O espancamento do futuro do Brasil

Nada justifica a violência usada contra professores

Cristovam Buarque
O Tempo

O que aconteceu em Curitiba, no dia 29 de abril, vai ficar como triste símbolo do tratamento dado a professores no Paraná. Nada justifica, nem mesmo a hipótese de infiltração de grupos radicais, a violência da polícia paranaense contra os educadores. Embora não tenha justificativa ética, o episódio serve para chamar a atenção para uma triste lógica. O que aconteceu em Curitiba é injustificável, mas explicável. Explica-se pelo descaso com a educação e com os professores, em todo o Brasil, ao longo da nossa história.

Exemplo de tal descaso é o fato de o Brasil comemorar ter entre 95% e 97% de suas crianças matriculadas nas primeiras séries, quando deveria pedir desculpas por termos ainda de 3% a 5% nem ao menos matriculadas. Deveria ainda, em vez de comemorar, levar em conta que, entre alunos matriculados, apenas uma parte frequenta as aulas. Muitos não têm aulas todos os dias letivos, seja porque faltam, seja por escassez ou ausência de professores contratados.

Dos alunos que frequentam a escola, diversos são envolvidos em indisciplina ou violência, e uma parte não assiste efetivamente às aulas porque fica alheia na sala ao que o professor ensina. Outros não assistem porque vão à escola apenas pela merenda.

Dos que assistem às aulas, raros têm quatro horas de estudo por dia. No total, são raras as crianças brasileiras que assistem às aulas na quantidade que a lei determina para o ano, e poucas dessas estão em escolas públicas. Isso ocorre apesar de a legislação prever apenas 800 horas de aula por ano, quando deveria programar em torno de 1.300 horas.

EVASÃO ESCOLAR

Entre os que estão matriculados, frequentam e assistem regularmente a quatro horas de aulas por dia, é reduzido o número de alunos que permanecem até o fim do ensino médio. E, quando resistem, pelo heroísmo deles e de seus professores, permanecem em escolas sem conforto, sem bibliotecas, sem equipamentos modernos, sobretudo sem a atenção necessária de professores, muitos dos quais, embora dedicados e competentes, são obrigados a dar mais de 40 horas de aulas faz de conta por semana. Nas escolas públicas, os resistentes são aprovados, quase todos, graças a diversos métodos de promoção automática.

Dos poucos que resistem até o fim do ensino médio, no máximo metade adquire a educação básica com a qualidade necessária para seguir no ensino superior, mesmo em boas escolas. Não mais do que 5% têm formação que lhes permita dar contribuição à sociedade e à economia do conhecimento no século XXI.

Essa é a realidade do conjunto das escolas, muito pior para as crianças das camadas pobres nas escolas públicas. Comemoramos os quase todos matriculados, esquecendo a frequência, a assistência, a permanência e o aprendizado. Curitiba é apenas um exemplo gritante do silencioso espancamento secular que sofre a educação de base, prejudicando as crianças e o futuro do país. Mas o silencioso gesto secular de espancamento do futuro do Brasil não parece nos horrorizar, apesar de nosso silêncio diante do horror histórico ser a causa do horror visto naquela tarde em Curitiba.

26 thoughts on “O espancamento do futuro do Brasil

  1. Senador Cristovão Buarque,não que eu compactue com o rigor utilizado pelos policiais do Paraná,mas o senhor sabe tão bem quanto a maioria dos brasileiros, que estas manifestações são incrementadas de pessoas que participam destes movimentos com um unico objetivo,criar tumulto pra conseguir um bode expiatorio e hoje infelizmente com a baixa moral existente no partido que comanda o país não podemos deixar de admitir que mesmo tendo sido usado rigor pela policia os professores que defendem o PT forçaram a barra para conseguir apoio da midia e de pessoas influentes como o senador que ja foi petista.Não apoio a acão da policia mas me reservo do direito sagrado da duvida,será que não houve provocação?
    Com a palavra o Senador Cristovão Buarque.

  2. Aliás se vivemos realmente uma PATRIA EDUCADORA por que é que até hoje uma medida de cunho relativamente simples não foi adotada principalmente pelo governo federal:
    – Levando-se em conta que existe bolsa de tudo que é tipo, inclusive muitas delas incentivando a vagabundagem, é bom que se diga em português bem claro, uma delas seria uma bolsa inteligente e produtiva e se fosse bem conduzida e administrada, poderia ser um excelente instrumento de gestão do governo federal na área.
    TRATA-SE DA BOLSA MESTRE OU BOLSA PROFESSOR não importa o nome que se dê. Assim qualquer professor de ensinos básicos e intemediário, que desse aula em qualquer escola pública ou particular, em qualquer grotão do nordeste, da Amazonia ou mesmo do Colégio mais badalado de São Paulo, Rio ou qualquer outra grande ou média cidade, teria direito a uma determinada quantia depositada diretamente pelo governo federal em suas contas correntes. A idéia de um controle gerencial seria dar um incentivo para professores de determinadas cidades, bairros ou mesmos de determinadas escolas que atingissem determinadas metas teriam um “plus” a mais nos seus ganhos.
    Já cheguei a passar essa idéia através de e-mail ao ilustre Senador Cristóvão Buarque, nunca tive qualquer comentário a respeito da mesma. Não faço questão de nenhuma paternidade da idéia, apenas ficaria muito satisfeito que a mesma fosse pelo menos discutida no lugar adequado, ou seja, nas casas legislativas Câmara e Senado. Fica portanto lançado o desafio ao nobre senador e principalmente ao ministro da Educação que até hoje não sei a que veio.
    Quanto às greves no Paraná e São Paulo,mesmo deplorando a violencia, lamento constatar que tem um viés politico flagrante, de outra maneira em Minas também haveria o mesmo tipo de greve e lá ninguém está pedindo 75% de aumento, proposta totalmente inviável de ser concedida no presente momento.

  3. Willy Sandoval, o governo de São Paulo dá esse incentivo aos bons professores, por desempenho. O sindicato dos professores é contra. Quer que todos recebam, mereçam ou não.

    • Pois é! Por isso mesmo que proponho algo além disso! E sugiro ao governador Alckmin que encampe uma idéia dessa e cobre do governo federal esse bonus a mais para todo e qualquer professor de qualquer rincão desse país.
      E vou mais além, imaginemos por exemplo um bonus de R$ 1500 a cada professor. Para um professor de uma escola particular de São Paulo que ganhe mais de R$ 15000 por mes, a quantia pode nem fazer muita diferença.Mas imagine, um professor no sertão nordestino, ou na Amazônia recebendo esses mesmos R$ 1500, com certeza mais de que seus salários de fome.
      Sairia caro o custo de um programa desses? Com certeza. Mas perto do que já foi desperdiçado em tantas maracutaias ou mesmo em bolsas que antes de mais nada só estimulam a vagabundagem, acho que esses finalmente seriam recursos bem empregados, porque estariam sendo empregados para o futuro..

  4. No meu tempo de ensino primário, ou seja, o grupo, os professores (as) eram as pessoas mais importantes da sociedade. Me lembro até hoje da mestra que me início nas primeiras letras e primeiros números. Ela se chamava Dª Meire.

  5. Se não estou enganado, a pessoa que comanda o Sindicato dos Professores em Curitiba, e que comandou a invasão à Assembléia, foi candidata à Deputada Federal pelo PT; não eleita.
    Era tudo que ela queria: apanhar !!! Conseguiu.

  6. Só nâo entendi porque tinha tanta gente com a camiseta do PT na manifestação e que não eram professores. Foram lá, apenas fazer baderna. Já não bastasse todas as falcatruas que a bandidagem do PT está envolvida, ainda foram fazer arruaça no Paraná. Sabem por que? O Moro está lá.

    • Aqui em Sun Palo vamos para 2 meses e 10 dias de greve estadual
      Mas lá do Apartamento de 11 milh]ões de euros, gerardo efeagâce manda dizer que não há greve, tudo isso é uma armação da oposição (que não existe)…..eh!eh!eh

  7. Demagogo senador, no Amapá, governado pelo seu partido o piso salarial é um dos menores do país, R$ 1.032,00. O PDT parece com aqueles símios, que sobem no alto de uma montanha, sentam no próprio rabo e ficam falando dos rabos dos outros….

  8. Gente, a que ponto chegou o ódio. Os professores nada mais fizeram do que tentar impedir a votação a toque de caixa de um projeto criado da noite para o dia que dava direitos ao governador de meter a mão no dinheiro da caixa de previdência deles, para tapar rombos de um Estado falido. E os professores não foram invadir a assembleia, simplesmente foram impedidos de adentrar à assembleia que se dizem casa do povo não é isso? O que aconteceu foi tão grave que a OAB e demais entidades protocolaram pedido de impechemann do governador. Vejo indignado que os mesmos comentaristas que aqui criticaram o uso de outros fundos de pensão como PREVI, POSTALIS, etc, hj acham que nossos professores mereceram apanhar por defender o que é deles. Não se esqueçam que o filho do Noblat , simplesmente por usar uma camisa vermelha também foi vítima do próprio ódio que o pai dissemina em seu blog.

    • Acho TODOS os pisos salariais dos professores vergonhoso, porém não dá para não notar que as greves somente estão ocorrendo em estados governados pela oposição, mesmo que em SP, o piso seja muito superior aos que acima citei. A Dona Bebel, tem sempre uma prática eleitoreira e não de categoria, basta ver que na greve de 2010 saiu debaixo de uma chuva de ovos e que depois se candidatou a vereadora pelo PT e obteve uns 100 votos. Quando isso ocorre, deixa de ser reinvidicação e passa a ser uma sórdida manobra de pessoas, para verem se conseguem evitar a falência desse amontoado de quadrilheiros, que foi quem de fato começou semear o ódio no Brasil, com os burguesinhos Stédile e Boulos, brincando de cafetões da miséria. O MST já está na 3.ªgeração de acampados e o diretor do Cirque du Soleil da Miséria não tem outra profissão desde 1979.

    • Sr. José Carlos,me desculpe mas acho que a sua interpretação neste blog democratico esta sendo deturpada,não posso falar pelos colegas mas posso assegurar com certeza que nenhum de nos aprova agressão aos professores,seja do Parana,São Paulo e ate mesmo do Acre,o que nos não conpactuamos e com isso discordamos é a utilização partidaria das greves de professores para tentar abafar a hemorragia que o PT causou a nossa economia e com isso ocasionou grande desvalorização nos salarios principalmente dos professores.É necessario que a categoria avalie melhor e faça a greve necessaria sem usar artificios politicos sujos utilizando baderneiros para imprimir descontrole emocional na policia e no povo.Quanto as demais citações do sr.referente aos fundos de pensão vale resaltar a frase do sr lula,”nunca se roubou tanto nos fundos de pensão como neste desgoverno dps ptralhas.

      • Tanto que a maior parte dos Blacks Blocs de São Paulo eram da região conhecida como Tattolândia e na Zona Leste, no pedaço daquele deputado da coligação PT/PCC. Um deles teve o já conhecido Greenhalg como defensor. Querem deturpar tudo, pois essa é a função da Rede Goebbels de Comunicação Petista, que só nos primeiros dois meses do ano, teve 3 jornalistas condenados por difamação e um deles está sendo novamente processado pelo Eduardo Cunha.

      • Nessa semana começa a greve das Universidades Federais, que estão literalmente falidas. Quero ver a posição dos baba ovos do poder e do ministro, cuja ética embarcada quase derrubou o jatinho da FAB. Aliás, quem acabou com a aposentadoria integral do funcionalismo federal, foi o Pudim de Pinga…

  9. Alguém que possua, no mínimo, dois neurônios, nesse país, ainda tem dúvida se houve ou não provocação?! Os salários dos mandarins dos tres podres poderes, mormente de senadores, de(puta)dos, vereadores, prefeitos, governadores, desembargadores, juízes, ministros das últimas instâncias et caterva (fora para os que tem “”””foro privilegiado?!”””””” – que excrescência, meus deuses – são sim, um verdadeiro escárnio, desprezo, desrespeito, verdadeira provocação contra todos os professores do brasil, muitos dos quais lutam bravamente, sem nenhuma infraestrutura para, pelo menos, alfabetizar a criançada. A presidente, não satisfeita com o generoso aumento de salário autoconcedido pelos de(puta)dos no silencio da madrugada, como sempre, triplicou o fundo partidário, para que sua excrescências, digo, excelências (excelente em que, meus deuses????): em matéria de caráter, nem sabem do que se trata; ética (que palavra estranha, pensam eles), possam locupletar-se mais anchamente. Sim, senhores, somos todos, cidadãos e cidadãs brasileiros trabalhadores, pagadores de impostos, escorchados diuturnamente pela canalha que se assenhorou de nós e do nosso suor (ou intelecto) desde 1500. Aturamos provocações, achincalhes, desrespeito de todas as maneiras, ao sabor do estado de espírito do dono do rebanho da vez. Não passamos de reses para esses canalhas.
    Agora, a invenção perversa do monarca que está com o cetro na mão: as repartições públicas (nas tres esferas administrativas, aproveitando o advento da Internet, estão fechando todo canal presencial (setor) de comunicação com o cidadão – isto porque o serviço é público, pelo menos em tese, existe em função do povo. Colocam uns terceirizados no balcão de informações (este, como terceirizado sem nenhum treinamento, nunca sabe prestar qualquer informação, até porque, realmente, a atividade- fim da empresa/autarquia lhe é completamente estranha. E o guardinha de segurança, claro, que está ali para barrar qualquer tentativa/requerimento de melhor atendimento.
    Para se ter uma idéia da situação kafkiana que estamos vivendo: há cerca de dois anos atrás, indo interpor um Recurso Extraordinário (para o STF), no Proger da 2ª Instância do TJRJ, uma terceirizada (se bobear, com exceção dos promotores, juízes, desembargadores e defensores públicos, daqui há pouco teremos mais terceirizados que concursados no TJRJ – estamos a caminho disso, visto ser a família que é dona da empresa de terceirização! Pois bem, quando entreguei a petição para a mulher que estava no guichê, esta começou a “”analisar”” a petição – embora sem nenhuma competência para tal tarefa – e a me questionar do porquê de estar interpondo tal recurso, se eu tinha certeza de que era mesmo o recurso próprio, etc. Aí, não tive outra saída senão chamar o diretor do setor para dar fim a tal absurdo. Quando se trata de ação que deve tramitar em “segredo de justiça” ocorre o mesmo. Enfim, estamos nas mãos de….provocadores de toda espécie.

    • cara Dione,
      Ou abandonamos a indignação do sofá e entramos na política ou simplesmente vamos assistir malucos semelhantes aos jirradistas varrerem nossa terra e tangerem nossas vidas. O que você falou a respeito da justiça está em todos os cantos. Vivemos a inexistência institucional e ela está se aprofundando, paradoxalmente pelo embalo de grupos que falam em cidadania. Veja: os sindicatos assim como entidades associativistas de um modo geral são corporativistas, mas de um corporativismo cego, nocivo, que renega reflexão; as bandeiras das chamadas minorias são exclusivistas, pressupõem a criação de direitos especiais e isso implica a negação da existência de um estatuto básico de convivência, ou seja, são geradoras de conflitos e desinstitucionalizadoras… (O resto, pressuponha)

  10. O desespero dos petébas em São Paulo vai aumentar muito ainda. Com a candidatura da Marta o Haddad não paga nem placê. Aliás, pesquisas internas do próprio PT, indicam que eles perderão ( em matéria de arrecadação) no mínimo 60% das prefeituras, isso sem contar com os prefeitos que já estão debandando para outros partidos. O PT vai virar um partido dos grotões e aí a sua influência política para segurar a barra dos Lava Jatos da vida será bem menor, para o desespero do Napoleão de São Bernardo.

  11. O que está a acontecer nessa caricatura de país é o desmonte da educação, como trabalho na Bahia, leciono Geografia, posso fazer uma analise crua do que fizeram nesses últimos anos (12) com o ensino público, desde o fundamental até o superior, é o que podemos chamar, com propriedade, de MORTE ENCEFÁLICA da educação nisso que teimam em chamar de país.
    Aqui na Bahia, dese o governo do Jaques Wagner que a Secretaria vem fechando escolas, primeiro com o turno noturno, onde os alunos que deixaram as salas de aulas por motivos vários por anos, poderiam ter o prazer do retorno bem como a conclusão do nível médio, para nossa surpresa as DIRECs com suas diretoras a serviço dos políticos petistas (cargos de confiança) já haviam elaborado listas dos estabelecimentos de ensino que teriam seu turno noturno encerrado, o colégio onde trabalho estava na tal lista, conseguimos com muito esforço manter esse colégio com o noturno em funcionamento, embora a diretora da escola, com o aval da diretora da DIREC II, agora NRE 19 (Núcleo regional de Educação 19) houvesse sabotado nosso trabalho, não tivemos férias, gastamos parte do nosso salário com faixas, comerciais nas emissoras locais, e tudo isso para a diretora rejeitar os alunos que iam matricular no EJA ou mesmo num pretenso 1º ano de ensino médio que a DIREC não autorizaria seu funcionamento, quem comanda essa turma? O deputado que é líder do governo, que é PT. A evasão é extremamente alta e binguem faz nada para reverter a situação. Falta merenda escolar, desde o início das aulas. a corrupção entre os “gestores” é bem grande, embora seja de conhecimento público nunca, esses diretores corruptos foram punidos, não se pode denunciar porque de nada valeria, já que tanto Ministério Público quanto a Ouvidoria do Estado estão coniventes com os políticos do PT, portanto, quem denunciasse seria prejudicado pelo próprio governador. que alias já assumiu o trono massacrando os professores, com ameaça de suspensão dos salários para o professor que não fizesse um tal recadastramento, realmente eles cortaram os salários de alguns professores atrevidos que pagaram para ver.
    O governador Rui Costa não negocia com funcionário, arbitrariamente decidiu dividir o repasse da inflação de 2014 em duas parcelas, uma que será paga no final de junho, retroativa a março e a outra em novembro.
    Quem é doido de dizer nada a esse ditador, as escolas estão em péssimo estado de conservação, com buracos no telhado, salas inóspitas.
    O piso (fossa salarial)
    Alegam que pagam o piso, entretanto é só na retórica, pois de fato nunca pagara nada de piso salarial, a arrecadação foi que aumentou. Muito do material didático é comprado pelos professores, quando seria obrigação da escola.
    Mas ainda restou, desse corte de 9 bilhões de Reais na educação, o maior de todos, o slogan, Pátria Educadora, embora não se saiba onde fica essa tal Pátria Educadora.
    Portanto, meu diagnostico é que essa Pátria educadora está com morte encefálica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *