O dia seguinte pior do que a véspera

Carlos Chagas

Ou ficamos com mestre Hélio Fernandes, para quem “no Brasil o dia seguinte sempre consegue ficar um pouquinho pior do que a véspera”, ou com o Tiririca, aquele do “pior não fica”. Alternativas inexistem para essas duas evidências.

A CPI do Cachoeira vai devagar, quase parando, em especial depois que o Supremo Tribunal Federal, intrometendo-se em questões do Legislativo, suspendeu o depoimento do bicheiro, marcado para ontem. Pode ter sido legal a decisão do ministro Celso de Mello, mas lógica, jamais. Afinal, a oitiva de Carlinhos Cachoeira marcaria o real início dos trabalhos da CPI.

No rol dos malfeitos, não faltou o gesto do presidente da CPI, senador Vital do Rego, negando ao advogado de Cachoeira acesso aos documentos arrolados contra ele. Afinal, o direito de defesa só pode ser exercido quando se conhece a acusação.

Tem mais, em termos de distorções: em vez de centralizar sua ação em torno de Cachoeira, mesmo sem o depoimento dele, para apurar suas ligações espúrias com políticos, governantes e empresários, a CPI faz do Procurador Geral da República seu alvo principal. Por que? Por não haver denunciado o senador Demóstenes Torres em 2009, mas apenas agora, em 2012.

Só isso? Nem pensar. A Comissão da Verdade, a ser instalada hoje, começa dividida e sem saber para onde vai. Um dos seus sete integrantes, José Carlos Dias, defende que as investigações se estendam a quantos praticaram crimes de tortura, seqüestro e assassinato, quer dizer, não apenas os agentes do estado, durante a ditadura militar, mas também “o outro lado”, isto é, os envolvidos em atos terroristas. Já seu colega, Paulo Sergio Pinheiro, chama publicamente de “bobajada” essa sugestão, sustentando que os terroristas já foram julgados, condenados e punidos.

Não param aí os bate-cabeças. Tanto a CPI quanto a Comissão da Verdade adotam a prática obscura de realizar sessões secretas, sonegando à sociedade o conhecimento das apurações. Ambas as atividades precisariam transcorrer às claras, acompanhadas pelos meios de comunicação. Seus responsáveis preferem agir na sombra, como cidadãos acima do bem e do mal.

Acresce que o Conselho de Ética Pública da Presidência da República acaba de produzir uma “censura ética” a Antônio Palocci. O que será essa suposta punição? O ex-ministro estará morrendo de rir ao tomar conhecimento da inócua decisão. Deveria no mínimo ter suas lambanças encaminhadas ao Ministério Público, para providências, acusado de traficar influência e amealhar milhões em atividades pouco claras de “consultoria” a empresas com as quais se relacionou enquanto titular da Fazenda.

Em suma, trapalhadas e interesses partidários desmoralizam as iniciativas do poder público nas suas três esferas, ou seja, Legislativo, Executivo e Judiciário. Pior não fica, ou o dia seguinte sempre consegue ficar um pouquinho pior do que a véspera.

###
ESQUECIDOS OU DISCRIMINADOS?

Pedro Simon, Paes de Andrade e Paulo Brossard foram apenas citados bissexta e meteoricamente. Roberto Requião, Jarbas Vasconcelos e Fernando Lyra, nem isso. Fala-se apenas dos vivos, na sessão solene realizada esta semana no Congresso pelos 46 anos de fundação do PMDB. Foi como se não tivessem contribuído muito mais do que os oradores da cerimônia para a afirmação do partido nos anos de chumbo. Os atuais dirigentes fizeram questão de ignorar os históricos companheiros dos tempos da resistência, deixando de convidá-los para discursar e até comparecer. Em vez deles, reais representantes do partido que derrubou a ditadura, falaram figuras como… (cala-te boca).

###
CÂMARA DE VEREADORES

Não tem limite as peculiares intervenções do senador Eduardo Suplicy. Quando deputado, ao abordar a indústria automobilística, levou e desfilou na tribuna a miniatura de um automóvel, fazendo com a garganta barulhos parecidos com o motor de uma viatura de verdade. No Senado, cantou diversas vezes no microfone uma abominável canção americana, além de haver vestido, sobre a calça, o calção do superhomem. Não há nada a opor a tais singularidades, pois o senador mais votado do país mantém a pureza em suas propostas, a começar pelo programa de renda básica de cidadania.

Esta semana, porém, Suplicy exagerou. Na tribuna, descreveu em detalhes um show a que havia comparecido na véspera, sobre Tim Maia. Em seguida irritou corintianos, palmeirenses e sãopaulinos ao exaltar de forma exagerada o Santos e Neymar.

A gente fica pensando como reagiriam Afonso Arinos, Gustavo Capanema, Daniel Krieger, Josafá Marinho e o próprio Rui Barbosa…

###
DEBOCHE

Já imaginaram se naqueles amplos jardins da capital dos Estados Unidos, defronte à Casa Branca, ao memorial de Abraão Lincoln, George Washington e aos mortos da Guerra do Viet-Nam, fosse permitido montar mafuás, barracas, palcos para apresentação de artistas e até estádios para campeonatos de tênis e vôlei, nem falando em pistas de lama para enduro?

Pois é a isso que está reduzido o imenso canteiro central da Esplanada dos Ministérios. O governo do Distrito Federal cede a uma empresa privada a exploração dessas atividades na área mais nobre de Brasília, certamente recebendo percentual pelo faturamento. O gramado transforma-se em pátio dos milagres, repositório de lixo e sujeira após cada evento, sem que autoridade alguma se disponha a intervir.

São décadas seguidas dessa lambança, registrando-se que apenas uma vez, e em terreno restrito, defronte ao Congresso Nacional, houve proibição, graças à iniciativa de Antônio Carlos Magalhães, então presidente do Senado.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *