O destino cigano que está na alma de todo artista, segundo Raimundo Fagner

Imagem relacionada

Fagner, um grande autor e cantor

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

O produtor, instrumentista, cantor e compositor cearense Raimundo Fagner Cândido Lopes, o popular Fagner,  na letra de “Cigano“, reage contra o destino instável da vida de todos os artistas, que não permite prever aonde realmente poderão estar ou chegar. A música “Cigano” foi gravada por Fagner no LP Quem Viver Chorará, em 1978, pela CBS.

CIGANO
Fagner

Eu não vivo guardado em segredo
Nem no medo, um receio sequer
A não ser quando a morte vier
E me pegar sorrindo querendo ficar
Eu não sei viver de outro jeito
A não ser desse jeito

Destino cigano
Comigo não dá
Pra ficar amargando
Esperando o tempo passar
Até sonhando
E sem saber onde posso chegar
E ficar…

2 thoughts on “O destino cigano que está na alma de todo artista, segundo Raimundo Fagner

  1. “Destino cigano
    Comigo não dá” Entretanto, Fagner é artista, logo tem um destino cigano. Hoje aqui, amanhã acolá. de´pois não sabe pra onde vai.
    Fagner, um cantor cearense arretado. Era amigo de Ferreira Gullar e musicou poetas dele. como Traduzir-se.
    Fagner nunca deixou o seu “cariri”, e acredito que nem no últmo pau de arara.
    Adoro esse cearense e escuto muito o que ele canta, como Súplica cearense de Gordurinha e Luis Gonzaga.
    Oh! Deus, perdoe este pobre coitado
    Que de joelhos rezou um bocado
    Pedindo pra chuva cair sem parar

    Oh! Deus, será que o Senhor se zangou
    E só por isso o sol se arretirou
    Fazendo cair toda chuva que há

    Senhor, eu pedi para o sol se esconder um tiquinho
    Pedi pra chover, mas chover de mansinho
    Pra ver se nascia uma planta no chão

    Meu Deus, se eu não rezei direito o Senhor me perdoe,
    Eu acho que a culpa foi
    Desse pobre que nem sabe fazer oração

    Meu Deus, perdoe eu encher os meus olhos de água
    E ter-lhe pedido cheinho de mágoa
    Pro sol inclemente se arretirar

    Desculpe eu pedir a toda hora pra chegar o inverno
    Desculpe eu pedir para acabar com o inferno
    Que sempre queimou o meu Ceará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *