O “ladrão vacilão” e seu carrasco torturador

Resultado de imagem para ladrao tatuado

Dinheiro da vaquinha removerá a tatuagem

Percival Puggina

Estava em viagem, acompanhando com menos denodo os acontecimentos no Brasil e, por isso, apenas ontem tomei conhecimento do fato que dá motivo a estas considerações.  Uma coisa é a crescente indignação com nossa também crescente insegurança; outra é a vingança mediante aplicação de uma suposta justiça por meios próprios. Uma coisa é o legítimo direito de promovermos a defesa de nossos bens e da nossa vida mediante o uso de instrumentos de persuasão; outra é o uso desproporcional desses meios, mormente quando aplicados contra um indivíduo em estado de idiotia, incapaz de se defender.

Houve um tempo, na história da humanidade, em que a “justiça” se fazia mais ou menos assim. Por repetitivo que seja, sempre é bom lembrar que já no século XVIII a.C., o rei Hamurabi, unificador do império paleobabilônico, editou o código que leva seu nome e, nele, estabeleceu a lei de talião (resumidamente: “olho por olho, dente por dente”) para evitar reparações abusivas, que excedessem o dano causado. Assomos de vingança pessoal, linchamentos, e atos como o do tatuador, representam, pois, um recuo de 3800 anos na história da humanidade.

OUTROS PADRÕES – O processo civilizador construiu outras referências, outros padrões de conduta e meios formais para realizar a justiça e buscar a sanidade nas relações sociais. Ou se adere a esses padrões que levam em conta a dignidade da pessoa humana, apesar das dificuldades e dos impulsos primitivos que coabitam em nós, ou retornamos à barbárie, à lei do mais forte. E isso é uma imprudência porque sempre haverá alguém mais forte do que nós.

É verdade que também regredimos na aplicação da justiça como a concebemos. Ela é lenta, ideologizada, pouco eficiente; o ladrão entra por uma porta da delegacia e sai pela outra. É verdade que essa sensação de impotência e quase inutilidade das instituições dá causa àquela indignação a que me referi acima.

RÉU “PRIVADO” – Mas sequer a soma de todas essas motivações autoriza a violência como a que foi exercida contra o rapaz por alguém que se fez juiz e agressor covarde de um indivíduo deficiente, e debochado carrasco de seu “réu” privado. Cometeu, assim, um crime muito mais grave do que o delito que o motivou àquela reação ferina. A conduta causa indignação. Mas essa indignação não autoriza quem quer que seja a tatuar-lhe na testa “carrasco e torturador”. Certo?

Devemos ser promotores da humanização da humanidade. E não o contrário disso. Então, assim como saúdo a solidária mobilização para restaurar o rosto do pressuposto ladrão vacilão – que rapidamente levantou milhares de reais – lamento a falta de solidariedade nacional em relação a tantas outras vítimas da violência e da criminalidade que não aparecem na imprensa, não são pauta nas redes sociais e não inspiram ações restauradoras de natureza pública ou privada.

16 thoughts on “O “ladrão vacilão” e seu carrasco torturador

  1. Quando as instituições falham, a tendência é a de se “instituir” esta “justiça”. Acredito que tudo isto faça parte de um plano de desestruturação da sociedade. Mas os aplicadores desse tipo de “direito” fizeram a própria incriminação e não foi difícil serem identificados e detidos. Vergonha!
    Ainda há os que cumprem a lei.

  2. Caro Jornalista

    -O CURIOSO é que no caso da estudante aqui de Brasilia, que teve a marca de uma CORONHA de revólver TATUADA NA NESTA durante um assalto, não apareceu nenhuma ONGs, nenhum órgão defensor dos direitos humanos e nenhuma emissora de televisão para defendê-la ou disposta a fazer alguma reportagem sobre a vítima!

    -Neste fim de mundo, a dor do bandido que quer a vida fácil desperta mais indignação do que a dor do cidadão de bem que se esforça e dá um duro danado para sobreviver…

    Foto e reportagem: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/03/29/interna_cidadesdf,584487/universitaria-e-agredida-durante-assalto-na-asa-norte.shtml

    Abraços.

    (PS: Chega a ser cômico ouvir a palavra CIVILIDADE e a frase ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO em um lugar onde ocorrem mais de 60.000 homicídios oficiais – e mais outros 20.000 desaparecidos, segundo o Ministro do Exército – anuais e outros 50.000 estupros, fora os que morrem à míngua nos corredores dos hospitais, enquanto quem tem dinheiro se esconde nos bairros nobres e só se gozam do pretenso DIREITO DE IR E VIR em carro blindado…)

    • Será que apareceu alguém disposto a remover a “tatuagem” da testa da moça? Ou ela precisaria ser bandida, como a mulher daquele governador, para despertar a compaixão das nossas autoridades?

    • Nosso país está tomando rumos estranhos em defesa da bandidagem em detrimento do pai de família, homens de bem que são diariamente atingidos de forma violenta. A quem defende bandidos, que tenha o mesmo destino deles

  3. Essa estorinha do marginal tatuado na testa é um prato cheio para as esfomeadas e corruptas ONGS de direitos humanos se fazerem em cima disso. Quantas cicatrizes físicas e emocionais a bandidagem, da laia desse vacilão, já não fez no cidadão de bem e em suas famílias e ninguém se prestou a fazer “vaquinhas’…

  4. Quando a barbárie se instala, é porque o estado de direito saiu pelo “ladrão” ha muito tempo.
    Quando se fala em ‘estado de direito”, não se esta falando apenas em votar nas eleições.
    Estado de direito é sobretudo a liberdade de ir e vir, ter seus bens, ter segurança em casa e nas ruas e ter nos governos entidades confiáveis, coisas que por aqui ha muito não mais podemos contar.
    A descrença nas entidades públicas, faz com que o cidadão passe a querer fazer a sua própria justiça, até porque todo atingido por agressão injusta, quer mesmo é vingança, mas como o estado criminaliza a “justiça com as próprias mãos”, mas também não procede a justiça oficial,o resultado é esse mesmo.
    O povo que é atingido pela violência proporcionada por agentes que são do mesmo povo, não veem obstáculos em também agir com a mesma violência da qual são vítimas.
    Mas o que chamou atenção mesmo neste caso, foi a rede de solidariedade a favor do “tatuado” coisa que não não se vê, nem de longe, quando alguém é morto em assalto por um bandido.
    O Brasil tem sérios problemas de discernimento do que é justo e que é injusto.
    Direitos humanos, hoje é só para bandido.

  5. O ser humano não se coloca no lugar de sei semelhante, os que praticaram justiça com as próprias mãos, respondem por crimes a justiça, vejam o quanto neste país os valores humanos e morais estão destruídos.

  6. A indignação, nesta espelunca chamada de país, é seletiva. Só se dá destaque se for crime contra marginais e bandidos. Querem um exemplo? Alguém divulgou o bárbaro estupro de um idoso em Recife protagonizado por dois “jovens” sendo um deles menor e o outro homicida? Só saiu na mídia de lá. Agora se o idoso tivesse conseguido tirar a arma e matar os dois diriam que foi exagero dele e toma homicídio doloso.
    https://news365.com.br/materias/interna/id/730/dois-garotos-usuarios-de-drogas-confessam-estupro-de-idoso-em-recife

  7. Após coordenar por três anos uma pesquisa sobre pena de morte, percebo que argumentos teóricos não bastam para entender o que leva as pessoas a alimentarem o sentimento de vingança; sinto-me cansada de ouvir as justificativa para atacar “bandidos protegidos”, “Direitos humanos dos criminosos”, etc…
    Minha conclusão para além da academia e da metodologia da pesquisa comparece em forma de perguntas:
    1) Por que temos que tomar partido entre o bandido ou entre a vítima de maneira imediata pensando sempre no delito em si?
    2) Não poderíamos alargar um pouco mais nossa mentalidade e pensar o porquê dos bandidos existirem e serem tão cruéis? Qual a responsabilidade social e política! Os presídios recuperam? As famílias dos “delinquentes” desfrutam dos mesmos direitos de outras famílias abastadas?
    3) Por que alimentar a Lei de Talião mesmo após o exemplo de Jesus Cristo?
    4) Por que, a ao invés de condenar, condenar e condenar, não lutamos por uma sociedade melhor para TODOS, de todas as classes, cor, gênero, crença..?
    5) Por que vigora o instinto vingativo quando sabemos que bastaria uma sociedade mais justa economicamente, que oferecesse educação, saúde e condições estruturais e culturais, para que a vida se tornasse mais suportável coletivamente??
    6) Por que estamos sempre voltados para “nosso umbigo” e não conseguimos uma postura ética no sentido literal da palavra, ou seja, por que não conseguimos nos colocar no lugar do outro em um exercício de alteridade e solidariedade verdadeira?
    7) Enfim, por que nos apequenamos tanto diante do sofrimento alheio?

  8. A verdade é que quando a justiça deixa de existir, o cidadão começa a fazer justiça com as próprias mãos. Não conheço os antecedentes do rapaz que foi tatuado e então não posso comentar porque parte da história permanece escondida, mas, no Brasil das ONGs e do PT o ladrão tem sempre razão.

  9. -SOLTEM OS BANDIDOS DO PT !!!
    -PAREM A LAVA JATO !!!

    Não tem o que se investigar: Se é a POBREZA que leva à criminalidade, todos eles, por serem abastados, são cidadãos inocentes e honestos!
    -BANDIDOS são aqueles POBRES e MISERÁVEIS que acordam às quatro da madrugada (enquanto os “cidadãos honestos” ainda estão roncando) para pegar um lixo de transporte público somente para roubar nas empresas e nas casas dos CIDADÃOS HONESTOS…
    -Bandidos são os favelados que são empregados da construção civil…
    Mas não os culpem. Só se tornaram bandidos porque nasceram pobres.

  10. Desta vez a TRIBUNA bobeou. Nem quem leu a primeira nem tampouco a segunda reportagem ficou sabendo o que aconteceu. Só se sabe que uma (ou duas) pessoas foram tatuadas. O que houve e porque houve, necas. Como disse um dos comentaristas: direitos humanos, no nosso país, só para bandidos.

  11. Sr. Puggina,

    O senhor ficou sabendo desse caso do “di menó” que “supostamente” furtou uma bike para trocar por drogas., coincidência o fato ocorreu na mesma Cidade onde habita o LulaMolusco., são Bernado do Campo, Grande São Paulo.
    Mas creio que o Senhor não ficou sabendo que na mesma semana desse caso tão cruel contra o “di menor” dois policiais foram mortos. um deles com requintes de crueldade., com 14 tiros…..
    E olhe que segundo nosso Ditador-Democrata o General Bashar al-Ckimin, disse por várias vezes que temos estatísticas de viol~encia melhores que o Japão, Suécia, Suiça, Noruega, Finlândia, Holanda,
    Mas não se preocupe, vamos torcer para o Partideco do Ditador-Democrata por em pauta a grande Salvação deste Páis pela forma de governo do PARLAMENTARISMO…
    E assim, nunca mais teremos ladrões tatuados na testa nem mortes de policiais…

  12. Mais novidades sobre o caso .

    Se fosse filho de rico seria tortura’, diz mãe de adolescente tatuado na testa sobre denúncia do MP
    Ronildo Moreira de Araújo e Maycon Wesley Carvalho dos Reis foram denunciados por constrangimento ilegal, lesão corporal e ameaça. Promotora descartou crime de tortura no caso.

    http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/se-fosse-filho-de-rico-seria-tortura-diz-mae-de-adolescente-tatuado-na-testa-sobre-denuncia-do-mp.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *