O capitalismo, os socialismos e o projeto do ecossocialismo

Leonardo Boff
O Tempo

Uma das palavras mais difamadas na linguagem política neoliberal e capitalista é “socialismo”. Entende-se o porquê, pois ele comparece na história como um projeto alternativo à perversidade do capitalismo.

Alega-se que o socialismo nunca deu certo em nenhum lugar do mundo. Talvez uma das razões de manter o boicote à Cuba socialista por tantos anos da parte dos Estados Unidos se deva à vontade de mostrar ao mundo que o socialismo realmente não presta e não deve ser buscado como forma de organização da sociedade. E Obama teve que reconhecer que os EUA fracassaram. O capitalismo não é a única forma de organizar a produção e uma sociedade.

É forçoso reconhecer que aquele socialismo nunca foi o socialismo pensado por seus teóricos, há três séculos. Na verdade, era um capitalismo do Estado autoritário. Mas, se tomarmos como parâmetro critérios humanísticos, éticos e sociais mínimos, devemos reconhecer que o produtivismo, em geral, e o capitalismo também não deram certo.

ENRIQUECIMENTO ILIMITADO

Como pode dar certo um sistema que se propõe um mesquinho ideal de enriquecimento ilimitado, sem qualquer consideração? Devastou e continua devastando ecossistemas inteiros, desflorestando grande parte da área verde do mundo, envenenando os solos, poluindo as águas, contaminando o ar, erodindo a biodiversidade na razão de 100 mil espécies de seres vivos por ano, destruindo a base físico-química que sustenta a vida e pondo em risco o futuro de nossa civilização, suscitando a imagem tétrica de uma Terra depredada e coberta de cadáveres e eventualmente sem nós como espécie humana.

Esse sistema serve bem apenas a cerca de 2 bilhões de pessoas, que se afogam no consumo suntuoso e no desperdício atroz. Ocorre que somos já mais de 7 bilhões de pessoas, das quais quase 1 bilhão vive na mais canina pobreza e miséria. Mais ainda: os cálculos foram feitos, se esse sistema quisesse universalizar o bem-estar dos países opulentos, precisaríamos de pelo menos três Terras iguais a esta.

Que sistema atenderá as necessidades fundamentais da humanidade carente? Não será o capitalismo, que traz logo duas injustiças: a social, com a riqueza de poucos e a pobreza de muitos, e a ecológica, com a devastação maciça da natureza.

ECOSSOCIALISMO

Deixando de lado os vários tipos de socialismo, restringimo-nos ao ecossocialismo contemporâneo. Surgido nos anos 70, com Raymon Williams, James O’Connor, Manuel Sacristán e Michael Löwy, ele afasta-se dos socialismos anteriores e apresenta uma proposta radical que “almeja não só a transformação das relações de produção, do aparelho produtivo e do padrão de consumo dominante, mas, sobretudo, construir um novo tipo de civilização, em ruptura com os fundamentos da civilização capitalista/industrialista ocidental moderna”.

Os tópicos principais dessa proposta foram expostos no Manifesto Ecossocialista Internacional (2001), que deu origem à Rede Ecossocialista Internacional (2007). Na Declaração Ecossocialista de Belém (2007), se diz claramente: “A humanidade enfrenta hoje um escolha extrema: ecossocialismo ou barbárie…” Essa proposta se alinha ao que também propõe a Carta da Terra, aprovada e assumida pela Unesco em 2003.

Dentro de pouco, seremos todos ecossocialistas não por opção ideológica, mas por razões matemáticas: dispomos apenas de escassos bens naturais com os quais devemos atender a toda a comunidade de vida. Ou repartimos tais bens com um mínimo de equidade entre todos, ou não haverá uma Arca de Noé que nos salve. É vida ou morte.

40 thoughts on “O capitalismo, os socialismos e o projeto do ecossocialismo

  1. O sr Leonardo, cada vez mais demente. Tudo aquilo que ele fala mal do capitalismo se aplica indelevelmente ao comunismo que ele tanto defende. Cuba, antes de ser um país socialista é um país comunista e, se, no embargo americano a Cuba, alguém perdeu, então foram os Castros e os cubanos, estes, em decorrência da miserabilidade do povo. Mas, o sr Boff, quando visita Cuba, vai direto ao palácio do governo, onde os bons vinhos são servidos.

  2. O Leonardo precisa aprender, se é que já não sabe, ou entender que Cuba nunca foi “socialista” e sim “comunista”, segundo seu “ex-presidente”, o “ex-ditador” e ainda ícone das esquerdas Fidel Castro.
    Segundo a Novilingua de Orwell, socialista passou a significar comuniista

  3. Vamos começar a socializar pelo capital da igreja católica. A multinacional mais rica e poderosa do mundo. Vamos distribuir todas as terras, casas, apartamentos e bens que as suas filiais – dioceses – têm.

    • Tenho certeza que o senhor é míope, ou está faltando parafusos, se a igreja catolica tivesse todo esse poder já teria resolvido todos os problem as da humanidade

  4. Em Cuba não se bebe vinho. Nem no tempo de Batista. Lá os apreciadores de álcool tomam mojito, uma espécie de caipirinha de rum ou o próprio rum puro. Hoje, os maiores bebedores de vinhos estão na China, nos jardins em SP e na zona sul do Rio, bando de cafonas novos ricos metidos a falar de “bouquet” e que são conhecidos como otários gastadores nos poucos liquor stores que sobraram no midtown Manhattan, em Nova York, dos muitos que havia nos anos 70. Nem o inglês endinheirado é bebedor de vinho. São os maiores consumidores de champagne francês, que sai muito mais barato que em Paris. O duro, então, é cervejeiro daquela preta amarga. Detalhe: eles não engordam porque tomam cerveja pura, isto é, sem petiscos como os barrigudos brasileiros.

  5. Não leio, nada deste senhor, e não li este artigo, mas posso dizer com certeza, que este cidadão está excomungado, pela igreja católica, bula papal de PIO XII: todos católicos simpatizantes e colaboradores de regimes comunistas e socialistas, serão excomungados, foi confirmada com João XXIII, até hoje não revogada. Só li os comentários.

  6. Analisando a inteligência com visão global de Leonardo Boff, através de seus textos publicados, podemos praticamente concluir:

    – “Dessa toca não sai coelho”!

  7. Vamos respeitar a liberdade de imprensa, mas os artigos deste demente, alienado. Acho que este cara sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo, pois esta sempre repetindo as mesmas coisas. Como este cara vem falar de enriquecimento ilimitado, acho que este imcomPTente não sabe que o seu grande ídolo Fidel, é uma das pessoas mais ricas do mundo.

    http://www.dailymail.co.uk/news/article-2637927/Castro-commie-hypocrite-lives-like-billionaire-Hes-posed-man-people-But-new-book-reveals-Cubas-leader-led-life-pampered-hedonism-fortune-big-Queens.html

    https://amte.wordpress.com/2009/10/03/is-fidel-castro-one-of-the-richest-men-in-the-world/

    Sempre fui um defensor do meio ambiente. Mas este cara é um analfabeto pois não lê o que os comunistas fizeram com o meio ambiente. Num artigo anterior deste petralha, alguns comentários foram feitos sobre que os comunistas fizeram na Rússia:

    mar de Aral: http://www.columbia.edu/~tmt2120/introduction.htm

    jogos olímpicos de Sochy: http://ecowatch.com/2014/02/12/reasons-sochi-olympics-environmental-disaster/

    teste nucleares e outros desastres: http://www.robedwards.com/2010/12/the-soviet-environmental-disasters-that-could-come-to-haunt-us.html

    vazamento de óleo: http://www.greenpeace.org/international/en/campaigns/climate-change/arctic-impacts/The-dangers-of-Arctic-oil/Black-ice–Russian-oil-spill-disaster/

    Dorival Caymmi e seu sucesso, Maracangalha cantava:

    Eu vou prá Maracangalha
    Eu vou!
    Eu vou de liforme branco
    Eu vou!
    Eu vou de chapeu de palha
    Eu vou!

    Por que este cara não pega seu chapeu de palha e não vai morar naquela ilha maravilhosa.

  8. Para os não-socialistas, o sucesso de alguém é avaliado pelos parâmetros da meritocracia. Já para os socialistas, a medida do sucesso é a capacidade de produção de besteiras. Só assim se pode explicar a importância dada pelo pessoal, digamos, de “esquerda” a criaturas tão limitadas, tão dissimuladas e tão incapazes de raciocínios lógicos e coerentes como Boff, Sader, Chauí, Santayana et caterva.

    Aliás, essa guinada de Boff para o tal “ecossocialismo” é muito bem analisada frequentemente no blog “Verde: a cor nova do comunismo” (http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/). Vale uma visita.

  9. Respeito os comentários acima criticando mais uma vez Leonardo Boff.
    Tenho sido um deles quando o ex-frei defende o PT de forma intransigente, alegando que houve avanços sociais importantes quando este partido ascendeu ao poder.
    No entanto, entendo que números mascarados pelo governo e o Bolsa Família não podem ser considerados progressos neste sentido, a começar pelo endividamento dos brasileiros e porque receber uma sacola de alimentos e algum dinheiro a cada mês seja avanço, ao contrário, a meu ver trata-se de condenação à miséria.
    Mas, o artigo em tela é verdadeiro, e alerta sobre o perigo que corremos se não levarmos em conta a Natureza, se continuarmos a devastá-la, se não obedecermos ecossistemas, se não cuidarmos da quantidade de poluentes jogados no ar e mar!
    Boff tem plena razão nesta sua previsão, a começar com o degelamento, que é uma verdade, milhares de animais que já foram extintos e que estão ameaçados, florestas inteiras que foram dizimadas, desertos nascendo da noite para o dia, a escassez de água, a nossa dependência de produtos químicos altamente tóxicos e do petróleo com a sua enorme responsabilidade sobre a poluição global.
    Assim como na economia, no orçamento doméstico, quando lançamos mão do cheque especial e entramos no vermelho, usamos as nossas reservas, que se não repostas os juros nos comem uma perna. Pois, nós, os terráqueos, estamos explorando as nossas reservas planetárias irresponsavelmente, e teremos de, cedo ou tarde, pagar o ônus deste procedimento suicida, que não será em dinheiro, mas através da própria vida!
    Acredito que fizemos as experiências necessárias usando o planeta, tais como a energia atômica, a Química, venenos agrícolas, usinas, siderúrgicas, automóveis, caminhões, hidrelétricas, termelétricas, ou seja, já poluímos o que podíamos em nome do desenvolvimento material, do conforto, ciência e tecnologia, agora, de que nos adiantará este progresso se o nosso destino será o nosso desaparecimento?
    O homem dando cabo do próprio homem?
    Ou, o mais grave, o homem sendo morto pelo seu próprio desenvolvimento?
    Boff escreveu um artigo interessante, e que devemos levá-lo em conta em razão do rumo que implementamos às nossas vidas e, em consequência, para esta espaçonave que nos mantém no Cosmo que, se mal tripulada, dará fim à espécie humana e toda e qualquer forma de vida existente.
    Minha questão final:
    Se não fomos nós que construímos este planeta belíssimo, maravilhoso, temos o direito de extingui-lo?!

    • Você escreveu sobre o respeito ao meio ambiente e concordo. Talvez muito dos males que sofremos venham em razão da destruição na natureza. Pois com relação a este artigo, discordo do que ele escreveu. Pois, não foi só neste artigo em que ele responsabilizou o capitalismo pela destruição da natureza. Em outro artigo publicado neste mesmo site ele escreveu a mesma coisa. Não citou nada com relação a destruição da natureza na Rússia. Existem diversos exemplos deste descaso com a natureza na Rússia. Quanto na realidade sabemos ou saberemos do que aconteceu na Rússia com relação a problemas ambientais.

      • Jorge,
        Não interessa se capitalismo ou comunismo ou socialismo poluem mais ou menos o planeta.
        A Terra está sendo devastada por todos, indistintamente.
        Não vem ao caso a tendência política de Boff, a verdade é que este artigo que ele escreveu é incontestável.
        Aliás, não somente o ex-frei vem alertando sobre esta questão, mas os cientistas, a ONU, o pessoal ligado ao meio ambiente.
        Penso que devemos ser superiores aos aspectos políticos e sociais, e nos preocupar com a forma que estamos preservando esta nave que nos abriga no Universo, e que não foi encontrada outra sequer parecida com ela por aqueles que perscrutam os céus, razão pela qual temos a obrigação pelo menos de mantê-la para nossos filhos e netos!

        • Muito bem Chicão Bendl. Ecologia é sobrevivência da Espécie Humana. Observo que as Direitas, Esquerdas e Centros não estão nem aí para a confusão climática que se avizinha (falta d’água etc). Imediatistas, Incrédulos quanto à questão ambiental, agem Irresponsavelmente.

          • Rocha, meu amigo,
            Grato pelo apoio.
            Chegou o momento de cuidarmos do nosso planeta, pois ele está se exaurindo.
            E não existem sistemas ou regimes que consigam salvá-lo, a não ser a consciência de cada passageiro desta nave que nos conduz há milhões de anos (refiro-me desde a época que surgimos na Terra, e não a idade do planeta).
            Se o comunismo, socialismo ou capitalismo não resolveram nossos problemas porque sempre comandados pela vaidade do ser humano, temos de nos despir desta arrogância e admitir que somos parte da natureza e os mais frágeis!
            Dois exemplos são incontestáveis do quanto somos insignificantes diante desta nossa força:
            O tsunami em 2004, filmado ao vivo, e com mais de duzentos e cinquenta mil mortos e, o mesmo no Japão, em 2011, igualmente ao vivo e que aniquilou com mais de vinte mil pessoas.
            Semana passada, um terremoto, no Nepal, matou mais de sete mil pessoas.
            E não queremos dar importância à Natureza?
            Um forte abraço, Rocha.

    • Tudo bem, Bendl. Devemos todos cuidar mais do planeta, é claro! Mas daí a Boff dizer que “a humanidade enfrenta hoje um escolha extrema: ecossocialismo ou barbárie” vai uma diferença grande.

      Um comentário hoje sobre o Roda Viva com Demétrio Magnoli me chamou atenção:

      “Só quem é de direita pode ser contra o casamento gay? Só quem é de esquerda pode ser contra a redução da maioridade penal? Só quem é de direita pode querer revogar o estatuto do desarmamento? Só quem é de esquerda acha o respeito aos direitos humanos algo importante? Só quem é de direita defende a meritocracia? Só quem é de esquerda quer combater a discriminação racial, sexual ou social?”

      Eu acrescentaria: Só a direita polui o mundo? Só a esquerda tem a solução?

      É justamente esse maniqueísmo da esquerda exibido por Boff no artigo que acaba protelando qualquer solução. A humanidade não precisa ser submetida às retroações impostas pelo socialismo para resolver este ou qualquer outro tipo de problema. Muito pelo contrário, o mundo precisa cada vez mais de tecnologia como, por exemplo, a que possibilitou recentemente à fábrica de automóveis Audi criar um “diesel” composto de água, ar e gás carbônico (que é absorvido do ar e eliminado sob forma de outros compostos não-poluentes), que pode ser adicionado ao óleo diesel tradicional ou ser usado como único combustível, ao custo, já módico, de 1,50 euros (o óleo diesel sai a 0,60 euros na Europa).

      • A notícia completa sobre o diesel que usa apenas água e ar, em O Globo, fonte mais confiável que a que eu havia lido, com correção dos preços que foram citados por mim

        A Audi anuncia que conseguiu criar o primeiro lote do líquido “e-diesel” em um centro de pesquisas na cidade de Dresden, Alemanha. O combustível em questão é um tipo de diesel sintético feito a partir de ar e água. E só…

        Na usina piloto de Desden, todo o processo é tocado por energia elétrica obtida por geração eólica ou solar. Em um tanque, a 800°C, é feita a eletrólise da água, que é decomposta em oxigênio (liberado na atmosfera) e hidrogênio (enviado a um reator).

        Ao mesmo tempo, filtros especiais de ar capturam moléculas de dióxido de carbono no meio ambiente. É o conhecido gás carbônico ou CO2 (apontado como um dos grandes vilões do efeito estufa). O CO2 é então mandado para o mesmo reator que o hidrogênio.

        O gás de síntese resultante da mistura do dióxido de carbono com o hidrogênio é, então, processado em duas etapas (usando alta pressão e alta temperatura). O resultado da reação é um líquido que os pesquisadores chamam de “Blue Crude”, comparável ao óleo cru – ou petróleo em estado natural.

        Para ser usado em motores, o “Blue Crude” é levado a uma refinaria e transformado em e-diesel, um combustível com balanço de carbono neutro. Os criadores dizem que, além de limpo, o e-diesel tem muito mais eficiência energética do que combustíveis fósseis.

        O método tem tudo para agradar aos ecologistas: dispensa o uso de combustíveis fósseis, captura CO2 da atmosfera e resulta numa queima mais limpa, já que o e-diesel não contém enxofre ou outros elementos contaminantes.

        – O motor trabalha mais silenciosamente e há menos emissões de poluentes – diz Christian von Olshausen diretor técnico da Sunfire GmbH, empresa que desenvolve o processo para a Audi.

        A Audi afirma que o e-diesel pode ser misturado a combustíveis fósseis ou usado como único combustível.

        Na semana passada, Johanna Wanka, ministra alemã da Educação e Pesquisa, pôs cinco litros do e-diesel em seu carro oficial (um Audi A8) e declarou que o projeto é um sucesso.

        – Se conseguirmos ampliar o uso do CO2 como matéria-prima, daremos um passo importante para a proteção ao clima e ao uso eficiente de recursos – disse a ministra.

        A Sunfire afirma que produzirá 160 litros de e-diesel por dia em sua fábrica piloto. A meta da empresa é construir uma usina maior e poder vender cada litro por algo entre € 1 e € 1,20, dependendo da origem da energia elétrica usada (em grandes quantidades) no processo. Na Alemanha, o litro da gasolina comum sai por € 0,60. Todos os valores citados aqui não levam em conta os impostos.

        • De novo esses “capetalistas” alemães inventando confusão para os países socialistas. Como vai ficar o amigo caindo de Maduro na sua Venezuela que depende exclusivamente do petróleo para manter seu exército de inúteis ? O companheiro Fidel vai quebrar o galho dele ?
          Eu, se fosse o caindo de Maduro, declararia guerra à Alemanha. Lógico, primeiro aos EUA.

      • Froes,
        No meu comentário excluí o aspecto politico, como percebeste.
        Se o socialismo é a solução para Boff ou foi o capitalismo que nos deixou nesta situação não me interessou.
        A verdade é que devemos cuidar do planeta, haja vista que sistemas e regimes políticos, econômicos e sociais não resolveram as questões que afetam a Humanidade.
        A Terra, sim, uma vez devastada acaba conosco, e tanto faz ser comunista, socialista, capitalista, ateu, crente …
        Portanto, esta discussão deve ser colocada acima destas questões, pois a Natureza nos tem como parte dela, e não distingue o ser humano pelas suas crenças ou tendências, mas como seres transitórios, que podem viver bem se nós a consideramos ou morrer se a abandonarmos.
        Não se tem escolha.
        Um abraço, Froes.

        • Pois é, Bendl, mas você há de convir que com os socialistas ” tomando conta da parada”, esta discussão nunca vai “ser colocada acima destas questões” (políticas).

  10. Parabéns, Sr, Francisco Bendl, pelas suas frias, objetivas e inatacáveis análises sobre o artigo principal e suas inquietantes perguntas.

    Comentário fino, é outra coisa…

  11. Cordioli, meu caro,
    Obrigado pelas palavras gentis.
    Penso que, em certos casos, somos obrigados a nos manter neutros, de modo que possamos analisar com independência questões que envolvem a continuação da espécie humana.
    Recebo fotos do exterior que dão conta do nível absurdo de poluição na China, Índia, aqui, no Brasil, com lixões a céu aberto, rios sendo mortos pela irresponsabilidade empresarial, que jogam os dejetos de suas indústrias onde as cidades se abastecem de água, matas sendo devastadas para plantio, no lugar de se melhorar as colheitas e as perdas no transporte.
    Não entendo como a maior cidade da América Latina e uma das maiores do mundo, a nossa São Paulo, não resolve a poluição do Tietê, da mesma forma a minha Porto Alegre com relação ao nosso Guaíba, Sinos, Taquari, Jacuí …
    O artigo acima, Cordioli, me fez pensar em algo que me passava despercebido:
    Comentamos várias vezes durante o dia sobre a corrupção que infesta o nosso País. Cobramos e exigimos mudanças no comportamento de nossas autoridades, que hoje se encontram em crises morais e éticas, e sem qualquer credibilidade por parte da população. No entanto, esquecemos de reclamar e com veemência, quanto ao descaso sobre nossos rios, matas, preservação do solo, meio ambiente …
    As desculpas são sempre as mesmas, que não há dinheiro.
    Ora, mas como o governo explica os gastos faraônicos com despesas sem necessidade?
    E o Legislativo, perdulário e irresponsável, corrupto e inútil?
    Bilhões de reais consumidos pela corrupção e desonestidade e não temos verbas para despoluir a água que bebemos?
    Que poderíamos nos banhar aos fins de semanas?
    Que poderiam ter peixes e nos alimentarmos?
    Evidente que o povo tem a sua parcela de culpa, e não é pequena, entretanto, como conscientizar cidadãos sem estudos, haja vista que mais de sessenta por cento do brasileiro é analfabeto funcional, e treze por cento analfabeto total?!
    Não sei, Cordioli, mas acho que estamos nos encaminhando para um final trágico, para um planeta devastado, e que terá poucos sobreviventes como testemunhas da nossa barbárie, do crime que cometemos contra nós mesmos.
    Boff tem razão, independente se ele é socialista, comunista, petista … não importa, pois ele escreveu verdades!
    Um abraço, meu caro, e reitero meus agradecimentos sobre o teu comentário a meu respeito.

  12. A seita comunista: quando os fatos não importam. Ou: Verissimo e a ganância socialista
    Que o comunismo em geral e o marxismo em particular podem ser considerados seitas religiosas, vários pensadores notaram. O principal deles talvez seja Raymond Aron, que chamou o marxismo de “ópio dos intelectuais”, em alusão ao “ópio do povo” que o próprio Marx usava para se referir às religiões tradicionais. Mas houve vários outros, como Schumpeter, por exemplo, que associaram o comunismo a uma seita fanática que tentava substituir as religiões tradicionais com ares científicos (pseudo-científicos, na verdade).

    Pois bem: agora temos a prova definitiva, cabal, irrefutável dessa postura de seita no comunismo. É verdade que o Mausoléu de Lenin já era tal prova, ou a reverência com que os seguidores tratam o “profeta” Marx. Mas esqueçam tudo isso. O grau de idolatria religiosa chegou ao ápice com essa notícia, divulgada na coluna de Ancelmo Góis:

    O pessoa da Juventude socialista está distribuíndo frascos com terra do Araguaia.
    Amuleto religioso.

    Não é incrível? É por essas e outras que um típico comunista está totalmente blindado contra os fatos, os argumentos lógicos, a experiência histórica. Ele é um crente fanático, que crê no comunismo porque absurdo, independentemente de qualquer refutação teórica ou empírica. Ele precisa acreditar no comunismo, pois essa é sua única boia de salvação. Sem ela, ele não é ninguém, não passa de um desamparado que mal consegue se olhar no espelho. É sua fé irracional no comunismo que alenta seu fraco coração, fazendo-o se enxergar como uma nobre alma preocupada com os pobres e oprimidos.

    Querem um exemplo? Leiam a coluna de Verissimo hoje no GLOBO (não acharam que eu deixaria o filho do Erico em paz só por estar longe, acharam?). Verissimo condena a “ganância”, para ele diretamente associada ao capitalismo. Ou seja, o crente Verissimo não entendeu ainda que a ganância é do ser humano, inclusive dele próprio, que é bastante rico, e não fruto do capitalismo. Ele precisa monopolizar as virtudes no discurso para conseguir se olhar no espelho e ainda acusar os outros de hipocrisia!

    Mas vejam que ironia: logo abaixo de sua coluna há um artigo da mulher de Leopoldo López, Lilian Tintori. Ela faz um apelo desesperado pela ajuda dos brasileiros, em especial da presidente Dilma, pois seu marido foi preso injustamente por fazer oposição ao governo Maduro. É um preso político numa tirania, numa ditadura disfarçada de democracia popular. Diz ela:

    Maduro desmantelou sistematicamente nossas liberdades fundamentais, a liberdade de expressão, de associação, de imprensa e de opinião, e a mais fundamental: o direito à vida, porque a cada 20 minutos morre um venezuelano por causa da violência. Meu marido crê que o povo venezuelano merece um futuro melhor, de paz, prosperidade e bem-estar.

    O principal argumento do governo é que a conclamação de Leopoldo tinha mensagens “subliminares” para provocar violência. Este argumento caiu quando a principal testemunha de acusação, uma especialista filiada ao Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e com doutorado em Linguística admitiu que “as mensagens de López não são subliminares; são claras, diretas e específicas. Pedem a não violência. Nunca houve um chamamento à violência por parte de López”. Sem esta evidência não há caso.

    A Venezuela foi apenas mais uma tentativa de emplacar o socialismo, e deu no que deu: miséria, escravidão, violência. Os “intelectuais” como Verissimo eram muito simpáticos a mais essa tentativa, e agora ficam calados, mudando de assunto, como se não tivessem nada a ver com mais esse retumbante fracasso. O lance é atacar a ganância capitalista, e ignorar o resultado do “altruísmo” socialista.

    Maduro e Lula, segundo Verissimo, não são nada gananciosos. São seres abnegados que só pensam nos mais pobres, pois defendem o socialismo. Pergunto: o quão cego deve ser o sujeito para repetir tais ladainhas? Pergunto, ainda: será que Verissimo vai usar parte de sua imensa fortuna capitalista para comprar um dos frascos com um pedaço do Araguaia?

    PS: Enquanto Verissimo ataca a ganância capitalista e vive como um ganancioso capitalista, vejam como vivem esses legítimos capitalistas bilionários. Sergey Brin, cofundador do Google, doou só em 2013 mais de US$ 200 milhões, recusa-se a deixar comida no prato e faz compras da rede varejista de baixo preço Costco. Será que Verissimo é mais frugal e espartano, sem falar da filantropia?

    Rodrigo Constantino

  13. Que o ecossistema é necessário para a existência da vida, a nossa inclusive, isso é óbvio. Afinal a gente não faz fotossíntese!
    Mas o que vejo nas entrelinhas do texto é a criação de um argumento que parte de uma premissa unânime, que é a proteção do meio ambiente, para depois jogar toda a culpa do que é ruim em cima do mercado, como se o mercado deliberadamente estivesse destruindo as florestas, poluindo os rios, comendo os índios…
    É típico deles agirem assim. Típico dos progressistas. É assim com a pobreza, com a fome, com as crianças abandonadas, com as mulheres que apanham, com tudo. Tudo que é nojento eles unem dentro de um mesmo saco e jogam pra cima do capitalismo. E não obstante, impõem-se como os puros, os donos da verdade, como se só eles lutassem por um mundo limpo e cheiroso, como se só eles fossem os amantes da liberdade, como se só eles fossem os que sentem compaixão das crianças que comem barro pisado… E novamente: a culpa do mundo fedorento, a culpa do mundo opressor, a culpa das crianças comerem barro amassado é pura e única e deliberadamente culpa dos ambiciosos capitalistas. Isso é sacanagem! É brincar com a inteligência alheia. Um desrespeito pelas pessoas de bem, que querem apenas trabalhar e viver a vida decentemente.
    Essa gente não presta. É maldosa. São uns miseráveis de espírito. Vivem num era pré-civilização. Fazem tudo pra chamar atenção. São os piores. E são muitos. E têm voz e vez. Parecem ter um poder infinito. São a expressão da hipocrisia. A expressão do orgulho. São uns recalcados. Uns fracassados que não querem se assumir. Que tudo que têm é o ódio contra a humanidade. Já estão mortos moralmente, só não querem assumir. Têm ódio de tudo que é verdadeiro, de tudo que é real, pois a verdade lhes machuca, a verdade lhes persegue. Por isso insistem em culpar os outros, querem que os outros se submetam a sua vontade, querem que os outro se submetam a seus caprichos. Não é apenas concordar; é se submeter mesmo.

  14. Prezado Francisco Menezes,
    Lá pelas tantas, acho que o homem se dá muito valor, mas não vale o que imagina.
    Citei, acima, alguns desastres naturais que mataram milhares de vidas em minutos, e que foi filmado a força da Natureza que levava de roldão o que havia pela frente.
    O ser humano é frágil, tanto na sua estrutura física quanto mental.
    Imaginamos que temos poder, que sabemos, que controlamos, que evitamos … mas não é verdade. Iludimo-nos com o que não somos, e abandonamos a realidade de nossas limitações.
    Dito isso, meu caro, não vem ao caso quem acusa quem, pois o importante é sabermos se todos nós queremos sobreviver ou deixar o planeta para nossos filhos e netos.
    No futuro não haverá disputa política e econômica, mas a luta pela sobrevivência.
    Encontrar comida e água será a nossa função da manhã à noite. Não haverá bancos, financeiras, dinheiro, socialismo, comunismo, capitalismo … todos nós estaremos preocupados em viver no planeta que destruímos, e que o deixamos sem condições de nos garantir mais a vida!
    Desta forma, as acusações de Boff sobre o capitalismo é apenas retórica, pois quem destrói a Terra são os humanos, é o homem e sua ganância, o homem e seus defeitos, o homem e a sua mente poluída.
    Justamente pelas nossas limitações e não nos darmos conta que somos frágeis perante a Natureza, que nossos planos de um mundo melhor jamais tiveram a Natureza como preocupação, simplesmente um erro clamoroso, haja vista que somos a Natureza, mas ela é muito mais forte, e poderia impedir que seguíssemos em frente porque a ignoramos.
    Boff pode acusar quem quiser pela poluição, mas a verdade é que nos encaminhamos para um fim trágico, dramático, de muito sofrimento, então quero ver como vão se comportar os que defendiam seus pontos de vistas políticos e econômicos, sociais e religiosos, diante da escassez, de não se ter comida e água.
    Um abraço, Francisco.

    • Francisco, não seja mais um inocente na mão destes comunas imundos, uma das bandeiras destas seitas, é o nosso ecossistema, como se fossem os guardiões dele, garanto a você, que se o mundo acabar, não será por essa razão, e sim pelas guerras, que eles travam contra as nações civilizadas

      • Walter,
        Acho que não me deixo mais levar por movimentos quaisquer, mas a realidade é que tem sido a minha mola propulsora.
        Não podemos negar que não cuidamos devidamente deste planeta.
        Podemos ser o que quisermos; podemos ter várias vidas; podemos reencarnar, conforme algumas religiões; podemos mudar de partido, até mesmo trocar de mulheres, porém jamais vamos poder mudar de planeta!
        Fomos condenados, por assim dizer, a viver e morrer na Terra.
        Se em condições excelentes ou não, a decisão é nossa e, pelo que constatamos, não tem sido uma boa decisão, ao contrário, pagaremos caro porque fomos imprevidentes e irresponsáveis para quem nos garante simplesmente a vida!

    • SR. BENDL,

      Sem dúvida compactuamos o mesmo pensamento neste ínterim.
      Claro, é o homem que está se destruindo a cada vez que leva uma floresta ao pó, fazendo assim a raridade do ar dos próprios pulmões.
      E sou crente da nossa fraqueza frente à força da natureza. Afinal o que nos humaniza é a fraqueza. Isso pra mim é medular.
      Se já partíssemos deste princípio o diálogo sem dúvida correria mais frouxo e produtivo.
      O que critico em Boff é que ele vem exatamente na contramão. Ele procura rachar a humanidade em culpados e vítimas. E isso atrapalha sobremaneira o diálogo, pois retarda reconhecer que a realidade é que o problema é de todos nós. Não é por que eu, sei lá, recicle casca de banana que seja menos culpado que o diretor de produção do grupo Rockefeller… Entendes? O que Boff propõe é um racha. Impõe uma barreira ao debate.
      O princípio da resolução de um problema é diagnosticá-lo. Para reconhecer precisa se abstrair, precisa de humildade, precisa aceitar o problema. Ora, se você não quer enxergar a realidade, mas sim usá-la como forma de autoproclamação como único defensor dos ovos das tartarugas da Antártida, isso só desgraça o que já desgraçado está…
      O que precisamos é de propostas, de autorreconhecimento. Não precisamos de quem aponte o dedo pra quem é ou não culpado. Se um industrial tem uma fábrica que polui além da conta, ele não é o único culpado… A culpa dele é de nós todos, pois somos nós os consumidores o motivo da produção.
      Logo, acho que o articulista não contribui com julgamentos arbitrários. Precisamos de santos, mas o princípio da santidade é a humildade, e o princípio da humildade é reconhecer que somos fracos e realmente os responsáveis por nossas fraquezas e erros, afinal a fraqueza é o que nos humaniza…
      Por isso o texto acusativo de Boff é desprezível!

      Abraço!

      • Meu caro Francisco Menezes,
        Mais uma vez não estamos sendo oponentes nesta questão, pois pensamos igual neste particular.
        Tu te ocupaste com as acusações de Boff, que não te contesto as razões e, eu, com o alerta a respeito da poluição global.
        Acho que a preservação da Terra é mais importante que o capitalismo e socialismo, conforme deu a entender o ex-frei, ao culpar um sistema econômico como o único responsável pela miséria e problemas com ecossistemas.
        Se ele errou ao exagerar nesta sua acusação, não me detive neste aspecto, mas apenas com relação à sobrevivência do planeta e nossa, em decorrência.
        Desta forma, acredito que devemos deixar de lado as discussões políticas e nos concentrarmos mais em haver futuro para a Humanidade, especificamente com relação à manutenção do planeta para que ele continue servindo as gerações futuras com alimentos e água ou, então, o nosso fim será mais rápido e tenebroso que imaginamos.
        E não se trata de uma visão pessimista, mas real, palpável, conhecida de todos.
        A Terra está com problemas, e não estamos nos movendo para resolver os seus pedidos de ajuda, de mais cuidados com ela, de mais atenção, que se refletirão em nós mesmos as omissões e negligências quando percebermos mais pessoas com fome e sede, mais desertos, menos terras cultiváveis, menos rios …
        Outro abraço, Francisco

        • Pois é, Sr. Bendl,
          Não tenho nada a contestar do seu pensamento. Sua preocupação é a preocupação comum aos homens de boa vontade. E discutirmos esse problema se faz sim necessário. Agora tenhamos certeza também que existe um certo alarme no que vem sendo noticiado. Isso, alarme. Por que digo isso? Por que a ecologia virou um dos últimos refúgios da ala progressista. Eles já provaram que em tudo são incompetentes. E como a ecologia é uma pedra no sapato das nações desenvolvidas, tem havido uma famigerada apelação no sentido de se aumentar e culpar essas nações por tudo que há de errado. Sejamos preocupados, mas não nos desperemos assim. Já temos tecnologias e instrumentos suficientes para superar essas catástrofes que dizem ser anunciadas. Ora, a questão da água. Mais de 60% da superfície terrestre está coberta por água, maior parte salgada, mas já existem mecanismos supra-eficientes capazes de transformar uma água saudável em potável. Ainda sobre a água, mesmo a potável ela não tem sido perdida como se supões, apenas tem sido poluída, mas todos somos conhecedores que medidas de saneamento, sistema de esgoto eficiente são capazes de reaproveitar até 100% da água estragada em determinada conjunto social. Isso só prova que não estamos tão ruim das pernas assim, o que temos são políticas públicas em frangalhos. Mesmo aqui no Brasil temos bons exemplos, como em Curitiba. Tenho amigos da faculdade que são de lá e que endeusam o sistema de saneamento da cidade. Se algum curitibano estiver lendo ele próprio pode dar seu testemunho. Quanto ao desmatamento, árvore destruída é uma coisa contornável. Curitiba mais uma vez é um exemplo de que mesmo num terceiro mundão é possível conciliar urbanização e arborização. Sem falar que uma floresta desmatada pode ser reflorestada em questão de duas três décadas. A humanidade não vai desaparecer em tão pouco tempo. Sem falar que a maior parte do nosso oxigênio não vem das florestas mas sim dos ecossistemas marinhos.
          Quanto às formas de energia, ora isso não é problema. Temos muitas formas seguras e eficientes e baratas. Veja a energia solar, veja a eólica, veja a energia nuclear (isso mesmo, a nuclear, ao contrário do que dizem é superssegura). Quanto à poluição urbana, o grande problema é a frota enorme de veículos. Isso se resolve facilmente com políticas de transporte público. Sabe o que falta mesmo, Seu Bendl? Boa vontade. E é nesse espaço de má vontade que os aloprados como Boff se alopram. É nesse espaço de preocupação que esse tipo de gente se aproveita pra vender seus preconceitos e vomitar suas acusações. Quando critico Boff estou criticando toda a laia dele. Se fosse só ele…
          Não se preocupe. No futuro seus netos não ficar brigando por água não. Vamos sim ter água, somo o planeta da água. No futuro seus netos não vão ficar brigando por um pedaço de pão não: eles vão ter pão e em abundância, pois só ver a tecnologia dos transgênicos, que depois de décadas só tem mostrado bons resultados, divergindo mais uma vez o que as antas que de nada entendem tanto falaram de mal. Fique calmo. Os documentários da bbc só fazem mal. São produzidos pra serem exportados pro terceiro mundo. Sabe qual a nossa maior preocupação no momento, sabe o que o senhor precisa fazer para garantir vida de fartura de água e alimento pros seus netos? O senhor só precisa usar essa sua inteligência pra desbancar de uma vez por todas gente como Boff.

          • Caro Francisco,
            Quem me dera ter nascido com a inteligência de Leonardo Boff, quem me dera!
            Certamente eu não escolheria o PT, pois eu seria neutro em questões políticas, mas estudaria mais profundamente o ser humano, e tentar descobrir por que razão buscamos a felicidade onde ela não existe.
            Quanto ao nosso planeta, nada a contestar da tua resposta ao meu último comentário endereçado a ti, nada.
            Apesar de uma certa preocupação lá pelas tantas exagerada, não deixa de ser válido o alerta.
            Agora, interessante que hoje á tarde eu estava vendo um belo e curioso documentário sobre a Transiberiana, a maior linha de ferro do mundo, ligando o leste com o oeste russo, Moscou a Vladivostok, um trecho de mais de onze mil quilômetros de extensão.
            Sete dias de viagem dentro de um trem confortável, para quem vai de primeira classe, logico.
            Paralelamente a essa viagem, uma reportagem sobre o Lago Baikal, o de maior profundidade do mundo, com mais de 1,6 km na sua parte mais funda.
            Pois esta reserva d’água corresponde a 20% de toda a água doce existente no planeta!
            E é a mais pura encontrada, comprovados pelos blocos de gelo absolutamente transparentes, uma paisagem fantástica.
            Nós, na América do Sul, temos o Aquífero Guarani, um manancial subterrâneo de água de grandes proporções, afora os nossos rios imensos, com destaque para o Amazonas.
            À primeira vista, de fato, não haveria preocupações com a água, no entanto, o problema é que podemos poluí-la, torná-la não potável, bastando que contaminemos o solo.
            Enfim, na razão direta que devemos ficar atentos, admito que temos alternativas de energia e de continuar subsistindo neste planeta por muito tempo, mas não custa volta e meia avisar do quanto desperdiçamos desnecessariamente.
            Mais um abraço, Francisco.

  15. A seita comunista ou socialista, tem como vertente principal a negação Deus e consequentemente a Cristo, tanto é verdade, que Marx, antes de escrever os fundamentos do comunismo, dedicou-se a escrever sobre a não existência de Deus, donde se concluí, toda a essência destas seitas, ora comunista, ora socialista, são forças satânicas. E não há duvida deste caráter maligno, haja visto, que para implantar o comunismo, na Russia, China, Coréia do Norte, Cuba e mais alguns, morreram nada menos que 100 milhões de pessoas. Os comunistas mataram mais que a primeira e a segunda guerra mundial. O meu espanto, é ver os Boffs, Bettos e por fim a CNBB, apoiar e trabalhar para essas seitas. E para terminar todos automaticamente estão excomungados, se tiverem alguma duvida, consultem na internet, a bula papal de PIO XII, o Papa, percebeu com clareza e clarividência, as forças do mal, que representam estas seitas

    • Walter,
      A questão ultrapassou os aspectos políticos e sociais, repito.
      Temos de prestar atenção é na sobrevivência do Planeta, e nossa, em consequência.
      A nossa espaçonave está sendo devastada, que é uma verdade indiscutível. Nesse ritmo, não haverá mais como plantar e colher; não teremos mais água para todos; não haverá mais frutas e verduras porque o solo está contaminado de defensivos agrícolas e, a monocultura, exauriu a terra. O ar contaminado, chuva ácida em profusão, aquecimento global, clima completamente alterado – não importa o que foi no passado o comunismo e seus assassinatos, importa se teremos futuro desta forma!
      Ora, se as religiões não resolveram a paz interior do ser humano;
      Se os regimes políticos não foram competentes, ao contrário, somente corrutos e desonestos;
      Se os sistemas econômicos aumentaram as diferenças entre as pessoas e as tornaram mais infelizes;
      Se os projetos sociais se confundiram com esmolas e paternalismo, e não como impulso ao progresso individual e coletivo;
      Resta-nos apenas uma opção antes do extermínio global:
      CUIDAR DO PLANETA!
      Um abraço.

  16. Realmente Leonardo Boff chegou às raias da demência e da falta de informação. Disse que 1 bilhão de pessoas vive na “mais canina pobreza e miséria”. Será que ele desconhece que este 1 bilhão mencionado vive onde o capitalismo NUNCA chegou? E que a grande parte da população mundial vive onde o capitalismo NUNCA deu as caras? É realmente um discurso oco, falacioso e tendencioso, que omite o fato de que pessoas vivem melhor e com mais possibilidades de ascensão social exatamente onde existe mais liberdade econômica, que ele chama, sem saber o que é, de “neoliberalismo”. Santa ignorância! Ou será má-fé ou overdose marxista?

  17. Artigo correto, apesar da incoerência de artigos anteriores, do mesmo autor, pró-PT e sua gangue de saltimbancos. Sem a Terra e seu ecossistema estamos fadados à barbárie. Só temos um planeta e se quisermos manter um mínimo de qualidade de vida, é prioritário que o protejamos com todo nosso empenho.

  18. Digo novamente aos perdedores inconformados deste espaço, aguardem 2018. Porém existe um problema, se o molusco for candidatonas nas proximas eleições presidênciais, não tem para ninguém. Por isso, o desespero de tucanos e penduricalhos e todo tipo de perdedores.

  19. O Boff estava errado quando defendia o comunismo.
    Não reconheceu o erro, nem sequer se desculpou.
    Agora, sem ser cientista, fica alardeando o fim do mundo,
    e pondo a culpa nos seres humanos e no capitalismo.

    É o desonesto ainda tem o desplante de culpar o embargo pelo atraso em Cuba.
    Cuba é atrasada em virtude da ignorância e omissão de sua população, que aceita de cabeça baixa um messias, ditador, salvador, benfeitor, ou seja lá o nome que dão aos Castro, e não pela existência do capitalismo.

    Boff é comunista e cabeça dura, nunca vai reconhecer que errou.
    Boff não compreende a Humanidade porque o comunismo não compreende a Humanidade.
    O máximo que o comunismo fez foi criar um inferno incompreensível, em todos os lugares em que foi instalado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *