O general que salvou a Nova República

General Leônidas garantiu a posse de Sarney em 1985

Carlos Chagas

A morte do general Leônidas Pires Gonçalves, quinta-feira, encerra um ciclo iniciado anos antes da Guerra do Paraguai, ainda no Império, quando altos oficiais das forças armadas começaram a atuar politicamente e a pronunciar-se sobre a realidade institucional do país. Uns de forma truculenta e ambiciosa, outros trabalhando para o aprimoramento democrático e a pacificação nacional. Foi o caso do general Leônidas, responsável pela superação do primeiro obstáculo anteposto ao desenvolvimento da Nova República.

Na madrugada de 15 de março de 1985, a nação mostrava-se estarrecida pela internação de Tancredo Neves no Hospital de Base de Brasília. Já nomeado novo ministro do Exército, com a Constituição na mão, ele convenceu as lideranças políticas de que, na impossibilidade de o presidente eleito tomar posse, o juramento deveria ser prestado pelo vice-presidente eleito, José Sarney.

Havia controvérsias na interpretação do texto constitucional. O vice substituiria e sucederia o presidente, no caso de impedimento temporário ou permanente, mas, assim como Tancredo, Sarney ainda não tinha tomado posse. Muitos sustentavam a aplicação do artigo determinando que se não tivesse havido posse do presidente e do vice eleitos, assumiria o presidente da Câmara dos Deputados, então Ulysses Guimarães, para convocar novas eleições em trinta dias.

Seria o caos, em especial porque no governo Figueiredo, horas antes de terminar, alguns generais pretendiam aproveitar a situação para melar o jogo, não entregando o poder a Sarney. Além do próprio último general-presidente, inclinavam-se pela sua permanência o ministro do Exército, Walter Pires, e o chefe do Serviço Nacional de Informações, Octávio Medeiros.

LEITÃO DE ABREU

O chefe da Casa Civil, Leitão de Abreu, sustentava a posse de Sarney. Naquela madrugada, recebeu os líderes do novo governo e sua opinião serviu para desfazer a dúvida gerada pela hesitação dos dois personagens principais: Sarney achava que Ulysses deveria assumir e este, para evitar a crise, defendia o contrário. Desambiciosos, ambos, mas trafegando num fio de navalha.

Foi quando o general Leônidas Pires Gonçalves, ainda sem ter assumido o ministério do Exército, mas já ministro de fato e, vale repetir, com a Constituição na mão, decidiu pelos políticos e pelos juristas: não havia dúvida, deveria ser José Sarney a prestar juramento no Congresso e a ocupar o governo. Num telefonema ao vice, participou-lhe a decisão e, alta madrugada, despediu-se com um “Boa noite, presidente!”

MOMENTOS CRUCIAIS

São desses momentos cruciais na história dos povos e das nações. A Nova República poderia ter sido demolida antes mesmo de nascer, mas graças à intervenção de um general, sobreviveu e afirmou-se. Como represália, Figueiredo deixou o palácio do Planalto pouco antes da chegada de Sarney, a quem recusou-se a passar a faixa presidencial. Só que o vice já detinha o poder, vestiu sozinho a faixa e empossou o ministério escolhido por Tancredo.

Apenas um detalhe a mais. No auge da confusão da madrugada, quando o general Walter Pires aventou a hipótese de movimentar a tropa para manter Figueiredo, ouviu de Leitão de Abreu que não podia, pois não era mais ministro. Sua demissão havia sido assinada pelo presidente e vinha publicada no Diário Oficial. O ministro do Exercito já era Leônidas Pires Gonçalves e sua participação na vida política brasileira foi a última intervenção castrense nas questões político-institucionais do país.

 

 

One thought on “O general que salvou a Nova República

  1. Carlos Chagas, ninguém melhor que você para falar dos militares que implantaram a Ditadura de 1964. Mas não tem o direito de enfeitar o procedimento do general Leônidas Pires Gonçalves dizendo que a “Nova República” poderia ter sido demolida antes de nascer, não fora a intervenção do general. Dizer tambèm que Walter Pires “aventou a hipótese de movimentar a tropa para manter Figueiredo?”e ouviu de Leitão que não podia pois não era mais ministro. A verdade histórica é que o “o altaneiro e magestoso” general Leônidas Pires Gonçalves, com um parecer jurídico de Afonso Arinos no bolso e uma constituição na mão para impressionar os políticos que se reuniam com Ulisses Guimarães, “deu um grito dizendo que o presidente era Sarney?’. Sarney foi empossado no grito. Nos governou como IMPOSTOR. (Vice não é cargo, é expectativa de cargo que se efetiva quando o titular (no caso Tancredo Neves) , toma posse. Não tendo tomado posse o cargo seria entregue ao presidente da Câmara Ulisses Guimarães, que convocaria novas eleições em 30 dias. Dizem que o parecer de Afonso Arinos afirmava que o vice Sarney , seria da República e não de Tancredo. Vejam só que disparate. O general presidente Figueiredo não ter passado a faixa a Sarney, foi em razão do ministro Leitão der-lhe dito que a Costituição estava sendo violada. E não por não gostar de Sarney, coisa ridícula. No rigor da história o general Leônidas Pires Gonçalves deu um golpe sem armas, só no grito para empossar Sarney, que estava por dentro de tudo.Quando o general deu o grito, todos se calaram, nem tussiram e nem mugiram; “consentiram docemente que a Pátria fosse estuprada”. Se Walter Pires quisesse e tivesse realmente o Exército nas mãos teria dado o golpe. O certo é preferiram o golpe a “La Leônidas”, pois o governo ficaria em mãos de um correligionário submisso, que não deixaria acontecer nada contra a cúpula militar que BARBARIZOU O POVO POR 21 ANOS. Chagas, escreve sem paixão. Os mais novos precisam de informações mais seguras sobre os trágicos periodos ditatorias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *