O máximo dos máximos no futebol

12

Tostão
O Tempo

Hoje é dia do maior clássico nacional da Europa, o máximo dos máximos, entre Real Madrid e Barcelona. Para os jovens, é difícil imaginar que já houve, no Brasil, um clássico tão bom ou melhor, entre Santos e Botafogo, com Pelé de um lado e Garrincha de outro.

Paulo Andrade e Paulo Calçade, da ESPN Brasil, mostraram, pela TV, uma foto de Pelé com Di Stéfano, feita nesses dias, em um restaurante em Madri. O encontro foi por acaso. Di Stéfano estava em uma cadeira de rodas. Ele, argentino, é presidente de honra do Real Madrid. Meu pai me dizia que Pelé era o melhor de todos, mas que Di Stéfano era o único jogador espetacular de uma área à outra. Pelé atuava do meio para frente.

Quando jogava no Cruzeiro, influenciado por meu pai, tentei jogar de uma área à outra. Quando chegava à intermediária do outro time, estava morto. Desisti. Contentei-me em ser Tostão. Hoje, há um grande número de jogadores talentosos no mundo, que atuam de uma área à outra. O futebol mudou.

Na Copa de 1994, lanchava, sozinho, no centro de imprensa de Dallas, nos Estados Unidos, quando se aproximou um senhor mais velho, pediu licença para sentar-se ao meu lado, disse que tinha me visto jogar e se apresentou: “Di Stéfano”. Era ele. Quase caí da cadeira. Conversamos sobre futebol.

REAL E BARCELONA

Hoje, a maior diferença entre Real Madrid e Barcelona, a favor do Real, está no elenco. Para manter a fama de que forma craques, o Barcelona insiste com alguns jovens, reservas, que não têm condições de atuar na equipe principal.

São dois estilos diferentes. O Barcelona prioriza a troca de passes e a posse de bola, enquanto o Real Madrid joga com mais velocidade, além de ser excepcional nas jogadas aéreas. Cristiano Ronaldo vai explorar os espaços nas costas do brasileiro Daniel Alves. O croata Modric e o espanhol Xabi Alonso terão mais dificuldades pelo meio para marcar a troca de passes e a movimentação do argentino Messi. E ainda terão de se preocupar com o brasileiro Neymar.

GRANDE CAPITÃO

Conheci Bellini na Copa de 1966. Ele estava no fim de carreira, sem boas condições de jogar o Mundial. Bellini foi um ótimo zagueiro. Mais que isso, foi um desses jogadores que se destacam mais pelas qualidades humanas, pela tranquilidade, pela postura, pelo equilíbrio e pela educação do que pelas virtudes técnicas. Mereceu se tornar uma estátua, mas não a do Maracanã, que não representa seu corpo nem sua alma.

One thought on “O máximo dos máximos no futebol

  1. Hoje também é dia do maior Clássico do Nordeste e consequentemente um dos maiores do Brasil. É o tradicionalíssimo BA X VI. Estarei de olho, torcendo que seja um bom espetáculo e de preferencia que vença o TRICOLOR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *