O cabeleireiro de Dilma

Sebastião Nery

No enterro do professor Lineu de Albuquerque, diretor da Faculdade Nacional de Direito do Rio, o cemitério São João Batista estava lotado. Falou o reitor da Universidade do Brasil, Pedro Calmon. Falou o ministro Hermes Lima, em nome do presidente Goulart. Quando o caixão já se cobria de flores, pronto para descer, uma voz gritou lá de longe:

– Um momento!

E um desconhecido, cara modesta, voz trêmula, fez um discurso de arrepiar coveiro. Acabou assim:

– Desculpem, os senhores não me conhecem. Eu era o barbeiro do professor Lineu de Albuquerque.

Na saída, cada um dos presentes recebia o cartão de um desconhecido, cara modesta, voz trêmula. Era o barbeiro-orador.

O BARBEIRO

No enterro do poeta Augusto Frederico Schmidt, o cemitério estava também lotado. Falou Manoel Bandeira, da Academia Brasileira de Letras. Falou Francisco Parente, jornalista e poeta. Quando o caixão já se cobria de flores, pronto para descer, uma voz gritou lá de longe:

– Um momento!

E um desconhecido, cara modesta, voz trêmula, fez um discurso também de arrepiar coveiro. Acabou assim:

– Desculpem, os senhores não me conhecem. Eu era barbeiro do poeta Augusto Frederico Schmidt.

Na saída, cada um dos presentes recebia o cartão de um desconhecido, cara modesta, voz trêmula.

Era ele.

O MINISTRO

Sem ministro da Educação, em um segundo governo de dois meses, depois de inventar o slogan gaiato de “Brasil – Pátria Educadora”, a presidente Dilma sofre o vexame de não conseguir um nome para ministro.

O PT exige que o ministério seja dele. Mas não tem quem. Um partido que nasceu da rebeldia da intelectualidade nacional aliada aos movimentos sindicais não tem um nome à altura. Os que tinha perdeu. O senador Cristovam Buarque, o professor Paulo Delgado, que honrariam qualquer governo, foram isolados e tiveram que fugir do PT.

Agora Dilma tenta nomear Gabriel Chalita, um tapa-buraco. Mas é PMDB. E nomear alguém do PMDB o Cid Gomes iria pôr a peruca e dar um piti.

O Rui Falcão, mais urubu do que falcão, tenta desesperadamente arranjar um nome. Nem no Google. Petistas ainda sensatos temem que ele tente convencer a Presidente de que a saída é a do barbeiro do São João Batista: um dos cabeleireiros da Presidente. Ninguém é contra cabeleireiro.

CASA CIVIL

Não é só na Educação. A Presidente está engasgada também na Casa Civil. Lula, o proprietário da Presidente, exige que ela tire o Aloízio Mercadanta, isto é Mercadante, um peso pesado, e o substitua ao menos por um bigode menos arrogante.Mas ele é o ultimo amigo de Dilma no governo

Talvez a solução seja lembrar o sábio mineiro Negrão de Lima:

– “Política é a ordem natural das coisas”.

Por exemplo. Aloízio Mercadante é Mercadante da mãe mas é Oliva, filho do brilhante e então poderoso general Oswaldo Muniz Oliva, da Bahia, quatro estrelas, diretor da Escola Superior de Guerra. O filho dele, Aloízio Mercadante, bem poderia ser o ministro da Defesa. Ficaria em casa.

Mas iria desbancar o Jacques Wagner. E daí? Nome judaico, cabeleira judaica, pinta judaica, excelente negociador, bom de conversas, acordos e acertos, Wagner bem poderia ir para a Casa Civil, onde a Dilma está precisando de alguém que comande a articulação política.

Não cobro nada pela consultoria. Não sou Palocci nem Dirceu.

A GUERRA

Lula disse que se a oposição continuar criticando Dilma ele vai chamar e jogar na rua o Exército do Stedile “com suas botas engraxadas”. Uma semana depois, a Dilma vai ar Rio Grande do Sul e o Stedile lhe anuncia marchas, ocupações e invasões do MST no dia 7 de abril.

As redes sociais já haviam convocado novo 15 de março para 12 de abril. É a perigosa guerra das ruas oficializada pela estupidez do governo.

2 thoughts on “O cabeleireiro de Dilma

  1. Bom dia Sebastião.
    Concordo.
    E lhe cumprimento pelas referências a Cristóvão Buarque e Paulo Delgado.
    Grande Paulo Delgado. Culto, competente e HONESTO. Por isto, não ficou no PT.
    O conheci aqui em Muriaé, ocasião em que recebeu merecidamente, o título
    de cidadania Muriaéense. Foi professor de dois filhos meus.
    Seria um ótimo ministro, mas, como é sério, foi posto para fora do PT, assim como
    aconteceu com outros iguais. Ficaram só os ”petralhas”, ou com diz um amigo,
    os ”SISTEMÁTICOS” petralhinhas.
    Um abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *