O mal de que nos livramos. Livramos?

Percival Puggina

Interessado na história do período que vai de 1964 a 1985, ouvi falar e busquei assistir o documentário “Hércules 56”. Trata-se de um longa, do diretor Sílvio Da-Rin, composto por entrevistas, gravações de época e uma espécie de coletiva desenrolada numa mesa de bar. Os participantes da coletiva são remanescentes dos sequestradores do embaixador norte-americano em 1969 e do grupo despachado para o México, por exigência deles, a bordo da aeronave que dá nome ao filme. Entre outros, depõem, com a perspectiva que lhes permitiu um afastamento que já chega a quatro décadas, Franklin Martins, Vladimir Palmeira, José Dirceu, Flávio Tavares, Daniel Aarão Reis Filho e Paulo de Tarso Venceslau.

Eu assistira, antes, ao “O que é isso companheiro?”. Nele, Fernando Gabeira assume participação importante no sequestro. Em Hércules 56 Gabeira some. Por quê? O diretor, após a estreia, em 2006, explicou que Gabeira fora “soldado raso” na operação e jamais teria participado não houvessem os líderes escolhido para refúgio a casa onde ele morava. Praticamente mandou Gabeira procurar a própria turma e não inventar lorota. Só encontro uma explicação: o então deputado Fernando Gabeira se transferira do PT para o PV e perdera a simpatia dos companheiros.

Do conjunto da obra (Hércules 56 é um bom filme), concluí que, hoje, a maior parte dos protagonistas considera o sequestro e a luta armada como equívocos que estimularam o endurecimento e a continuidade do regime. Escolheram esse caminho por descrerem do jogo democrático. Eram militantes, dispostos a morrer e a matar pela revolução que julgavam estar fazendo, e sobre cuja existência real, pelo que pude presumir, não têm mais tanta certeza.

Foi exatamente aí que nasceu a observação registrada no título deste artigo: do que escapamos!

ÍMPETOS JUVENIS

Imagine, leitor, se, em vez de senhores de meia idade, reflexivos mas orgulhosos dos seus ímpetos juvenis, como se apresentam no filme, eles tivessem sido vitoriosos, e chegassem ao poder, como desejavam, na esteira do que realizara Fidel partindo de Sierra Maestra. O que teriam implantado no Brasil? Totalitarismo marxista-leninista, expropriações, tribunais revolucionários e execução de conservadores, liberais, burgueses, latifundiários, empresários, direitistas. E mais, partido único e total absorção da comunicação social pelo Estado. Era o que na época se chamava “democracia popular”, regime adotado pelas referências mundiais do comunismo.

Não estarei indo longe demais? Não. Assista ao filme e ouvirá Vladimir Palmeira elogiar o chefe do sequestro, Virgílio Gomes da Silva, por lhes ter dito: “Se houver algum problema que, por desobediência a uma ordem minha ou vacilação, coloque em risco a operação, não pensem que vou esperar um tribunal revolucionário. Eu executo na hora”. Quem trata assim os companheiros, como procederá com os adversários?

EXECUTAR O EMBAIXADOR

Noutra passagem, os entrevistados respondem à seguinte questão: caso as exigências não fossem atendidas pelo governo, o embaixador seria executado? Foi unânime a confirmação. Palmeira ilustra que essa mesma pergunta lhe fora feita no interrogatório posterior à sua prisão. Resposta: “Teria executado, sim; eu cumpro ordens”. E os cavalheiros, ex-revolucionários, em volta da mesa do bar, riram com ele. Franklin Martins riu mais alto do que todos.

Hoje, personagens daqueles anos acantonaram-se no poder e estamos sob severo risco de andar na mesma direção, por outros meios e com outros modos.

* O filme “Hércules 56” está disponível em boas locadoras e, dividido em nove partes, pode ser assistido no YouTube, buscado pelo título.

3 thoughts on “O mal de que nos livramos. Livramos?

  1. Ah ! Como é doce a ilusão. E cada um tem a sua. A suposição é uma espécie de ilusão. Ah se o engenheiro gurgel tivesse apoio dos golpistas , hoje o brasileiro teria um carro genuinamente brasileiro , barato, resistente, até hoje tem Gurgel rodando por aí. Mas como a ditadura servia aos americanos e lógico que os americanos não queriam concorrente competitivo. A ditadura serviu mais ao estrangeiro que ao brasileiro. Construiu infraestrutura para escoara riq

  2. Construiu infraestrutura para escoara riqueza para o exterior. A usina de Tucuruí foi construída para suprir a Alumar com energia barata , toda uma infraestrutura para escoar riqueza mineral de Carajás até o porto de Itaqui no Maranhão. O ouro de serra pelada sumiu. A realidade da ditadura está aí, porque não tem tanto tempo assim que o regime militar acabou, 40 anos na história de um país não é nada. Homens da época ditadura continuam praticando o que aprenderam naquela época. Quem lutou contra a ditadura merece todo o respeito, porque foram corajosos e corajosas, gente com ideal, que não concordavam com usurpadores obtusos, que se submeteram aos americanos, que financiaram o golpe com dólares corrompidos, em troca da exploração das riquezas naturais do Brasil e implantação de cultura coca cola no brasileiro. Os que lutaram contra a ditadura queriam um Brasil democrático, errados foram os generais que deram o golpe. Se aproveitaram do isolamento de Brasília para dominar o Brasil pelas armas , usaram as forças armadas brasileiras contra os próprio brasileiro. Vários episódios marcaram aquela época. Desaparecimentos, atentados no Rio centro e na OAB, sequestros , tortura e morte. Mais que provado quem foram os mandantes. Para apagar os vestígios das violências cooptaram o judiciário e as polícias. As polícias de hoje praticam em larga escala o que praticaram na ditadura. Os políticos que confundem o público com o privado, que não são poucos, estão aí, até hoje no congresso. Homens com mais de 50. Os seus filhos e seus netos atrasando o país para ganhar eleição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *