O desesperado sentimento da despedida, na poesia realista de Augusto Frederico Schmidt

Augusto Frederico Schmidt - A ausente - Tudo é Poema

Schmidt criava  um galo em seu apartamento no Rio

Paulo Peres
Poemas & Canções

O empresário e poeta carioca Augusto Frederico Schmidt (1906-1965), no poema “Despedida”, aborda sentimentos guardados desde a infância e que nem todas as pessoas podem entender.

DESPEDIDA
Augusto Frederico Schmidt

Os que seguem os trens onde viajam moças muito doentes com os olhos chorando
Os que se lembram da terra perdida, acordados pelos apitos dos navios
Os que encontram a infância distante numa criança que brinca
Estes entenderão o desespero da minha despedida.
Porque este amor que vai viajar para a última estação da memória
Foi a infância distante, foi a pátria perdida, e a moça que não volta.

2 thoughts on “O desesperado sentimento da despedida, na poesia realista de Augusto Frederico Schmidt

  1. 1) O Prêmio Nobel da Paz 2021 foi para dois jornalistas, informou o Comitê da Noruega…

    2) Uma jornalista das Filipinas e outro jornalista da Rússia. Parabéns !

    3) Se tivessem me consultado eu indicaria o CN aqui da TI, que segura uma barra pesada, tentando estabelecer a Paz entre alguns comentaristas, robôs, fakes e similares…

    4) Haja paciência !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *