O crescimento da economia na Era Lula foi somente um voo de galinha

Resultado de imagem para voo de galinha chargesPercival Puggina                   Charge do Nani (nanihumor.com)

O crescimento da economia brasileira na era Lula é tema recorrente na retórica do lulismo. Com efeito, no início do governo Dilma, o Brasil superou o Reino Unido e se tornou a sexta maior economia do planeta em números absolutos. Como isso aconteceu? A pergunta, aliás, me foi feita por um jovem que queria saber como responder a um colega que se valia desse fato para exaltar o governo petista. Sugeri a ele que desafiasse o colega a indicar três providências adotadas por Lula para obter tal resultado.

Trata-se de uma pergunta sem resposta possível. O crescimento da economia brasileira na era Lula resultou da combinação de dois fatores que nada tiveram a ver com seu governo. De um lado, o consistente superávit fiscal alcançado a muito custo e sob cerrada oposição petista no período anterior; de outro, o formidável ingresso da China como compradora no mercado de commodities.

CONJUNÇÃO DE FORÇAS – Na virada do milênio, assim como cresceu a economia brasileira, cresceram, também, todas as economias periféricas graças a um inusitado aumento, simultâneo, dos volumes exportados e dos preços das mercadorias.

No entanto, o que foi causa de muita alegria deu motivo às atuais tristezas. Na prosperidade, nascia um novo Lula, cheio de si, convencido, como o galo Chanteclaire, de que o sol nascia porque ele cantava. A pessoa física de Lula era a causa da prosperidade nacional. Com ele, a vida seria sempre assim. O Brasil teria cadeira no Conselho de Segurança, sentaria entre os grandes da Terra, ele presidiria a ONU. Morria o Lula dos humildes e nascia o dos poderosos.

Quando a economia mundial foi varrida pelo tsunami causado pela crise do subprime, Lula rejeitou todos os chamados à prudência e à moderação. Descartou medidas de contenção dizendo que aquela crise, aqui, seria apenas uma marolinha. O Brasil era maior do que a crise.

UM “NOVO RICO” – Para ilustrar a situação com apenas dois dos muitos excessos de nouveau riche que acometeram os governos petistas, em 2007 Lula foi buscar a Copa de 2014 e, em 2009, contratou os Jogos Olímpicos de 2016.

Para manter a galinha em voo, o endividamento voltou a crescer, os juros a subir, a inflação retornou aos dois dígitos e o governo deitou mão, inclusive, do cofrinho das aposentadorias dos fundos de pensão das estatais. O Estado inchou, a galinha engordou, as asas desistiram de bater e o PIB despencou 10,4%.

Esses são os fatos. Se há algo que se possa atribuir a Lula em relação à economia brasileira são as consequências de uma gestão irresponsável no desenrolar de seu segundo mandato (2007-2011) e a igualmente leviana indicação de sua estabanada sucessora.

11 thoughts on “O crescimento da economia na Era Lula foi somente um voo de galinha

  1. Bom dia, acho que o resumo foi bom mas pena que os menos instruídos não saibam disso nem pensem assim sobre Lula. Para eles Temer e a crise internacional (ou os poderosos que não querem ver pobre andando de avião) é que são os culpados pela crise de hoje em dia. Para os menos instruídos TODOS roubam mas o “Lula ajuda nois porque é pobre igual nois”. O discurso do PT é convincente. Quem vai a tv diariamente culpar Lula e o PT pela crise atual ? NINGUÉM! Lula subia no palanque TODOS OS DIAS de seu governo para atacar os adversários (herança maldita) e enaltecer seu governo. Infelizmente, o discurso do PT e de Lula prevalece entre os mais pobres e menos escolarizados. Ao menos até agora. Tanto é assim que mesmo em cana o apedeuta lidera todas as pesquisas eleitorais. E as perspectivas não são nada boas para outubro próximo. Os que se apresentaram até agora são muito fracos (tanto de esquerda quanto de direita e centro) e ainda teremos os aventureiros como Collor em 1989. Alguém deveria estar batendo diariamente no PT desde o impeachment e argumentos é que não faltam. Deixaram um rastro de incompetência e corrupção facilmente identificáveis!

  2. As contas brasileiras começaram a deteriorar a partir de 2011. Dilma jogou na fogueira 500 bilhões do BNDES que hoje significaria no mínimo 10% da dívida brasileira frente ao PIB. E olha que não estou falando das desonerações a troco de propinas. Realmente, o poste do Lula foi um desastre para o país, mais um ano e estaríamos como a Venezuela. Ainda bem que o Vampirão tomou conta e chamou o Meirelles. Mesmo assim, o legado desastroso da Dilma vai demorar novamente a termos superávits fiscais. Um desastre a era petista e olha que tudo conspirou a favor com o preço das commodities na atmosfera.

  3. Tem mais, o governo petistas, pegou o Brasil com uma dívida interna na casa dos 650 bilhões de reais e ao sair do governo a dívida ultrapassava a casa dos 3 trilhões.

    • Exatamente Nelio, sempre bato nessa tecla de que o custo Lula/PT foi de trilhões por conta da dívida pública deixada. Nem coloco nesse cálculo o mensalão, petrolao, fundos de pensão e as oportunidades perdidas em tempo de crescimento global acelerado. Um atraso de décadas para o país !!!

      • José, grato por concordares, mas tem mais: a maior parte das reservas cambiais foram feitas, com o governo vendendo títulos da dívida interna para comprar dólares para aumentar as reservas cambiais, sendo que os juros pagos pelas reservas são insignificantes com relação aos juros pagos pela dívida interna.
        Um abraço

  4. Famosa “Nova Matriz Econômica” caracterizada por: expanse fiscal, crédito abundante a juros subsidiados e taxa de câmbio controlada. Deu no que vemos!

  5. O lula na sua presidência, foi tido como pai dos pobres e mãe dos ricos.
    Deixou que os bancos fizessem o que bem entendessem,
    criou condições de consumo para os mais pobres, aqueles que não pagam impostos, mas vivem de benesses públicas, entrassem no mercado consumidor só com a cara e a coragem, pois o governo garantiria com dinheiro de impostos, as extravagâncias.
    Como estas dívidas são de longo prazo, sabia ele
    que a bomba estouraria nas mãos de outro, possivelmente ainda após a Dilma.
    Não deu, a sucessora meteu os pés pelas mão e atropelou a estratégia, então a conta chegou antecipadamente.
    Madame num ato de irresponsabilidade, mandou comprar 15 mil máquinas, sendo retro escavadeiras, motoniveladoras(patrolas) e caminhões basculantes trucados(eixo duplo na traseira) e mandou distribuir para 5 mil prefeituras do interior o pais.
    Gesto benevolente ou algum outro interesse? A verdade é que o pais se endividou e o PT se capitalizou.
    Quando lula assumiu, a dívida esta sob controle, porém quando o petismo foi apeado do poder, estava incontrolável e hoje é impagável.
    Para aqueles que passaram a receber do governo, mesmo sendo uma migalha, a vida se tornou uma maravilha, agora choram o leite derramado, sendo esta gente, o público cativo do lulismo.

  6. Muito bom artigo e boa análise sucinta da ilusão gerada na era Lula.
    A Copa e as Olimpíadas foram ostentações tolas de riqueza. Em outros países a população já está ressabiada desses eventos e do desperdício de dinheiro e da corrupção associada a eles. Em Chicago houve uma notória campanha popular contra a possibilidade de sediar as Olimpíadas de 2016. E, ironicamente, para um governo que se pretendia paladino dos pobres, esses megaeventos costumam ser altamente danosos para a parcela mais pobre da população, que acaba desalojada e/ou cerceada em sua liberdade de ir e vir, quando algum governo precisa maquiar suas cidades para esconder suas mazelas e assim embasbacar o mundo.

  7. Caro Percival,
    Obrigado por mais um texto irretocável, mas fica aqui uma singela sugestão opcional para a última frase:
    “igualmente estabanada indicação de sua leviana sucessora”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *