O leite dos porcos

Sebastião Nery

José Américo de Almeida era governador da Paraíba (51 a 53), apareceu no palácio um diretor do Fisi, uma picaretagem dos Estados Unidos, anterior à Aliança para o Progresso de John Kennedy, que distribuía de graça leite ralo, excedente da produção e do consumo dos porcos dos pecuaristas norteamericanos. Comunicou ao governador que o leite estava no Ceará:

– Governador, mande buscar a parte da Paraíba lá em Fortaleza.

– Não, senhor. Gostaria que o senhor trouxesse o leite de lá e o entregasse aqui no Estado.

– Quer dizer que o governador não quer o leite?

E passou a mão na barriga de José Américo, que deu um passo para trás, largou uma bofetada no americano e o enxotou do palácio aos berros:

– Cretino. Está pensando o que? Passar a mão na minha barriga? Um governador de Estado não pode deixar passar a mão na sua barriga.

Três dias depois, o leite ralo do Fisi estava em João Pessoa.

###
PARAIBANOS

João Arruda era industrial de tecidos em São Paulo e senador na Paraíba (de 55 a 63, pelo PSP, derrotando Chateaubriand, que tentava se reeleger). No restaurante do Copacabana Palace, no Rio, encontrou três paraibanos: Abelardo Jurema, suplente do senador Rui Carneiro; Abílio Dantas, comerciante e tio de Jurema; e Adalberto Lins, corretor de imóveis.

Adalberto viu João Arruda, enxergou negócio:

– Jurema, o senador não é seu amigo? O velho aí não é seu tio? Um compra algodão para sua fábrica e o outro vende algodão? Então você vai vender o algodão de seu tio para a fábrica do senador.

Uma hora depois, o velho Abilio tinha vendido todo o seu estoque de algodão lá na Paraíba para a fábrica “Santana” de João Arruda em São Paulo

###
JUREMA

O senador passou o guardanapo no rosto:

– Seu Abílio, conheço essa história de tio com sobrinho. Só fecho o negócio se você puxar agora o talão de cheque e der a comissão ao Jurema.

Seu Abílio assinou o cheque, 120 contos, uma fortuna. Saíram. Na rua, chamou Jurema:

– Meu sobrinho, me dê aquele cheque, que depois a gente acerta.

– Não, meu tio. Aqui no Rio, acerto de bar e restaurante é sagrado.

Jurema saiu atrás de Adalberto Lins:

– Tome logo sua parte.

– Mas eu não fiz nada, Jurema.

– Fez, sim. Você teve a idéia. Eu já aprendi a lição mais importante do Rio. Aqui, ninguém ganha acima de 50 contos sozinho.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *