nós” versus “eles” buscam realçar as divergências e afirmar superioridade, vou me dirigir aos iguais.

    Você, que é igual a mim (a saber: branco, classe média – média alta talvez – paulistano, escolaridade superior, enfim, pertencente ao 1%), sai com a esposa e dois filhos para comerem uma pizza (uma!), cervejinha e refrigerantes, dificilmente receberá uma conta menor que R$ 170 e nem precisa ser num restaurante da moda.

    Sabia você que R$ 170 é o valor médio mensal que recebem os beneficiários do Bolsa Família? Sim, o que você gasta em uma saidinha ordinária é o que uma família recebe de auxílio para um mês inteiro.

    Você que é igual a mim, é atendido por garçons, frentistas, faxineiras e demais “serviçais” oriundos do nordeste, região que você tanto quer ver separada por um muro, sabia que o estado de São Paulo é que possui o segundo maior número de beneficiários do Bolsa Família? Já parou para pensar que talvez você não pague tão bem assim seus empregados? Sim, aqueles mesmos que você tanto torce o nariz para registrá-los em carteira.

    Você sabia que toda essa “transferência de renda” para o Bolsa Família que tanto lhe agride emocionalmente representa 0,5% do PIB? Tem certeza de que você está “mais pobre” por conta disso?

    Você que alega desvio de caráter dos beneficiários ao gerarem mais filhos visando receber “até mil reais” já parou para pensar que só a escola particular de um único filho seu custa bem mais que isso?

    Em algum dos meios de comunicação pelos quais você se informa foi noticiado que segundo o Relatório Mundial da Saúde 2013, o Bolsa Família reduziu em 17% o índice de mortalidade infantil e que o programa foi responsável direto pela diminuição de 65% das mortes causadas por desnutrição e por 53% dos óbitos causados por diarreia em crianças menores de cinco anos? Isso não o sensibiliza?

    Você, que enche a boca ao se dizer empreendedor e usa e abusa do clichê que “deve-se ensinar a pescar” ao criticar os programas sociais, já pensou o que seria de seu negócio se não houvesse um outro programa chamado Luz para Todos que levou energia elétrica para 15 milhões de pessoas? Sem poder assistir a comerciais como elas consumiriam os produtos de seu empreendedorismo? Tem certeza de que políticas sociais lhe desfavorecem tanto assim?

    Você, que reclama tanto da mão-de-obra desqualificada mas não proporciona um salário que permita a seu funcionário investir em estudos, não vislumbra a qualificação através do Pronatec como algo positivo? Ou seu prazer é passar a vida reclamando e culpando o governo?

    Você, que esteve vociferando nas redes sociais e talvez até mesmo tenha ido à avenida Paulista no último sábado demonstrando temor pela democracia e pedindo imprensa livre, o que pensa da perseguição sofrida por jornalistas da “mídia independente” após o último domingo? Aliás, se existe uma tal mídia independente, qual a conclusão sobre a mídia que você consome: em oposição ela é, portanto, dependente? De quem?

    Você, que está morrendo de medo de um controle totalitário e acredita que o Marco Civil da internet tenha sido o primeiro passo para tal, sabe que a internet é e continuará livre exatamente em consequência dele? Certeza que sabe do que se trata?

    Você, que assiste a TV Globo e a coloca no pedestal da lisura e da verdade, sabia que para evitar pagar impostos pela compra dos direitos de transmissão da Copa de 2002, a emissora simulou estar fazendo um negócio no exterior? A Receita Federal identificou o envio de R$ 549,4 milhões para essa finalidade. Não sabia? Como já disse Gilberto Gil: procure saber.

    Você, que é leitor da Veja, tem conhecimento de que o governo Alckmin comprou e distribuiu 5.200 exemplares da revista nas escolas públicas? E que, somados a outras assinaturas de dois grandes jornais, torra R$ 3,8 milhões da educação com essas aquisições, tudo sem licitação? Essa é a imprensa livre? Independente? Isso não é alinhamento ideológico bolivariano?

    Você que, do sofá, tanto criticou as manifestações que interrompiam o trânsito, esteve e apoiou esta que pedia o impeachment de Dilma? E se criticou tanto o vandalismo daquelas, o que pensa sobre Eduardo Bolsonaro estar com uma pistola na cintura enquanto discursava em cima do carro de som e dizer que, se tivesse chance, seu pai teria fuzilado Dilma?

    Você, que está tão preocupado com uma possível ditadura comunista e se diz tão liberal, o que pensa sobre a recente derrubada do decreto que instituía o Sistema Nacional de Participação Popular sacramentada pelos deputados “liberais” dos partidos em que você vota? Irá cobrar isso deles? Você não quer participação popular?

    Você que, assim como Diogo Mainardi, acredita que o governo faz uso dos programas sociais para arrebanhar votos nas regiões mais pobres, pensa da mesma forma quando governos adotam medidas que lhe favoreçam? Se seu bairro esteve livre do racionamento de água até agora, você se considera um eleitor comprado?

    Você que, como eu, é bem nascido, bem criado, viajado, higiênico, que se considera esclarecido e tão bem informado, tem certeza de que procura conhecer os fatos através de mais de uma perspectiva antes de acusar os outros de desinformados e não é um alienado da realidade extra Moema/Jardins/Morumbi?

    Você, que é igual a mim, não vê contradição entre seu discurso e suas ações? Nenhuma hipocrisia? Você, que tanto brigou com seus pais quando adolescente, ficaria ofendido de hoje ser classificado como neoconservador (termo por si só contraditório pois, se é neo não pode ser conservador), certo? Você que é igual a mim, não se envergonha?

    Mauro Donato – Jornalista, escritor e fotógrafo nascido em São Paulo.

    Não sei se este tópico tem a ver com a matéria postada, mas, como achei interessante, desculpem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *